IBGE aponta níveis recordes de trabalho doméstico e por conta própria

Fotografia: Julia Dolce/Agência Pública

Os dados do mercado de trabalho brasileiro divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) destacam o avanço do trabalho informal, além dos recordes do trabalho doméstico e por conta própria.

De acordo com a pesquisa, 25,4 milhões de pessoas estavam trabalhando por conta própria no trimestre fechado em agosto, um aumento de 4,3%, com mais 1 milhão de pessoas. Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, o contingente avançou 3,9 milhões, alta de 18,1%.

Já os dados do trabalho doméstico aumentaram 9,9%, somando 5,5 milhões pessoas. Frente ao mesmo período do ano anterior, cresceu 21,2%, um adicional de 965 mil pessoas. As expansões trimestral e anual foram as maiores em toda em toda a série histórica da ocupação dos trabalhadores domésticos.

O número de empregados no setor privado sem carteira (10,8 milhões) cresceu 10,1% na comparação com o trimestre móvel anterior. Em um ano, esse contingente subiu 23,3% ou 2 milhões de pessoas – segundo o IBGE, foram as maiores variações da série histórica, em termos percentuais e absolutos.

A categoria dos empregadores (3,8 milhões) ficou estável nas duas comparações. Os empregados do setor público (11,6 milhões) tiveram uma redução de 3,1% frente ao trimestre anterior. Na comparação anual, ficou estável.

Embora a população ocupada tenha aumentado, o rendimento médio real dos trabalhadores recuou 4,3% frente ao trimestre encerrado em maio e reduziu 10,2% em relação ao mesmo trimestre de 2020, ficando em R$ 2.489.

Foram as maiores quedas percentuais da série histórica, em ambas as comparações. A massa de rendimento real, que é soma de todos os rendimentos dos trabalhadores, ficou estável, atingindo R$ 219,2 bilhões.

Fonte: GGN
Data original da publicação: 27/10/2021

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *