Perda de emprego causada por desordens mentais preocupa OIT

A Organização Internacional do Trabalho, OIT, afirmou que casos de perda do emprego por motivos de doenças mentais são preocupantes. De acordo com a agência, pessoas com esse tipo de problema têm de duas a três vezes mais chance de perder o emprego.

Em reportagem publicada na página da OIT, a agência da ONU afirma que o estigma a pessoas que sofrem de distúrbios deve ser combatido.

Exaustão

O tema foi discutido num evento da agência sobre pessoas com deficiências e a inclusão no mercado de trabalho.

A reunião foi organizada pela Rede da OIT sobre Negócio Global e Deficiência, que conta com representantes de empresas internacionais além de especialistas no assunto.

De acordo com a OIT, as doenças mentais não estão somente relacionadas à patologias severas, mas também a casos de depressão, ansiedade e exaustão no trabalho.

Solução

A economista sobre mercado de trabalho da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Ocde, Shruti Singh, afirmou que na maior parte dos casos, o apoio a funcionários afetados por doenças mentais para continuar no emprego é uma solução melhor que a exclusão.

Segundo a OIT, cerca de 20% da população em idade produtiva dos países do Ocde sofrerão algum tipo de desordem durante a carreira.

Um dos especialistas da OIT em deficiência, Stefan Tromel, afirmou que o medo de rejeição e estigma pela empresa ou colegas de trabalho dificulta o diálogo sobre a doença mental no trabalho ou com supervisores.

Para Tromel, os supervisores precisam ser treinados para lidar com a questão da doença mental no ambiente de trabalho.

Ele citou o caso da Grã-Bretanha que realizou uma campanha contra estigmas que incluiu o depoimento de chefes e executivos-sêniores falando sobre a batalha deles contra a depressão e outras formas de distúrbios mentais. A iniciativa ajudou a lançar um debate e a deter o preconceito.

[divide]

Fonte: Rádio ONU
Texto: Mônica Villela Grayley
Data original da publicação: 03/11/2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *