Como a Amazon venceu o sindicato em Alberta

Fotografia: Chris Ratcliffe/Getty Images

A derrota demonstra que os sindicatos devem melhorar o seu jogo e se comunicar com sucesso com os trabalhadores.

Ashlynn Chand

Fonte: Rádio Peão, com Jacobin
Tradução: Luciana Cristina Ruy
Data original da publicação: 16/05/2022

Em 14 de setembro, uma semana depois que o Teamsters entrou com um voto para sindicalizar o Centro de Atendimento YEG1 da Amazon, os empregados do armazém receberam a seguinte mensagem via sistema de texto de emergência da empresa, geralmente reservado para comunicações urgentes sobre a COVID-19:

“Vocês sabiam que negociações sindicais são um processo de dar e receber? Enquanto essas negociações são de boa-fé, não há resultados garantidos. O sindicato pode trocar algo que você valoriza para obter algo que um grupo de associados ou o próprio sindicato quer”.

Eu trabalhei na YEG1 nos meses que antecederam a tentativa de sindicalização fracassada. Lá eu vi em primeira mão o ritmo exaustivo do trabalho e a coerção da gestão, mas também o apelo do trabalho para pessoas da classe trabalhadora presas em um mercado de trabalho no qual salários baixos e más condições são a norma.

As condições nas quais os trabalhadores são forçados a confrontar os chefes nunca são ideais – a tentativa do Teamsters de sindicalizar a Amazon não foi exceção. Contra os organizadores estava uma empresa que teve lucros e vendas recordes durante a pandemia, acumulando bilhões em apenas poucos meses. Enquanto gente comum viu suas economias domésticas diminuir, os lucros das empresas de logística subiram em 220 por cento.

A Amazon reportou um lucro de $8,1 bilhões em 2021, comparado com $2,5 bilhões em 2020. O crescimento impulsionado pela pandemia da empresa significou que ela precisou de mais trabalhadores para atender às demandas de produção. No Canadá, novos centros de atendimento surgiram em todo o País. Em 13 de setembro, a Amazon anunciou que complementaria seus 25.000 funcionários atuais com 15.000 novas contratações em tempo parcial e integral.

Condições de trabalho difíceis resultantes em parte de metas irrealistas são padrão na Amazon em todo o mundo. Uma investigação conduzida pelo Atlantic and Reveal for the Center of Investigative Reporting descobriu que a taxa de lesões graves da Amazon nos Estados Unidos foi mais que o dobro da média nacional para a indústria de armazenagem; um relatório da Canadian Broadcasting Corporation (CBC) desvendou as táticas de retaliação da empresa contra trabalhadores que tentaram impulsionar esforços de sindicalização; um artigo para o Globe and Mail observou que os funcionários frequentemente se queixam sobre não ter tempo para usar o banheiro e trabalhar em um ambiente sem as medidas adequadas de distanciamento social em vigor durante a pandemia.

Quarenta anos de salários caindo ou estagnados na maioria dos empregos da classe trabalhadora baixaram a moral e expectativas dos trabalhadores no Canadá e nos Estados Unidos. O fato de que uma unidade de sindicalização parecia possível em uma empresa conhecida por sua implacável maximização do lucro é evidência de uma mudança na maré. Na YEG1, o Teamsters não conseguiu empurrar de volta contra a torrente de contenção, mas a esperança continua para renovar a luta se nós pudermos aprender lições da derrota.

“Você está feliz que está ganhando muito, mas você também está triste que está cansado”

Em 6 de maio de 2020, me inscrevi para trabalhar como um associado de armazém sazonal no Centro de Atendimento YEG1. O processo de candidatura é incrivelmente simples, exigindo apenas a apresentação de um currículo e poucas questões em um exame psicológico. Duas semanas depois, eu fui agendado para uma “entrevista”. Um assistente de Recursos Humanos checou minha identidade, tirou uma foto minha, e perguntou sobre minha disponibilidade. Novos candidatos devem trabalhar no turno da noite (19h15 até 5h45) e escolher entre duas opções: domingo à quarta-feira, ou quarta-feira à sábado. Eu escolhi quarta-feira à sábado.

A gerência apresentou o treinamento com o maquinário usado para levantar itens pesados como opcional. Embora, quando eu declinei do treinamento, fui informado que eu não seria contratado se eu não anotasse que eu estava confortável passando por isso. Como com muitas coisas na Amazon, treinar com o maquinário era uma opção que eu não podia recusar.

Meu primeiro turno foi em 2 de junho. As primeiras cinco horas de orientação foram dedicadas a vídeos de saúde e segurança. Quando começamos os exercícios de trabalho, fomos instruídos ainda sobre os protocolos de saúde e segurança da Amazon. Contudo, todo o caso foi pro forma. Como me foi dito mais tarde por um embaixador – embaixadores são funcionários no local da Amazon conselheiros e estimuladores de conversas – os exercícios pré-turno não são necessários: “Eu apenas pulo por eles, embora nós encorajamos você a fazê-los”.

Novos contratados na Amazon são conhecidos como “Crachás brancos”. Eles são tratados como contratações sazonais ou temporárias e recebem benefícios limitados. Ostensivamente, depois de 90 dias de trabalho, os funcionários são elegíveis para se inscrever para seu crachá azul, que significa emprego permanente e benefícios adicionais. Na realidade, elegibilidade para um crachá azul é muito mais destinado a essa finalidade. Os crachás são concedidos com base nas necessidades de produção da Amazon. Essa arbitrariedade trabalha como uma indução para a produtividade em novos contratados – se eles demonstram diligência, eles podem conseguir o status de crachá azul mais cedo.

Crachás azuis dão direito aos trabalhadores benefícios como planos de poupança para educação, folga pessoal, e bônus mensais por alta produtividade. Costumava incluir licença médica remunerada, mas um associado atual me informou que licença médica não é mais oferecida. Depois de dois anos de trabalho, os Crachás Azuis também têm direito a duas ações da Amazon. Apenas Crachás Azuis podem se inscrever para turnos de dia, mas a aceitação depende da produtividade. Durante as épocas de pico, todos os trabalhadores devem trabalhar seis horas obrigatórias, ou seis dias por semana.

Layla, uma mulher filipina de 43 anos precisando de horas de trabalho para obter residência permanente no Canadá, começou a trabalhar na Amazon em outubro de 2020. “Você fica muito cansada, mas ao mesmo tempo você ganha muito,” Layla me diz. “É uma situação ganha-perde, perde-ganha. Você está feliz que está ganhando muito, mas você também está triste que está cansado. Eu não sei como equilibrar isso.”

Todos os Crachás Brancos estão ansiosos para atualizar para azul para obter benefícios e a segurança de um emprego período integral. Jon, um estudante internacional de 25 anos do Quênia, trabalhou como um associado do armazém de junho a setembro. Ele desistiu quando seus esforços não resultaram em um crachá azul. “Há algum tipo de exploração no trabalho, mas é açucarado de uma forma,” ele disse das operações do armazém da Amazon. “Eles avaliam o trabalho com um computador, mas você tem que considerar como as pessoas trabalham.”

A Barriga da Besta

Uma onda de calor histórica começou em Alberta, em 25 de junho. Por oito dias consecutivos, as temperaturas alcançaram uma alta de 30 graus Celsius. Nesse período, eu estava entrando em minha quarta semana trabalhando no YEG1.

Por questões de segurança, a Amazon exige que os funcionários usem roupas que cubram seus braços. Por causa do calor, as roupas de mangas longas fizeram o trabalho extremamente desconfortável. Um dia durante a onda de calor, eu me encontrei na extremidade de recepção dos procedimentos disciplinares automatizados do armazém.

Os trabalhadores do armazém da Amazon trabalham sob o sistema de pontos da empresa, que é tudo punição, não recompensa. Os pontos não são pontos – eles são deméritos. Os funcionários não recebem os pontos a não ser que eles batam dentro da janela de cinco minutos concedida no começo de um turno. Atrasos contam 0,5 pontos. Se um funcionário alcança cinco pontos, ele recebe uma advertência. Seis pontos significam rescisão. Cedo em minha posição, eu fui avidado que eu devia ter meu primeiro item escaneado dentro de cinco minutos marcando ponto.

Entrando na instalação às 19h17, eu estava no fio para o tempo. Contudo, eu fui parado no posto de controle para temperatura de COVID e me disseram para esperar por muitos minutos. Por causa do calor, os funcionários foram obrigados a esfriar fisicamente para garantir medições precisas.

Depois de ter sido retido, eu estava trinta minutos atrasado para escanear meu primeiro item. Muito antes, o guia do processo veio até a minha estação e chamou minha atenção para o computador que eles usam para rastrear a embalagem. Ele esperava muito que eu me tornasse elegível para todos os benefícios de um crachá azul, ele disse. Mas, ele estava preocupado que tanto eu quanto o gerente de área poderíamos ter problemas por atrasos na linha – chegar cinco minutos atrasado é uma coisa, mas trinta é inaceitável. Ele explicou que porque eu já tinha recebido uma advertência por atraso, se isso acontecesse de novo, eu obteria uma advertência potencialmente levando a rescisão.

Eu não era o único que achava o trabalho no armazém incrivelmente difícil durante a onda de calor. Funcionários sofrendo de enxaqueca e náuseas rapidamente usaram a quantidade limitada de folga voluntária não remunerada (VTO, na sigla em inglês). O fato de que licença não remunerada pode parecer um presente de caridade pela administração é um produto das baixas expectativas dos trabalhadores na Amazon, e na América do Norte mais geralmente. Trabalhadores procurando pegar folga não compensada só são elegíveis para fazer isso se as cotas de produção são baixas.

Aqueles de nós que não eram rápidos o suficiente para pegar VTO apenas trabalhavam com dor da melhor maneira que podíamos. No lugar de ventilação adequada, a gerência fornecia aos trabalhadores Gatorade de graça, o que não era, previsivelmente, suficiente para nos esfriar. Durante aquela semana inteira, o único arejamento no armazém vinha dos grandes ventiladores nos tetos, e mal chegava até nós no chão. Pequenos ventiladores em cada estação foram introduzidos na semana depois para mitigar a hipertermia no local de trabalho.

Dor

Contrária à opinião popular, a Amazon na verdade não mudou a natureza do trabalho, de acordo com Barry Eidlin, um professor assistente no Departamento de Sociologia na Universidade McGill. Ao contrário, o modelo de negócios da Amazon existe apenas porque as expectativas dos trabalhadores mudaram. Eidlin observa que a Amazon orgulhosamente se vangloria de seus salários iniciais de $17,75 dólares, em uma tentativa de apelar para o grande conjunto de trabalhadores de salários baixos que foram forçados a fazer face às despesas com salário mínimo por décadas.

“No contexto do mercado de trabalho mais amplo, o que eles estão na verdade fazendo é subcotação de salários, fazendo o trabalho no armazém parecer mais como trabalhar no Walmart,” Eidlin diz. “Então, um emprego de alto salário no armazém se torna mais como um emprego de baixo salário no varejo.”

Ser um empacotador é algo que exige muito fisicamente, e a dor é comum. Meu embaixador, junto com outros associados, avisa os novos recrutas sobre quanta dor eles vão experimentar em seus pés no início do trabalho. É um rito de passagem estar com dor e cansado. Piadas meio sérias sobre isso são frequentes. “A Amazon está nos matando” e “Eu vou ter escoliose” são refrãos comuns entre os trabalhadores. Eventualmente, a dor no pé passa, dando caminho para uma dor nas costas consistente.

Depois que um item é recuperado pelo selecionador, ele é mandado aos empacotadores para ser escaneado, empacotado, gravado e preso com uma etiqueta de envio. Depois de passar por essas rodadas o item é mandado para a doca de embarque para ser colocado em um caminhão. Se em qualquer ponto há um problema, o item vai ser parado e um “solucionador de problemas” vai ter que vir para corrigir o problema. Todos os itens devem ser enviados a tempo, então velocidade e precisão são de extrema importância.

Várias semanas em meu tempo com a empresa, fui informado que não estava fazendo a cota. Isso foi uma surpresa, porque a necessidade de fazer cota nunca foi comunicada para mim. Pelas primeiras duas semanas de trabalho, não se espera que os novos recrutas atinjam a cota. Pela terceira semana, as cotas são implementadas, mas elas não são devidamente comunicadas aos funcionários. Os associados têm que empurrar para obter quaisquer respostas para questões mesmo simples. Consequentemente, há um sentimento geral de frustração com a gerência. “A Amazon não liga” é um mantra do armazém.

Eu logo aprendi que se espera de trabalhadores regulares que empacotem sessenta ou oitenta itens médios ou grandes ou noventa itens pequenos por hora. Itens rotulados “Envio em container próprio” (SIOC, na sigla em inglês) não precisam ser empacotados em uma caixa, mas eles ainda precisam se escaneados e presos com uma etiqueta de envio. Esses tendem a ser grandes e pesados.

Quanto mais tempo o funcionário estiver na empresa, maiores as expectativas por produtividade. O empacotador mais rápido no nosso turno podia empacotar 300 itens – dependendo do tamanho – em uma hora. Quando a produção está devagar, os empacotadores rápidos são removidos da estação de embalagem para reduzir a velocidade e o volume. Quando a produção acelera, esses empacotadores são cruciais para assegurar que os itens sejam enviados a tempo. Trabalhadores com habilidades de embalar excepcionais são frequentemente sobrecarregados com a labuta extra de lidar com pacotes prioritários. O trabalho da Amazon não é por peça, e a habilidade necessária para atender aos surtos de demanda de produção não é remunerada.

Trabalho árduo

No meu segundo dia de trabalho, eu visitei a unidade médica local da Amazon, a AmCare. Meus pés estavam me matando e eu queria um pouco de gelo. Eu perguntei aos trabalhadores médicos lá se muitos funcionários vinham para tratamento. Me disseram que há geralmente poucos novos funcionários que procuram ajuda para dor e um pequeno, mas consistente, número de funcionários regulares que aparecem devido a lesões no local de trabalho nos ombros, costas ou tornozelos.

Sempre que um associado é ferido, ele tem que reportar o ferimento dentro de vinte e quatro horas. Se não, vai ser repreendido. Gerentes de área investigam examinando itens escaneados recentemente para ver se o tamanho dos pacotes manuseados parece proporcional com a severidade do ferimento. De acordo com o Intercept, uma investigação realizada pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do Departamento do Trabalho dos EUA (OSHA, na sigla em inglês) descobriu que os trabalhadores do AmCare foram pressionados pela empresa a “varrer ferimentos e questões médicas para debaixo do tapete às custas da saúde dos funcionários.” Do que eu vi, ferimentos menores acontecem frequentemente, mas muitos trabalhadores não pensam que uma incursão ao AmCare valha o problema, ou eles são simplesmente desconhecedores dos direitos que têm e renunciam ao tratamento.

Kelly, uma mulher de quarenta e cinco anos de idade, estava sofrendo de um ferimento de acidente de carro e trabalhou de novembro a agosto em acomodações aceitas. “Acomodações” é o termo usado para indicar que um empregador contratou um empregado com algum tipo de incapacidade. Kelly sofreu mais uma lesão no armazém. Ela disse que o processo de aquisição de compensação dos trabalhadores e acomodações adequadas era difícil porque exigia uma compreensão completa de cuidados de saúde e leis trabalhistas.

“Eu acho que a Amazon é capaz de se safar com tantas pessoas não fazendo reivindicações no Conselho de Compensação de Trabalhadores (WCB, na sigla em inglês) – como elas deviam quando são feridas – porque as pessoas não conhecem seus direitos,” Kelly disse. “Eu nasci e fui criada aqui, e eu não tinha ideia de como as coisas do WCB funcionavam quando eu fui ferida.”

Amber, uma imigrante branca de cinquenta e nove anos de idade, feriu seu joelho enquanto trabalhava, no inverno de 2021. O Conselho de Compensação de Trabalhadores aceitou seu caso, e ela ficou de licença desde então. Quando ela estava trabalhando no armazém, ela sentiu que foi empurrada para fazer mais do que outros associados, porque ela não era uma “favorita” da gerência. “Me disseram que eu não era rápida o suficiente,” Amber disse, através de mensagem de texto. “Eu fui perguntar às pessoas que eu vi trabalhando com a minha velocidade ou mais devagar. Nunca disseram o mesmo a elas.”

Meu gerente de área frequentemente diria “saúde e segurança primeiro, produtividade e qualidade segundo.” Contudo, esse mantra trabalhador primeiro foi deixado de lado quando as cotas de produção demandavam acelerações do trabalho – as estações seriam superlotadas com assistentes de processo procurando por pacotes prioridade em gaiolas, associados empacotariam itens duas vezes seu próprio tamanho, e técnicas de levantamento impróprias se tornariam difundidas.

“Às vezes me sinto mal, mas luto de volta”

“Metade da frente” é o termo usado na Amazon para se referir a turnos cobrindo a parte inicial da semana, de domingo a quarta-feira. “Metade de trás” se refere a todos os turnos de quarta-feira a sábado. A convergência de múltiplos turnos na quarta-feira a faz o dia mais movimentado da semana. Por causa de frequentes faltas de pessoal, trabalhadores que estão dispostos a fazer horas extras são muitas vezes obrigados a trabalhar em turnos excessivamente longos, e acelerações são comuns. Quando isso acontece, não há nenhum aviso prévio – simplesmente se espera dos funcionários que lidem com um aumento da cota horária. A tarefa usual de aproximadamente sessenta ou oitenta itens cresce para noventa ou 110 itens por hora. “Para a metade de trás, nós não temos nenhuma escolha se nos pedem para embalar por dez horas por turno e não ser rotacionado porque nós nunca temos pessoal adequado,” Layla diz.

Com o tempo, ficou claro que a Amazon frequentemente muda de lugar trabalhadores incapazes de alcançar cotas. Deveres alternativos são chamados de tarefas indiretas, e eles não são monitorados pela tecnologia de vigilância da empresa. Eu era frequentemente exigido para trabalhar como uma “aranha de água” – o termo de gíria que os associados usam para se referir a trabalhadores que mantém as estações de embalagem totalmente abastecidas. Para manter a velocidade de produção, os empacotadores são desencorajados a deixar suas estações. Se eles precisam de suprimentos, as aranhas de água vão e pegam para eles.

Embora minha produtividade fosse boa e eu recebesse elogios e comentários apoiadores dos gerentes, houve muitos dias quando a dor e frustração relacionadas ao trabalho quase me colocariam em lágrimas. Eu chegaria em casa com dedos dormentes e frequentemente acordaria com dor nas costas lancinante. Quando eu compartilhei esses sentimentos com colegas de trabalho, eles admitiram que eles frequentemente também se sentiam sobrecarregados com a interminável tensão do trabalho.

Ansiedade e frustração entre a equipe são comuns, mas também é o desafio do trabalhador. Eu não tenho certeza sobre outras instalações da Amazon, mas o armazém de Nisku é cheio de revolucionários. Muitos dos meus colegas de trabalho me castigariam por não enfrentar a administração e me encorajariam a falar mais.

“Às vezes me sinto mal, mas luto de volta,” disse Layla. “Eu não ligo se eles me odeiam. Eu nunca liguei se eles me chamavam de cadela, eu nunca liguei se eles me chamavam de qualquer coisa, mas eu falo o que penso. Eu digo a eles quando estou furiosa.”

A Amazon está, é claro, constantemente mudando e inovando. Em meus poucos quatro meses lá, muitos gerentes, associados e políticas foram derrubados ou descartados. Não havia garantia que uma nova política ou time de gerência ficariam por muito tempo. Não foi o fluxo constante, contudo, que me surpreendeu mais – foi o ambiente de trabalho positivo. Não a falsa positividade empurrada pelos gerentes através de chavões e trabalho vernáculo, mas o fato de que muitos trabalhadores – mesmo quando eles estavam cansados, com raiva, com dor e reclamando abertamente – alegavam gostar de seus empregos.

“Eu particularmente gostei do meu tempo aqui, pois não havia muito esperado de mim, desde que você cumpra a cota diária,” um funcionário me disse por e-mail.

Essa atitude favorável em relação ao trabalho era devido ao apoio mútuo do chão da loja. Trabalhadores frequentemente criam suas próprias comunidades unidas, e a Amazon não é diferente nesse respeito. Os associados estavam sempre disponíveis para ajudar qualquer um em necessidade. Sempre que eu não podia levantar ou carregar algo, outros empacotadores me ofereceriam ajuda. Uma vez quando eu não pude empacotar um saco de vermes devido a minha entomofobia, outro associado fez isso por mim.

“Eu gosto de trabalhar na Amazon porque eu conheço pessoas novas,” outro funcionário me disse. “No que me diz respeito, sem os seus funcionários, a Amazon não seria capaz de fazer qualquer coisa funcionar adequadamente.”

Como Kelly colocou para mim, “Você acaba aprendendo mais com os seus colegas de trabalho do que com a gerência.”

A unidade sindical

No começo de julho, o Teamsters Canadá começou sua primeira unidade de organização no Centro de Atendimento YEG1. A Amazon colocou uma campanha antissindical naquela mesma semana.

De acordo com Eidlin, o custo da ação antissindical, nas mentes de empregadores como a Amazon, é pouco, comparado a potencial redistribuição descendente de dinheiro e poder que a sindicalização bem-sucedida pode trazer:

O que os empregadores realmente valorizam é a autoridade não verificada no local de trabalho e a habilidade de simplesmente direcionar as coisas do jeito que eles acharem melhor, e eles vão pagar um prêmio financeiro por isso. Então, vale a pena investir dinheiro no início em rebentação do sindicato para evitar aquelas despesas de longo prazo, mas quando o empurrão vem para empurrar, isso é sobre controle.

Dentro de cerca de uma semana do anúncio da unidade sindical, eu fui visitada pelo primeiro de muitos trabalhadores de relações trabalhistas (especialistas corporativos implantados para frustrar os esforços de sindicalização). Ele perguntou se eu tinha falado com alguém sobre o sindicato. Ele passou a me dizer que estava dentro dos meus direitos conversar com representantes do sindicato e fazer perguntas a eles. Ele me disse que os trabalhadores têm todo o direito de querer conversar sobre sindicatos e que ninguém seria punido por falar com o sindicato. Ele então anotou meu nome, antes de me perguntar se eu tinha quaisquer problemas que eu gostaria que a gerência abordasse. Evidentemente, a chegada do Teamsters levou a novos níveis de solicitude gerencial, porque ele também me perguntou que mudanças eu gostaria de ver no local de trabalho.

Eu perguntei a minha embaixadora se os trabalhadores de relações trabalhistas são uma presença comum na Amazon. Ela me respondeu que, em todos os meses que ela tinha sido uma funcionária, essa foi a primeira que ela já tinha visto ou ouvido sobre eles. Para as próximas semanas, o pessoal das relações trabalhistas eram uma presença inevitável no local de trabalho. Ao mesmo tempo, a chegada do Teamsters tinha mudado o tom das discussões no local de trabalho.

Enquanto alguns trabalhadores eram automaticamente apoiadores do sindicato, outros estavam hesitantes ou desinformados sobre sindicalização. A luta pelos corações e mentes dos trabalhadores, tanto pela Amazon, quanto pelo Teamsters, era devagar, e realmente não pegou em intensidade até setembro. Contudo, mudanças sutis aconteceram. As telas de TV começaram a exibir informações sobre sindicatos, fazendo alegações como “sindicatos são um negócio”. Mensagens sobre os “benefícios especiais” que a Amazon dá aos funcionários se tornaram onipresentes – nas telas do armazém e em impressões deixadas nas mesas. Nas áreas de descanso, folhas de informações respondendo questões hipotéticas sobre sindicatos foram colocadas em cada mesa. Placas foram penduradas em todas as cabines no banheiro, em várias línguas, argumentando que os efeitos da sindicalização são todos negativos. As placas denunciavam as taxas sindicais como caras e avisavam os trabalhadores que os benefícios podiam potencialmente ser cortados.

O sentimento dos funcionários sobre o assunto foi misturado. Uma discussão de funcionários padrão sobre a questão teria proponentes e detratores. Um associado diria que a sindicalização depende do sindicato – alguns são bons e outros são maus. Outra funcionária declararia que sua preocupação era mais sobre segurança no emprego do que sobre salário. Muitos dos meus colegas explicaram que estavam em cima do muro sobre o assunto. A sindicalização poderia significar algumas proteções, é claro, mas eles estavam preocupados sobre quanto dos seus salários iria para taxas sindicais. Alguns empacotadores rápidos, que não são compensados por sua eficiência, que um sindicato beneficiaria colegas de trabalho “preguiçosos” sobre eles.

Em outro exemplo de brio no local de trabalho no armazém de Nisku, minha embaixadora aconselhou nosso gerente de operações que “se você não quer que a Amazon seja sindicalizada, então você precisa fazer algo sobre salário, porque é o que as pessoas veem.”

“Nós não estamos aqui para pegar os seus $30. Nós estamos aqui para ajudar a melhorar o local de trabalho, ver se nós podemos negociar maiores aumentos salariais,” Chance Hrycun, vice-presidente do Teamsters Local 362, disse em uma entrevista depois que eu deixei a Amazon. “Nós não podemos garantir nada a eles. Nós estamos apenas mostrando a eles um exemplo do que outras pessoas obtêm.” Essa linguagem, um pouco curta em bravura, sem dúvida desempenhou um papel na falta de sucesso do sindicato.

Você vai votar?

No começo de agosto, eu liguei para o Teamsters, me apresentando como uma funcionária desinformada. Pelo telefone, um organizador me disse que o sindicato tinha cerca de 200 assinaturas, e que eles achavam que estavam perto de obter assinaturas de 40 por cento dos funcionários – o número necessário para realizar uma eleição. Contudo, como Eidlin aponta, organizadores sindicais experientes estão cientes que uma unidade sindical deve ter como objetivo obter assinaturas de 70 por cento dos trabalhadores.

Layla me disse que ela também ligou para o Teamsters, mas não recebeu retorno. Ela também não conseguiu encontrar um organizador no local. Consequentemente, ela acabou discutindo suas preocupações com um gerente. Ela explicou que queria assinar o cartão do sindicato, mas estava hesitante sobre as quotas sindicais. O gerente disse a ela, um tanto imparcial, que há muitos prós e contras a considerar, e que a decisão estava em última análise nas mãos dela. Não é necessário dizer, essa experiência fez pouco para persuadi-la das vantagens da sindicalização. Se ela tivesse conseguido ter acesso a um organizador, ela poderia ter tido suas preocupações abordadas mais minuciosamente.

Por volta dessa época, quase um mês depois que a unidade sindical começou, a Amazon mandou uma nova pessoa de relações trabalhistas, que disse nos que a empresa queria ter certeza que os associados sabiam no que eles estariam se metendo se assinassem um cartão do sindicato. Eu perguntei a ela diretamente se a Amazon era a favor ou contra a sindicalização. Ela nos disse:

“A razão pela qual nós não sentimos que os sindicatos se alinhem com a nossa cultura é que, quando há um problema, os associados podem sempre ir conversar com o RH ou seus gerentes diretamente. Quando você sindicaliza, você tem que ir através do sindicato primeiro, mesmo com questões pequenas. Nós perdemos aquela comunicação direta, e assim arruína aquele relacionamento entre os associados e a gerência”.

Em agosto e no começo de setembro, um senso de insatisfação pareceu se espalhar através do armazém – meus colegas de trabalho se sentiam sobrecarregados e subestimados.

“A pandemia destacou esse trabalho essencial,” Eidlin diz: “Foi menos evidente no Canadá, mas nós tivemos um aumento de greves nos EUA; nós tivemos aquela grande resignação das pessoas percebendo que elas não têm que aturar as indignidades do dia-a-dia que foram aturadas no trabalho”.

Layla me informou que ela tinha mudado a sua opinião sobre o sindicato porque ela sentia que não era respeitada ou ouvida pela gerência. Um funcionário chamado Jon, um jovem negro, assinou o cartão do sindicato devido aos conselhos de funcionários negros mais velhos, que eram quase unânimes em sua defesa do sindicato.

Minha colega de trabalho Sara assinou o cartão do sindicato porque ela sentia que havia muito favoritismo no emprego. Ela sentia que seus pedidos para fazer um trabalho mais leve ou ser girada para turnos diferentes resultavam em exatamente o oposto do que ela havia pedido.

“Quando o sindicato tentou entrar na Amazon, eu notei o quanto as autoridades mais altas tentaram nos convencer a não nos inscrevermos nele,” Sara escreveu para mim mais tarde. “A gerência se tornou mais acolhedora e legal para nós. Isso é o que eu notei. Eu acreditei que talvez o sindicato podia fazer algo para todos os trabalhadores na Amazon, especialmente quando se trata de igualdade no trabalho.”

Alguém na gerência aparentemente podia ler a mudança no humor do trabalhador porque a Amazon fechou as escotilhas, implantando alta administração de outras instalações para protestar contra a sindicalização e para enaltecer os benefícios de trabalhar na Amazon.

Em 14 de setembro, o Teamsters Local 362 entrou com pedido de voto sindical, confiante que tinha obtido os 40 por cento necessários de cartões assinados para realizar uma eleição. Uma semana depois, a empresa mandou a mensagem de emergência, avisando os trabalhadores de que “o sindicato pode trocar algo que você valoriza para obter algo que um grupo de associados ou o próprio sindicato quer.”

Pouco depois da minha partida da empresa, eu tive uma discussão com um gerente de área que rapidamente se voltou para a questão da unidade do Teamsters.

“Eu não entendi sua opinião sobre o sindicato.”

“Eu diria que sou pró-sindicato.”

“Você vai votar?”

“Eu não sei se estarei aqui tempo o suficiente.”

“Eu estou pensando, sem considerar, que se você pensa isso, é melhor talvez que você não deva, porque vai impactar todos os outros.”

“Há coisas que você simplesmente não sabe”

Minha última interação com uma das pessoas de relações trabalhistas da Amazon foi com um gerente de operações chamado Blaine. Ele era rápido em sublinhar problemas com a sindicalização. “É um risco, e se você quer correr esse risco, depende de você, mas a outra coisa para observar é que há muitos exemplos em que os sindicatos não negociam nada melhor para seus membros.”

Blaine continuou dizendo que a Amazon podia reduzir as horas de turno para compensar possíveis perdas incorridas pela sindicalização. Ele sugeriu que a empresa podia não oferecer tanto Tempo Extra Voluntário (VET, na sigla em inglês) ou benefícios dentários.

Em 29 de setembro, o Conselho de Relações Trabalhistas de Alberta informou ao Teamsters Canadá que o número de cartões assinados não alcançava os 40 por cento necessários de funcionários no Centro de Atendimento para desencadear uma eleição.

Dois meses depois, em 24 de novembro, o Teamsters descobriu que a Amazon tinha inflado o número de funcionários, incluindo pessoas que não estavam empregadas na Amazon durante a época da inscrição no sindicato.

Na unidade sindical de Bessemer, no Alabama, a Amazon insistiu em incluir trabalhadores sazonais temporários na eleição, inflando o número de trabalhadores que o sindicato precisava alcançar. Embora trabalhadores temporários também mereçam representação, a Amazon é totalmente consciente que, porque eles não estão nela para o longo curso, os trabalhadores temporários podem muitas vezes serem usados como uma forma de vantagem contra a organização.

“A Amazon é uma empresa tão grande, com uma pegada global, e ela tem tanto poder e tantos recursos a sua disposição,” diz Eidlin. “Ela precisa ser refreada, não apenas com autorização de trabalho, mas com regulação do Estado.”

Eu falei com Bernie Haggerty, secretário tesoureiro e diretor do Teamsters Local 362, depois do fracasso da eleição. “Há coisas que você simplesmente não sabe, quando você está indo pela primeira vez – e nós não tínhamos ninguém dentro,” Haggerty me disse. “Sempre que nos sentimos para baixo, nós vamos, daqui para frente, tentar corrigir.”

Eu também verifiquei alguns dos meus ex-colegas de trabalho. Sara me disse que ela provavelmente não votaria novamente no futuro. “Eu percebi que nós talvez estejamos bem sem o sindicato, porque eu ouvi de outros trabalhadores sindicalizados que eles realmente não fazem nada por nós, talvez além do aumento de salário.”

“Ter um sindicato forçaria, em um nível básico, a Amazon a reconhecer a humanidade dos trabalhadores, porque eles teriam que negociar com eles de verdade,” diz Eidlin. Para isso acontecer, contudo, o sindicato deve melhorar o seu jogo e se comunicar com sucesso com os trabalhadores.

No final de dezembro do último ano, o Teamsters Canadá retirou a sua aplicação. O sindicato disse que está começando a planejar uma nova aplicação, depois do período de espera de noventa dias legalmente obrigatório. O sindicato está atualmente coletando assinaturas de novo no YEG1 e planeja reapresentar mais tarde esse ano.

Ashlynn Chand é escritora freelancer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *