Afinal, o que falta para erradicar o trabalho escravo contemporâneo?

Fotografia: Pixabay

Há 17 anos, auditores fiscais foram cruel e covardemente emboscados e assassinados durante investigação.

Noemia Porto e Marcus Barberino

Fonte: Jota
Data original da publicação: 28/01/2021

A questão do trabalho escravo envolve a concentração de propriedade e a sistemática degradação simbólica, social e econômica dos corpos e almas envolvidos na trama da sobrevivência, desde o início da ocupação e da colonização europeias.

Também trata das desigualdades de infraestrutura econômica e social do Brasil. Como se percebe, o problema é complexo. Mas, como é certo, sociedades que não fazem perguntas complexas não estão dispostas a viabilizar a convivência fraterna e solidária entre seus cidadãos e cidadãs.

O dia 28 de janeiro é uma das datas em que a sociedade deve sempre se perguntar o que ainda não fez para evitar que brasileiros e brasileiras sejam vítimas das redes de escravidão. A tragédia que cerca a data é pedagógica. E o exercício de memória sobre ela, uma necessidade.

Neste dia, em 2004, o Brasil que estuda, trabalha e busca se transformar numa sociedade mais justa e solidária encontrou o Brasil arcaico, com todo o seu poder político e econômico, derivados da extensão de suas terras.

A caminho da investigação nas propriedades de Antero e Norberto Mânica, os auditores fiscais do Trabalho Nélson José da Silva, João Batista Lage e Eratóstenes de Almeida Gonçalves e o motorista do veículo, Aílton Pereira de Oliveira, foram cruel e covardemente emboscados e assassinados em Unaí, Noroeste de Minas Gerais.

O ato ignominioso do assassinato revela problemas estruturais até hoje existentes: a sensação de poder que advém do exercício (supostamente absoluto) do direito sobre extensões de terra; a propensão à recusa da legalidade estatal; a sistemática negação do valor do trabalho, que leva a secundar até mesmo o direito à vida.

O poder simbólico do Estado, de que estavam metaforicamente armados os quatro servidores públicos, não foi suficiente para enfrentar esses problemas e fazer prevalecer o sistema jurídico de proteção ao trabalho.

O Brasil civilizado ainda luta para impor a lei aos executores do crime – os mandantes agora se valem de um pretenso apego à legalidade para se furtar ao cumprimento das penas. Também nesse aspecto, os desdobramentos do assassinato cometido em 2004 são representativos: o Estado brasileiro vem e continua progressivamente falhando no combate ao trabalho escravo contemporâneo.

A Constituição de 1988, além de servir de parâmetro à atuação estatal, confere sentido às diversas dimensões de cidadania, incluindo o trabalho. O texto constitucional é, ao mesmo tempo, um diagnóstico dos nossos problemas estruturais e um convite para resolvê-los.

Para o trabalho escravo, a estratégia de combate envolve o poder público, a sociedade civil organizada e as cadeias produtivas. Mas, aqui, o Brasil civilizado da Constituição de 1988 se depara com o Estado privatizado, omisso e conivente com as práticas, rurais e urbanas, de escravização contemporânea da força de trabalho.

São sintomáticas a contínua redução das verbas estatais necessárias à fiscalização laboral e a falta de expropriação das propriedades em que encontrado trabalho escravo.

Certamente, não terão morrido em vão aqueles brasileiros se sempre rememorarmos o 28 de janeiro como o dia da ruptura com a mais degradante forma de riqueza, aquela que se faz com a negativa absoluta do trabalho e da condição humana dos que trabalham.

Porém, a ruptura só se aperfeiçoará com o cumprimento da Constituição por parte do Estado brasileiro. E, para além disso, e de forma combinada, quanto estivermos no caminho de construção de uma sociedade com pensamento, postura e ação abolicionistas.

Noemia Porto é Juíza do Trabalho (TRT/10). Presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra).

Marcus Barberino é Diretor de Cidadania e Direitos Humanos da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra). Juiz titular da vara do trabalho de São Roque (SP), mestre em Economia Social do Trabalho pela Unicamp.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *