Quando os nazistas tentaram cooptar o Dia do Trabalhador

Vista do campo Tempelhof em Berlim, Alemanha, em 1º de maio de 1933. Fotografia: Keystone-France/Getty Images

Para conquistar os trabalhadores alemães e substituir sua lealdade socialista pelo fascismo, o Terceiro Reich criou uma versão nazista do Primeiro de Maio, tentando dar uma tônica mais nacionalista, enquanto aliciava patrões e trabalhadores. Mas os socialistas resistiram e preservaram o sentido original deste dia.

Meagan Day

Fonte: Jacobin Brasil
Tradução: Cauê Seignemartin Ameni
Data original da publicação: 02/05/2021

Ontem celebramos o primeiro de maio com bandeiras vermelhas, punhos erguidos e canções de solidariedade, como os socialistas fazem há gerações. Essas tradições perseveraram desde o início do feriado no final do século XIX – mas não sem interrupção.

Na Alemanha de 1930, o primeiro de maio era comemorado à sombra da suástica. A sobrevivência do feriado desta tentativa descarada de cooptação fascista aprofunda o significado de sua continuação até os dias atuais.

Um dia de ódio

Em 1° de maio de 1933, Adolf Hitler estava diante de uma multidão de quinhentos mil pessoas reunidas no campo Tempelhof, em Berlim. Estava quente e ensolarado, o que os nazistas chamavam de “clima de Hitler” porque seus discursos públicos muitas vezes caíam em dias agradáveis como este. Na multidão estavam trabalhadores, patrões, líderes sindicais e espectadores em geral que pagaram ingresso para assistir ao grande evento. Atrás de Hitler estavam penduradas seis enormes faixas da bandeira nazista, um conjunto teatral e imponente projetado pelo arquiteto nazista Albert Speer.

Dois meses antes, Hitler havia violado o Decreto do Incêndio do Reichstag, suspendendo as liberdades civis como pretexto para neutralizar a oposição socialista. O decreto revogou o direito de reunião pública e tornou a resistência da esquerda virtualmente ilegal. Membros dos partidos social-democrata e comunista já estavam sendo enviados para o recém-construído campo de concentração de Dachau, onde foram forçados a posar para fotos humilhantes segurando cartazes que diziam: “Eu sou uma pessoa com consciência de classe”.

E, no entanto, estava em andamento uma celebração do primeiro de maio, orquestrada pelo próprio Hitler.

Na Alemanha, como em qualquer outro lugar, o primeiro de maio tinha sido um feriado socialista e do movimento trabalhista desde 1890. As celebrações enfatizaram a necessidade da classe trabalhadora de todas as nações se unirem na luta comum contra os capitalistas, e muitas vezes assumiram a forma de paralisações de trabalho em massa, com manifestações agitadas com caixas de som. Mas este primeiro de maio, anunciou Hitler, marcaria um afastamento permanente daquela visão equivocada do feriado.

Durante séculos, Hitler disse a um grupo de jovens alemães durante a um discurso, o primeiro dia de maio marcou a chegada da primavera e foi celebrado com festivais folclóricos tradicionais em toda a Alemanha e no resto da Europa. Mas os socialistas cooptaram essa ocasião benéfica e a colocaram em direção a fins divisores e nefastos. “O dia de uma nova vida e alegria esperançosa foi transformado em um dia de disputas e lutas internas”, disse ele. Ele chamou o primeiro de maio de “um dia de ódio”.

Hitler expressou sua intenção de resgatar o feriado das garras dos radicais que haviam pervertido seu significado, colocando os alemães uns contra os outros quando deveriam estar celebrando sua herança e tradições compartilhadas. “O símbolo do conflito de classes”, disse ele, “de lutas e discórdias sem fim, agora está se tornando mais uma vez o símbolo da grande unidade e levante da nação”.

Com isso, o governo de Hitler proclamou o 1º de maio um feriado nacional, algo que o governo de Weimar nunca havia feito antes. Rebatizado de Dia Nacional do Trabalho, a evento foi despojado de suas associações de luta de classes e submetida à ideologia fascista do Terceiro Reich.

Um novo slogan foi escolhido para o feriado que parecia elevar a classe trabalhadora sem promover o conflito de classes: “Honre o trabalho e respeite o trabalhador”. Hitler enfatizou que o feriado reinventado celebraria os trabalhadores alemães e representaria a unidade alemã entre classes, dizendo: “É necessário ensinar a cada posto e classe o significado dos outros postos e classes”.

Delegações de trabalhadores estiveram presentes no comício no Campo de Tempelhof, embora não tivessem chegado com o espírito de resistência à tirania de seus patrões como nas comemorações passadas. Em vez disso, sua presença havia sido combinada com antecedência pelo governo nazista, e eles marcharam em divisões comandadas por seus próprios patrões.

Presentes também estavam os líderes sindicais que oportunisticamente se alinharam com os nazistas quando a sorte dos partidos de esquerda começou a desandar. Hitler os havia trazido de avião de todo o país para Berlim e os saudou pessoalmente com uma garantia: “Vocês verão como é falsa e injusta a declaração de que a nossa revolução é dirigida contra os trabalhadores alemães”.

O ministro da propaganda do Terceiro Reich, Joseph Goebbels, foi ainda mais franco do que Hitler sobre a intenção dos nazistas de substituir uma visão fascista do Primeiro de Maio por uma socialista, dizendo:

Em um dia em que antigamente ouvíamos o barulho de metralhadoras e as canções inspiradas no ódio da luta de classes e da Internacional, neste primeiro ano do governo de Hitler o povo alemão está reunido em lealdade unânime e inabalável ao Estado, a raça (Volk) e a nação alemã à qual todos pertencemos.

Naquela noite, Goebbels foi para casa e escreveu em seu diário: “Amanhã ocuparemos as casas do sindicato. Resistência não é esperada em lugar nenhum.”

Em 2 de maio de 1933, um dia após o primeiro Primeiro de Maio nazista, os camisas-negras invadiram os sindicatos em todo país, confiscaram seus fundos e prenderam seus funcionários. Os sindicatos independentes foram posteriormente proibidos no Terceiro Reich. Eles foram substituídos pela Frente Trabalhista Alemã, cuja bandeira representava um símbolo industrial circundando uma suástica.

Maypoles e Swastikas

Sempre foi prática dos nazistas atrair os trabalhadores alemães, apropriando-se de imagens e retórica socialistas. Essa estratégia foi precisamente como, apesar de ser fundamentalmente anti-socialista e cruelmente anti-sindical, eles acabaram se nomeando de Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães para começar.

No início, o primeiro de maio não foi diferente. O governo fascista criou cartazes e cartões postais retratando trabalhadores segurando ferramentas e parados diante de silos de fábricas, combinados, é claro, com símbolos nazistas. Em 1934, o Terceiro Reich chegou a emitir moedas comemorativas ideologicamente confusas, ostentando a suástica e a águia do Reichsadler ao lado do martelo e da foice.

A intenção da apropriação do Primeiro de Maio pelos nazistas sempre foi fazer uma transição para longe das associações socialistas. Em 1934, o nome do feriado foi alterado para Feriado Nacional do Povo Alemão. Cada vez mais, os materiais oficiais do feriado retratavam imagens de alemães dançando em torno de mastros com suásticas, vestindo vestidos casuais e outras roupas folclóricas. Essas cenas tradicionais da primavera germânica também foram reproduzidas com as Rainhas de Maio coroadas ao lado de elaboradas marchas militares e exibições marciais.

Os mastros e outras imagens arbóreas há muito tempo são associados à política da esquerda revolucionária, remontando pelo menos à Revolução Francesa e aparecendo com frequência na arte socialista britânica, incluindo a arte do Primeiro de Maio. Neste caso, no entanto, os mastros, coroas e guirlandas – com símbolos nazistas e outras imagens neopagãs – visavam evocar a conexão distinta dos alemães etnicamente puros com a história e as terras alemãs, um etno-nacionalismo romântico que unia noções de raça e natureza, sangue e solo. Emparelhado com a insígnia nazista, folk tornou-se Volk.

Em Festivais e o Terceiro Reich William Wilson observa que houve três eventos oficiais que “forneceram ao regime seu contexto nacional de celebração anual”: os comícios do partido em Nuremberg, as celebrações de 1º de maio em todo o país, sendo as maiores delas realizadas anualmente em Berlim, no Campo de Tempelhof, e o festival da colheita na Baixa Saxônia por volta do Dia de Ação de Graças.

O festival da colheita era para os fazendeiros alemães o que a nova celebração do primeiro de maio representava aos trabalhadores alemães. O objetivo em ambos os casos era ganhar segmentos da população para o programa nazista e integrá-los no que os nazistas chamavam de “comunidade nacional” – ou reintegrá-los no caso dos trabalhadores, porque os nazistas diziam que os socialistas os haviam dividido injustamente.

As celebrações do 1º de maio nazista incluíram uma “exibição abundante de bandeiras, bandeirolas e folhagens, bem como discursos, desfiles e transmissões de rádio de Berlim”. Eles também apresentavam grandes banquetes públicos de comida e bebida grátis, que atraíam as massas, mesmo aqueles que não eram particularmente encantados com a ideologia nazista. Isso incluía trabalhadores, que teoricamente ainda estavam sendo homenageados por essas festividades Völkisch, mas que não estavam exatamente transbordando de entusiasmo fascista.

O novo primeiro de maio era popular entre a pequena burguesia alemã, mas em 1935 os funcionários do Reich haviam ficado frustrados com o fracasso de sua estratégia de usar o feriado para integrar os trabalhadores na comunidade nacional. “Apesar da participação significativa da população nas celebrações do Primeiro de Maio”, resume Wilson, “na opinião deles, os trabalhadores não estavam entendendo o ‘significado’ nacional-socialista do festival”.

Com o passar dos anos, os trabalhadores tiveram cada vez mais que ser compelidos por seus patrões a participar do Primeiro de Maio. Os que compareceram voluntariamente pareciam estar principalmente interessados em comer e beber, não em saudar Hilter com entusiasmo ou ouvir atentamente os discursos do Führer transmitidos de Berlim. Wilson escreve:

De acordo com vários relatórios do Stapo, a abundante exibição de bandeiras e decorações públicas e o alto nível de participação mascararam a realidade de que em muitos lugares, especialmente onde o aparelho do partido ainda estava insuficientemente desenvolvido, o significado do feriado ainda não havia sido incutido na consciência das pessoas. Os trabalhadores consideraram a celebração como um festival “por comando”, em vez de uma celebração comunitária que aproxima “Führer e seguidores”.

Em 1938, a guerra estava no horizonte e a moral estava enfraquecendo, o humor nacional estava tenso e instável. A participação popular nas celebrações do Primeiro de Maio nazista começou a diminuir. Relatórios oficiais observam que muitos alemães consideravam os tempos “muito graves para tais festivais”. Não foram apenas os trabalhadores apolíticos que perderam o interesse no Primeiro de Maio nazista. Depois de cinco anos de suásticas nos mastros, a novidade havia passado até mesmo para os devotos mais fervorosos do regime, que agora estavam distraídos pelas complexidades da vida no Terceiro Reich e a piora da situação internacional.

O governo de Hitler continuou a encorajar as celebrações do Primeiro de Maio ao longo dos primeiros anos da guerra, mas sua escala foi drasticamente reduzida. Em muitos casos, os processos foram empurrados das ruas para as fábricas, tornando-se ocasiões apenas para os patrões fornecerem um barril de cerveja para os trabalhadores. Mesmo assim, os trabalhadores muitas vezes tiveram que ser pressionados a comparecer.

A sentença de morte para o Primeiro de Maio nazista dobrou quando, em 1942, o regime adiou o feriado de trabalho para não interromper a produção durante a guerra. Foi mudado para um fim de semana e passou relativamente despercebido. Os mastros com a suástica no topo já haviam começado a desaparecer. Agora, também desapareceram as festas sombrias das fábricas.

Este dia pertence a nós

Aoposição de esquerda ao Terceiro Reich foi reprimida até a quase inexistência. Dachau estava à espera de prisioneiros políticos. Os dissidentes expressaram suas opiniões por sua conta e risco.

Nos primeiros anos depois que Hitler assumiu o poder, entretanto, permaneceram na Alemanha algumas redes socialistas clandestinas desgrenhadas e descentralizadas. Ocasionalmente, panfletos isolados de marxistas se encarregavam de lembrar aos trabalhadores, através dos meios limitados à sua disposição, as origens socialistas do Primeiro de Maio.

Eles foram mais ousados em Berlim, onde nos primeiros anos do Reich os socialistas penduraram pôsteres antinazistas nas ruas e distribuíram panfletos nas fábricas que explicavam o verdadeiro significado do feriado. Incapazes de realizar comícios e manifestações, eles comemoraram o feriado organizando “confraternizações disfarçadas de klatsches de café”, observa Wilson. Com medo de serem ouvidos cantando a Internacional, eles cantaram canções apolíticas para manter o ânimo.

Com o passar dos anos de Hitler, os funerais dos camaradas mortos pelos nazistas continuaram sendo uma das únicas formas de assembléia aberta disponíveis para os socialistas. Em um funeral em Hamburgo, um ex-líder do Partido Social Democrata fez um elogio empolgante que terminou com trezentos participantes socialistas erguendo os punhos e gritando: “Liberdade!” A Gestapo percebeu a prática e começou a prender socialistas em funerais.

No final de 1936, um ano em que 11 mil alemães foram presos por “atividade socialista ilegal”, não havia mais muita oposição de esquerda interna. Mas o Primeiro de Maio é um assunto internacional. Tinha sido bestializado com bandeirolas trazendo a suástica na Alemanha, mas no resto do mundo ainda era marcado como uma ocasião socialista, um dia de resistência em massa à exploração e opressão.

Isso permaneceu vivo na periferia do território expandido do Reich, além das fronteiras alemãs originais. Em 1944, os socialistas judeus celebraram no gueto de Varsóvia. Um participante lembrou:

Nunca a Internacional tinha sido cantada em condições tão diferentes, tão trágicas. A letra e a música ecoavam das ruínas carbonizadas e eram, naquele momento específico, uma indicação de que os jovens socialistas ainda lutavam no gueto e que, mesmo diante da morte, não estavam abandonando seus ideais.

Esta celebração do Primeiro de Maio ocorreu em meio à revolta do gueto de Varsóvia, na qual jovens militantes judeus pegaram em armas e travaram uma sangrenta campanha de represália contra a Wehrmacht e os soldados da SS que os prenderam, aterrorizaram e assassinaram seus amigos e familiares. Aqui, o espírito original do Primeiro de Maio estava vivo, enquanto os oprimidos se levantavam contra seus opressores – como se dissessem: “Este dia pertence a nós, não a você”.

Em 1945, o Terceiro Reich chegou ao fim, e com isso todos os seus esforços para se apropriar e exterminar o socialismo. O Primeiro de Maio sobreviveu ao regime nazista. Enquanto participamos das atividades do Dia de Maio, vamos lamentar aqueles socialistas cujas vidas foram perdidas pela repressão nazista. Também vamos comemorar o fato de que a versão socialista do Primeiro de Maio sobreviveu à fascista.

Meagan Day faz parte da equipe de articulistas da Jacobin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *