As plataformas são a síntese do capitalismo atual, diz Lucia Garcia

Imagem: Instituto Lula/Youtube

As empresas de plataforma são a síntese do capitalismo atual no que se refere tanto à infraestrutura quanto a valores, defende Lucia Garcia. A economista foi uma das convidadas do encontro Novos negócios e sociedade de serviços, realizado na terça-feira (10). 

Para compreender a trajetória que nos trouxe até este cenário, é preciso voltar um pouco no tempo. Para isso, o também economista Cássio Calvete traça um breve histórico das relações de trabalho predominantes nas últimas décadas, começando pelo pós-guerra, quando a sociedade ainda colhia os frutos da Segunda Revolução Industrial.

Calvete destaca que as relações nesse tempo eram marcadas pela rigidez de jornada e remuneração, bem como pela pouca autonomia dos trabalhadores, cada vez mais especializados e padronizados. Ainda segundo ele, nesse período predominavam os valores de longo prazo, baseados na lógica de investimento, produção e lucro. Era o tempo do chamado “bem-estar social”.

Mais tarde, destacadamente após a crise do petróleo de 1973, esse modelo de sociedade passou a ser questionado e negado. No bojo dessa transformação estrutural, vieram alterações no mundo da produção e serviço. Alguns dos efeitos mais eminentes foram a flexibilização de expediente, salários e vínculos trabalhistas. Pontua o professor que nessa época passaram a se sobressair os valores de curto prazo, com destaque para a financeirização da economia, que funciona a partir de uma dinâmica “mais fluida”. 

Já no contexto que alguns chamam Quarta Revolução Industrial, as fronteiras entre comércio e serviço passaram a ficar “borradas”. Calvete caracteriza os tempos atuais a partir dos valores ditos de sucesso individual – “empreendedorismo” e “meritocracia” são termos-chave. O professor lembra que o discurso impulsionador das mudanças é o mesmo de períodos anteriores: em tese, a nova realidade traria autonomia e qualificação aos trabalhadores. Contudo, o que se observa na realidade é um aumento vertiginoso da precarização, com destaque nos dias atuais para os trabalhadores de plataforma. 

Nesse sentido, Lucia reforça que a sociedade contemporânea está assentada na regressão de direitos – resultado de anos de desenvolvimento e transformação capitalista. Na avaliação da professora, esse contexto se estrutura sobre três pilares: doutrina neoliberal, lógica financeira de acumulação e base tecnológica de matriz informacional. 

A economista questiona a narrativa de que a tecnologia digital seria “neutra”, capaz de ser direcionada rumo à formação de uma sociedade menos hierarquizada ou rígida. Para ela, essa estrutura tecnológica está profundamente enraizada a um momento capitalista “pouco afeito a estruturas sociais democráticas”. 

Por fim, Lucia destaca a necessidade de se investigar e compreender o funcionamento das plataformas que regem nosso tempo, até mesmo para viabilizar formas específicas de regulação e tributação. Na avaliação da economista, é alarmante que nem o Produto Interno Bruto contabilize os valores gerados por plataformas estrangeiras atuantes no Brasil: “Quando a estrutura não é conhecida, ela é fugidia”.

O ciclo de debates Desenvolvimento, novas desigualdades e Justiça Fiscal no Brasil é organizado pelo Instituto Lula, em parceria com o Instituto Justiça Fiscal (IJF) e as entidades coordenadoras da campanha “Tributar os Super-Ricos”.

Fonte: Instituto Lula
Data original da publicação: 11/08/2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *