O dia da luta operária mantém viva a nossa história

Mulheres protestam em Petrogrado (autal São Petesburgo) no dia 8 de março de 1917. Fotografia: Everett Collection/Alamy

O engodo da modernização pode pegar desprevenido o trabalhador que não conhece o passado de sua classe.

João Carlos Juruna, Chiquinho Pereira, Wagner Gomes e Álvaro Egea

Fonte: Brasil de Fato
Data original da publicação: 27/06/2021

A Greve Geral de 1917 tem muito a nos dizer. Ainda mais nesses tempos sombrios, quando o governo parece retroceder à República Velha, aos anos anteriores ao processo de urbanização e industrialização que se verificou nos governos de Getúlio e Juscelino.

Durante aquela greve ocorrida há 104 anos, o jovem sapateiro José Martinez morreu baleado por soldados da antiga Força Pública no dia 9 de julho. E, em 2017, por lei municipal de autoria do vereador de São Paulo, Antônio Donato (PT) a data de sua morte inspirou a criação do Dia da Luta Operária. Esse é o nosso 9 de julho.

Como disse José Luiz Del Roio, jornalista e ativista italiano, para o Centro de Memória Sindical1, as reivindicações de 1917 eram as mesmas que se reproduziam naquela época: uma jornada que desse para viver e um salário que desse para não morrer de fome.

O perfil daqueles trabalhadores foi definido pelo jornalista João Guilherme Vargas Netto2: “Uma massa enorme de ex-escravos, recentemente libertados e sobrevivendo sem nenhum direito. Alcoolismo, doença, dispersão compunham o quadro social dos trabalhadores do Brasil, além do grande peso de trabalhadores imigrantes recém-chegados, que se acumulavam em verdadeiros guetos ou bairros étnicos”.

É seguro dizer que a classe trabalhadora vive hoje uma situação melhor do que a miséria que levou à ocorrência da Greve de 1917. Desde então o país passou por um processo de amadurecimento político e social que projetou líderes e personalidades importantes como: o ferroviário Raphael Martinelli, a tecelã Eunice Longo, ambos homenageados do Dia da Luta Operária de 2019, a economista Lenina Pomeranz, primeira diretora técnica do Dieese, e Hugo Perez, o eletricitário idealizador da primeira Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, Conclat, que receberão o troféu José Martinez no dia 9 de julho de 2021.

Mas, embora tenhamos mais força e condições de luta hoje do que já 104 anos, é fundamental entender que a história não caminha em linha reta. Ela se desenvolve através de avanços e recuos, movida por interesses conflitantes. E desde 2016 vivemos um enorme recuo.

A reforma trabalhista custou direitos e proteção ao trabalhador, sobretudo a proteção sindical. Chamou-se de modernização a pejotização, o trabalho intermitente, o acordado sobre o legislado, a inviabilização do custeio sindical, o desmonte da nossa CLT e a supremacia do mercado como o regulador das relações entre patrão e empregado.

Essa é a principal lição que a Greve de 17 oferece hoje: a incoerência do discurso que baseou a destruição de direitos iniciado no governo de Michel Temer e aprofundado por Jair Bolsonaro defendido como “modernização trabalhista”.

Travestido de moderno, esse discurso remonta à República Velha, à passagem do trabalho escravo ao trabalho assalariado, quando a burguesia, impregnada da visão escravista, considerava que os novos assalariados não tinham direito nenhum.

Desde 2016, os governos do atraso promoveram o caminho inverso da política desenvolvimentista dos anos de 1930 e 50, tirando o trabalhador da classe média e jogando-o na pobreza.

Por isso conhecer e valorizar a história é uma ação vital para um povo e para uma nação. O engodo da modernização pode pegar desprevenido o trabalhador que não conhece o passado de sua classe e, desprevenido, esse trabalhador pode até ser massa de manobra para interesses contrários aos dele.

Isso dá à iniciativa do vereador Donato, de criar o Dia da Luta Operária homenageando lideres populares e sindicais, uma dimensão grandiosa. Ela proporciona que todo ano tenhamos um dia para lembrar e falar sobre aquela greve, além de resgatar outras histórias vividas pelos homenageados. Assim nunca esqueceremos do operário morto naquele 9 de julho de 1917 por reivindicar o mínimo para viver.

Notas

1 Em entrevista para a revista sobre os 100 anos da Greve de 1917.

2 Também em entrevista para a revista sobre os 100 anos da Greve de 1917 do Centro de Memória Sindical.

João Carlos Juruna é secretário geral da Força Sindical.

Chiquinho Pereira é secretário Nacional de Organização, Formação e Políticas Sindicais da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Wagner Gomes é secretário geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Álvaro Egea é secretário geral da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *