País tem 2,5 milhões de desempregados a mais em 12 meses

A taxa de desemprego medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua chegou a 9% no trimestre encerrado em outubro, ante 6,6% de igual período do ano anterior. É a maior da série histórica, iniciada em 2012. Com isso, o número de desempregados no país foi estimado em 9,077 milhões – 2,513 milhões a mais, crescimento de 38,3%. Na mesma base de comparação, o total de ocupados (92,306 milhões) recuou 0,3%, o correspondente a 285 mil pessoas a menos. Os resultados foram divulgados no último dia 15 pelo IBGE.

A pesquisa mostra também enfraquecimento do mercado de trabalho formal. Segundo a Pnad, o número de empregados com carteira assinada, estimado em 35,380 milhões, caiu 1% em relação ao período imediatamente anterior (menos 359 mil) e 3,2% (1,184 milhão) ante o trimestre encerrado em outubro de 2014. Quem cresce, nesses mesmos intervalos, são os trabalhadores por conta própria.

Estimado em R$ 1.895, o rendimento médio ficou estável, segundo o IBGE, na comparação com o trimestre maio-julho (variação de -0,7%) e em relação ao ano anterior (-1%). A massa de rendimentos (R$ 169,6 bilhões) também “não apresentou variação estatisticamente significativa”, de acordo com o instituto.

[divide]

Fonte: Rede Brasil Atual
Data original da publicação: 19/01/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *