A luta prioritária é contra a fome

Fotografia: Ueslei Marcelino/Reuters

A reconstrução do país passará pela continuidade de um árduo trabalho de reconstrução interrompido pela irresponsabilidade e oportunismo.

Luis Nassif

Fonte: GGN
Data original da publicação: 30/06/2022

Entre uma pesquisa e outra, os brasileiros sujeitos à fome aumentaram de 16 para 32 milhões de pessoas. O quadro atual seguramente é pior. É fato inédito na história do Brasil, explica Tereza Campello, a grande planejadora dos programas sociais na era Lula. Possivelmente apenas na seca do Nordeste, em 1917, houve tragédia semelhante.

Com o governo Temer, o cadastro único foi abandonado. Na era Bolsonaro, foi destruído. Com o Auxílio Brasil, trocou-se o cadastro único por um aplicativo da Caixa Econômica Federal. Quando se decidiu pelo novo programa de renda básica, voltou-se ao cadastro único, mas já totalmente desmantelado.

Na nova etapa, haverá uma recomposição gradativa do cadastro único mas, paralelamente, deverão ser deflagradas as ações contra a fome, já que é tema emergencial.

A sorte é o fato da estrutura anterior ainda estar na memória de técnicos das áreas federal, estadual e municipal. E, mais que isso, há uma energia enorme de solidariedade, de vontade de reconstruir o país, pronta para vir à tona assim que houver governo.

Aliás, o ex-governador Geraldo Alckmin tem sido uma surpresa positiva na campanha de Lula. Especialmente após um discurso em que mostrou a continuidade das políticas pós-ditadura, passando pelos governos Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma. A reconstrução do país passará por isso, pela continuidade de um árduo trabalho de reconstrução, que foi interrompido pela irresponsabilidade e oportunismo dos que achavam que poderiam cavalgar impunes a cadela do impeachment.

Bolsonaro, Pedro Guimarães, Paulo Guedes, Almirante Heleno, general Braga Neto são apenas os vírus oportunistas, que se valeram de um organismo fragilizado pela irresponsabilidade da mídia, do Supremo, do Ministério Público.

Haverá um longo caminho pela frente, de autocrítica, de aprendizado, de aprender que a imagem da democracia como plantinha frágil não era mera figura de linguagem. O país e as instituições precisam começar a se guiar por princípios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *