Há “empoderamento” nas plataformas digitais?

Por Ana Claudia M.Cardoso, Célia da G. Arribas e Maria Júlia T. Pereira | Problema é estrutural, mas Uber, Ifood e afins apropriam-se da pauta feminista sem garantir dignidade ou segurança às mulheres. Divisão de gênero se mantém: são poucas nos apps de transporte e quase 100% em limpeza e estética… >>

0
Trabalho remoto, saúde e produtividade na perspectiva de gênero

Por Patrícia Maeda | Os efeitos do trabalho remoto e do distanciamento físico se revelam diferentes entre magistrades binário-generificades como homens e mulheres, pois a desigualdade de gênero, muitas vezes pensada em termos de participação feminina nas instituições, aparece nitidamente no cotidiano de todes, ainda que seja invisibilizada nas narrativas… >>

1