A greve retratada no Round 6 foi inspirada em nossa luta

Fotografia: Jim Jae-myoung/AFP/Getty Images

O diretor de Round 6 diz ter sido inspirado na greve de 2009 na Ssangyong Motor empreendida por mim e meus colegas de trabalho. Agora milhões no mundo todo vislumbraram nossa luta – mas ela está longe de ter terminado e nossas feridas não cicatrizaram até hoje.

Lee Chang-Kun

Fonte: Jacobin Brasil
Tradução: Gercyane Oliveira
Data original da publicação: 20/11/2021

Em meio às ondas de calor de agosto, o gás lacrimogêneo caia do céu como cascata sobre nós. Os helicópteros da polícia, que jogava rajadas de vento suficientemente forte para tirar os guarda-chuvas de nossas mãos. A tropa de choque escalou as cercas da fábrica como baratas invasoras. A polícia armada comandou as balas de borracha disparadas e invadiu o telhado da fábrica a partir de contêineres de carga puxados por enormes guindastes. Eles brandiram seus porretes sobre nossas cabeças enquanto nos perseguiam. A polícia nos espezinhava, nos espancava e continuava nos batendo, mesmo depois que ficávamos inconscientes. Estávamos virando e tombando como origami no jogo ddakji.

O barulho dos helicópteros abafou nossos gritos, privando-nos até mesmo do direito de chorar. Por quanto tempo fomos derrotados? Os trabalhadores caíram sobre o telhado como lulas secas. A fumaça dos pneus queimando era espalhada por toda parte, engrossando o ar, como se estivéssemos em uma zona de guerra. Fora da fábrica, famílias e simpatizantes protestavam com raiva e frustração. Fizeram tentativas ferozes, mas vãs, de retirar o cordão policial até que a linha de escudos humanos se tornou um muro de lamentação.

Compartilhando ou reduzindo pela metade

Em agosto de 2009, após a brutal repressão da greve em que estava envolvido contra meu empregador da Ssangyong Motor, cerca de 94 trabalhadores foram presos e 230 foram processados. Até hoje, 33 trabalhadores e familiares estão mortos por suas próprias mãos ou por condições relacionadas ao trauma que sofreram.

Em junho, os trabalhadores da Ssangyong tinham iniciado uma ocupação na fábrica, que durou 77 dias. Durante a noite, um fabricante de automóveis aparentemente bom havia entrado com um pedido de recuperação judicial. A matriz chinesa, a SAIC Motor, era uma operação de fachada. Desde que adquiriu a Ssangyong em 2004, a SAIC havia renegado seu compromisso com a injeção de capital e, em vez disso, roubado a tecnologia principal.

O governo sul-coreano alegou que nos protegeria, mas, em vez disso, passou por cima de nós. A fraca rede de segurança social do país faz com que a demissão seja quase uma sentença de morte. Se os trabalhadores não puderem se agarrar ao que têm, eles começam uma queda livre vertical. Isto é falência em seu sentido mais pleno, social e financeiramente.

O medo extremo de demissões aumenta a ferocidade da resistência dos trabalhadores – não há alternativa. Naquela época, Ssangyong tinha um total de 5.300 trabalhadores de montagem, e exatamente metade, ou seja, 2.646 trabalhadores, foram demitidos. Um em cada dois! Matar ou ser morto!

No início, os trabalhadores falavam frequentemente sobre formas de dividir o trabalho e as semanas de trabalho. Todos nós poderíamos contribuir para apoiar os colegas de trabalho que enfrentariam dificuldades após perderem seus empregos. Acreditávamos que poderíamos nos manter vivos enquanto pudéssemos nos unir como um só. Mas o que o capitalismo queria não era nos ver compartilhando esforços, mas nos reduzindo pela metade, literalmente.

Quando nos reunimos e montamos uma greve, o governo interveio apenas para nos encurralar ainda mais, marcando-nos como infratores da lei. A partir daí, uma divisão nos rachou de dentro para fora. Fomos colocados uns contra os outros, os demitidos contra os empregados, os mortos contra os vivos.

Quais eram os critérios para as demissões? Nós não sabemos. A direção procurou o diálogo ou o consentimento do sindicato de trabalhadores antes da demissão? Não. Apenas cortou a força de trabalho pela metade sem nenhuma explicação.

A ordem dos jogos em Round 6 se assemelha às fases de agonia que os trabalhadores de Ssangyong tiveram que passar – de fato, a trama parece ser inspirada essa ocupação de 77 dias.

Do nada, ficamos sem opção a não ser nos entrincheirar na fábrica. Primeiro tentamos nos voltar um para o outro para sobreviver juntos. Entretanto, fomos jogados em uma situação de vida ou morte, muitas vezes sem outra opção a não ser trair e enganar um ao outro. Pelo menos uma vez, como em Round 6, cada um de nós teve que ferir nossos amigos mais próximos. Quando a polícia invadiu a greve, já éramos apenas cerca de 700 trabalhadores, e a desconfiança de nossos colegas de trabalho quase superou nossa confiança. Isto me dói.

No entanto, nós nos opusemos à brutalidade do governo e nunca abandonamos nosso princípio de “permanecer vivos mantendo-nos unidos”. Foi por isso que me senti grato ao ver Gi-hun, o protagonista baseado em muitos aspectos em nossa vida real, mostrando a dignidade humana e demonstrando altruísmo. Isso foi o mínimo que fizemos.

Tempestade

Round 6 criou uma tempestade. Seu protagonista, Gi-hun, é retratado como um trabalhador demitido pelo Dragon Motor. Embora a sequência de flashback mostrando uma greve inspirada em nossa breve paralização, o nome da empresa era uma referência óbvia a Ssangyong, que significa “dragão gêmeo” em coreano.

Na Coréia do Sul, Round 6 é um sucesso porque reflete a realidade brutal do país e ganhou popularidade no exterior por razões similares. Mas como alguém que testemunhou o ataque de Ssangyong e suas consequências, sinto-me frustrado, até mesmo esvaziado na febre que se tornou Round 6. A desigualdade em meu país agora parece solidificada além do ponto de reversão, com os ricos ficando mais ricos e os pobres ficando mais pobres, enquanto a história dos trabalhadores de Ssangyong se torna uma mercadoria descartável em uma série da Netflix.

As pessoas na Coréia do Sul adoram Round 6, mas grande parte do país ainda faz vista grossa ao fato de que a nossa é uma das poucas democracias nas quais o governo pode processar os trabalhadores por danos ligados à ação trabalhista. Os trabalhadores de Ssangyong que inspiraram Gi-hun ainda têm hipotecas sobre a escassa renda e bens graças a uma liminar ganha em 2009 pelo governo conservador de Lee Myung-bak, um ex-executivo da Hyundai. O atual governo de Moon Jae-in, ex-advogado de direitos humanos, não desistiu do processo, e ainda está buscando cerca de 2,7 bilhões de dólares coreanos ganhos (US$ 2,3 milhões) em danos, mais juros anuais e penalidades diárias.

Mais uma vez, os caprichos corporativos estão colocando nossos destinos em risco. Em janeiro de 2021, Mahindra e Mahindra, o conglomerado indiano que comprou a Ssangyong em 2010, decidiram vender sua participação de controle, citando os problemas financeiros causados pela COVID-19. Cerca de 9 meses antes, Ssangyong foi colocada sob administração judicial depois que Mahindra e Mahindra não conseguiram obter novos empréstimos do Banco de Desenvolvimento da Coréia, depois que este encerrou uma rodada de injeção de capital prometida.

Este mês, Mahindra e Mahindra disse que venderiam Ssangyong para a Edison Motors, uma empresa startup coreana de veículos elétricos. O novo comprador se parece mais com um assaltante corporativo do que com uma empresa de risco. Edison está tentando uma compra alavancada: ele disse que colocará os ativos da Ssangyong como garantia para conseguir empréstimos para comprá-la. Os empregos restantes na Ssangyong estão agora em jogo.

Não cicatrizado

“Eu poderia fazer uma escolha diferente se eu pudesse voltar no tempo?” Eu me perguntava em voz alta para minha esposa em uma caminhada noturna. “Não havia outra decisão possível”, disse ela. “Você fez o melhor que pôde para lidar com os tempos difíceis. E isso já lhe infligiu dor suficiente”. Ela acrescentou: “É isso que nós somos. Eu sei que você quer negar, mas não havia outra maneira.” Eu acenei com a cabeça, de acordo.

O desespero arrebatador, o medo da morte e os horrores intermináveis muitas vezes me superaram durante toda a ocupação. Ainda sofro de pesadelos e flashbacks da violência e divisão infligidas a nós há mais de dez anos, cada vez com mais clareza. Não sei dizer o que alimenta constantemente tais imagens e memórias, mas a lucidez sempre mais brilhante me deixa em sombras mais profundas.

Nossa dignidade escamoteada e nossos direitos violados permanecem sem cura. O tempo sozinho não pode lavar nossa memória de pesadelo. Ainda é como se o sol quente do meio-dia batesse em nossa testa. Quanto mais forte a tempestuosidade de Round 6 explode, mais nos sentimos sufocados.

Lee Chang-Kun é um funcionário da Ssangyong Motor que foi porta-voz de seu sindicato durante a greve de 2009 na empresa. Lee é autor ou co-autor de três livros sobre os conflitos em Ssangyong.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *