Quem é o adversário? Ou o inimigo?

Por Lorena Holzmann | Rever a história de lutas da classe trabalhadora, retratada no cinema em películas memoráveis, se torna um exercício importante de resgate da abordagem dos conflitos próprios à relação capital-trabalho… >>>

1
A legalização da precariedade

Por Lorena Holzmann | O homem que virou suco (João Batista de Andrade, Brasil, 1981) pode ser considerado um painel do trabalho precário no Brasil, informal, sem direitos, submetido ao arbítrio do empregador… >>>

1
O que não deu certo e o valor simbólico do trabalho

Por Lorena Holzmann | Num país com profundas raízes no escravismo, ainda persistente, embora transmutado em outras roupagens, e com uma forte tradição bacharelesca, quaisquer atividades próximas do esforço manual são privadas de prestígio e até de respeitabilidade e consideração… >>>

A roda da História

Por Lorena Holzmann | Falar na roda da História girando para trás, na contramão do processo de avanço civilizatório, não é uma visão apocalíptica, fantasiosa e pessimista de um futuro impossível, mas a construção de uma perspectiva delineada a partir de uma abordagem fática dos tempos modernos… >>>

1
Dia Internacional da Mulher: uma data superada?

Por Lorena Holzmann | A presença da mulher no mundo do trabalho, desde a revolução industrial do século XVIII, tem sido recorrente, assim como muitos problemas por elas vivenciados. O cinema tem dado conta dessa longa trajetória, na qual se combinam superações e permanências… >>>

1
Pai Patrão (e a mítica do amor em família)

Por Lorena Holzmann | Passando-se na Itália durante o fim da II Guerra Mundial, o filme italiano ‘Pai Patrão’ mostra uma tragédia ainda existente no mundo, que submete crianças a trabalhos árduos, penosos, deixando-os fora da escola, roubando-lhes a infância… >>>