Reformas institucionais de austeridade, democracia e relações de trabalho

silvareformas_350A presente obra não poderia ser mais atual e urgente. Ao contrário de ser um movimento isolado, o quadro de reformas na legislação protetiva trabalhista, em forte ataque ao seu coração – o princípio da proteção – encontra-se no cerne das chamadas políticas de austeridade, como relembra Paul Mason, no livro Pós-Capitalismo: a austeridade significa, no final das contas, a redução da participação dos trabalhadores na riqueza, pela diminuição da sua força pela desconstrução do sistema de proteção estatal e enfraquecimento dos sindicatos, o que pode ser realizado dentro do ritos democráticos ou imposto autoritariamente quando forem encontradas resistências, como nos lembram Pierre Dardot e Christian Laval em A Nova Razão do Mundo – Ensaio sobre a Sociedade Neoliberal.

Assim, imprescindível a correlação que a presente obra coletiva nos brinda em artigos que dialogam de maneira precisa sobre a quebra das regras democráticas em curso no Brasil e sua contextualização na sociedade neoliberal global, passando a demonstrar a sua ligação com a desestabilização do movimento sindical, a limitação do acesso à Justiça aos trabalhadores, o aumento da insegurança, o enfraquecimento das negociações coletivas e a proteção dos direitos humanos e do trabalho decente.

Enfim, uma leitura indispensável no momento em que vivemos, para que nos inspire na resistência.

(texto da apresentação do livro, por Rodrigo Carelli)

Informações

Título: Reformas institucionais de austeridade, democracia e relações de trabalho
Organizadores: Sayonara Grillo Coutinho Leonardo da Silva, Lilian Balmant Emerique e Thiago Barison
Editora: LTr
Ano: 2018

Trecho: Leia aqui as primeiras 22 páginas do livro.

Onde encontrar: A obra pode ser adquirida diretamente de sua editora.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *