O Grande Capital, a Classe Trabalhadora e o Imperialismo dos EUA: um breve olhar para a história recente

O Grande Capital, a Classe Trabalhadora e o Imperialismo dos EUA: um breve olhar para a história recente
Fotografia: AS7A/Flickr

Hoje, as duas “ameaças existenciais” iminentes são a possibilidade de uma guerra nuclear e mudanças climáticas sem precedentes causadas pelo homem, mas nenhuma delas parece preocupar excessivamente nossos plutocratas. O capitalismo prospera na guerra e nos esquecemos desse fato histórico por nossa conta e risco.

Chuck Churchill

Fonte: Counter Punch
Tradução: DMT
Data original da publicação: 07/03/2019

Hoje, as duas “ameaças existenciais” iminentes são a possibilidade de uma guerra nuclear e mudanças climáticas sem precedentes causadas pelo homem, mas nenhuma delas parece preocupar excessivamente nossos plutocratas. O capitalismo prospera na guerra e nos esquecemos desse fato histórico por nossa conta e risco. Nem eles parecem preocupados com as consequências drásticas do aquecimento global, que foram negadas, ignoradas ou subestimadas na mídia corporativa. De fato, pode parecer que os grandes oligarcas empresariais que dirigem os EUA e ditam as políticas para uma grande parte do resto do mundo temem muito pouco, talvez o mínimo de todas as classes trabalhadoras do mundo. Mas são essas pessoas que sofrem mais do capitalismo: elas morrem em grande número nas guerras imperialistas e são cronicamente vitimadas pelo desemprego e pelas crises econômicas. Eles são (e continuarão a ser) as principais vítimas das mudanças climáticas causadas pelo capitalismo.

Os trabalhadores do mundo têm o maior incentivo e também uma longa história de luta contra a opressão. O potencial (e, historicamente, o real) poder organizado dos trabalhadores é o que os governantes temeram no passado e o que temem hoje; apesar das enormes dificuldades aparentes de levar esse poder a efeito, ele representa a única possibilidade de se contrapor ao grande capital. Os trabalhadores organizados reduzem os lucros no mercado nacional e no exterior e, às vezes, representam uma ameaça revolucionária ao poder corporativo. Eles podem atrapalhar os planos expansionistas da classe dominante, incluindo as guerras imperialistas. Assim, o grande capital combate guerras em várias frentes, mas sempre com o objetivo de manter as classes trabalhadoras do mundo em um estado de atomização essencial ao funcionamento contínuo do capitalismo.

O trabalho dos trabalhadores cria a riqueza e o poder que são usados contra eles. Para serem competitivos, os capitalistas substituem os trabalhadores por máquinas (hoje são computadores e robótica) e cortam os salários. Essas práticas reduzem consistentemente a taxa de lucro e prejudicam o poder de compra (demanda) privando os trabalhadores de empregos e salários adequados. O declínio dos lucros significa crises econômicas e rivalidades capitalistas internacionais mais nítidas, incluindo guerras competitivas destinadas a preservar ou expandir impérios. Capitalistas mais fracos vão à falência; seus negócios são absorvidos pelos mais fortes e a propriedade é concentrada em menos mãos (1% ou mesmo uma fração disso), enquanto os trabalhadores do mundo sofrem mais com esses processos. As indústrias monopolistas conspiram para impedir o corte de preços; mas eles não podem escapar de medidas de corte de custos que visam o trabalho e levam a quedas econômicas. Esse número menor de empresas capitalistas, mas mais poderosas, surgiram para dominar as economias e os governos, atualmente liderados pelos Estados Unidos, cujo sistema de partido de duopólio garante o governo corporativo.

Nos EUA, a capacidade organizada dos trabalhadores para se proteger do grande capital aumentou e diminuiu. Hoje, parece estar no seu ponto mais baixo desde o período pós-Guerra Civil, que culminou em um punhado de indústrias monopolizadas, “os trusts”, no controle de terras, ferrovias, companhias de petróleo, fábricas e bancos. Tudo isso já foi “normalizado”, mas no final do século 19 e início do século 20 grande número de pessoas se opuseram a essa monopolização e aumentaram as fileiras dos movimentos populistas e progressistas que influenciaram tanto os partidos políticos, quanto produziu presidentes como Theodore Roosevelt e Woodrow Wilson. Nenhum deles, apesar de sua retórica sobre a restauração da concorrência, visava realmente interromper a consolidação capitalista, mas ambos foram muito bem sucedidos em conter a oposição a ela. Hoje, uma minoria ainda mais minúscula da população possui todos os principais meios de produção, distribuição, finanças e mídia; apesar de seu pequeno número e tremendo poder, eles foram incapazes de superar a tendência capitalista de produzir crises econômicas e guerras.

Os trabalhadores lutaram durante este período para garantir um salário digno, maior tempo de lazer, educação pública, benefícios para a saúde e proteções de segurança no trabalho. Muitos foram influenciados pelo surgimento de idéias socialistas que sugeriam que eles nunca seriam nada além de escravos de salários enquanto o capitalismo existisse; que os trabalhadores, como classe, os “produtores associados”, poderiam administrar a sociedade por si mesmos. Não foi até a Grande Depressão, no entanto, que os trabalhadores finalmente venceram sindicatos industriais. Eles fizeram isso com a liderança militante do Partido Comunista dos EUA, cujos organizadores estavam dispostos a lutar contra tudo o que dividia os trabalhadores, especialmente o racismo. Os comunistas também assumiram a tarefa difícil e perigosa de se organizar nas fábricas e nos campos, em face dos ataques implacáveis contra eles por chefes corporativos, seus capangas contratados, policiais e lacaios políticos dentro e fora dos sindicatos. Depois de cem anos de luta da classe trabalhadora, a organização comunista ajudou os trabalhadores a obter ganhos significativos. Mas estes foram temporários. Comunistas foram expulsos do CIO no período pós-guerra Truman-McCarthy e nossa história pós-Grande Depressão tem sido marcada por esforços corporativos bem-sucedidos para reverter os ganhos dos trabalhadores até então, quando parece que nada consegue ficar no caminho da infindável busca de acumulação do capitalismo e que parece nunca ser suficiente.

Guerras e crises econômicas também prejudicaram a vida de milhões de pessoas no mundo. Nossa elite corporativa trata essas quedas como eventos “naturais”, mas são totalmente feitos pelo homem, na verdade, feitos por capitalistas. Os “pânicos” de negócios pontuaram a história do capitalismo e, através da era pós-guerra civil, foram ocorrências regulares na economia mundial. No início do século 20, a tendência capitalista de produzir “recessões” globais aumentou a competição entre as principais potências capitalistas por mercados, recursos e saídas para o investimento de capital excedente. Esse período de crescente rivalidade entre os países capitalistas desenvolvidos incluiu a construção de barreiras tarifárias contra as exportações de cada um e colocou-as umas contra as outras em uma luta pelo império que visava as áreas do mundo onde recursos, mão-de-obra barata e “oportunidades de investimento”, poderiam ser obtidos. Estes incluíram a África na periferia da economia mundial. A Grã-Bretanha e a França estabeleceram colônias lá, mas no início do século 20 estavam sendo desafiadas pela Alemanha e pela Itália para uma participação nos despojos do império.

Antes e durante este período de rivalidades emergentes do imperialismo, a distância física dos EUA da Europa e seu próprio poder incontestado no Hemisfério Ocidental o removeram dos conflitos da Europa, ao explorar seu próprio quintal. Seu “colonialismo de colonos” inicial foi baseado na exploração de nativos americanos no comércio de peles, bem como no ato de atacá-los impiedosamente para apreender suas terras para fazendas e plantações operadas pelo trabalho escravo. Este “destino manifesto” levou os EUA pelo continente e custou metade do seu território ao México. Também, ironicamente, levou à Guerra Civil, quando o Norte e o Sul se confrontaram sobre o que sistema de trabalho (escravo ou livre) iria expandir para essas terras recém-conquistadas. Os EUA, então, apostaram no Caribe, tomaram as Filipinas da Espanha, anexaram as ilhas havaianas e perseguiram implacavelmente a penetração econômica da América Latina, garantindo que os governos complacentes fossem instalados e derrubando os que não o eram. Os movimentos dos EUA para preservar seu império continuam hoje no Oriente Médio e agora na Venezuela.

Dado seu tamanho e o diferencial de poder no Hemisfério Ocidental, os EUA poderiam trabalhar sua vontade com um exército relativamente pequeno. Uma vez que mudasse totalmente sua atenção e aspirações para a penetração econômica da Europa e da Ásia, isso mudaria. A Primeira Guerra Mundial foi um prenúncio. Essa guerra foi uma guerra totalmente capitalista, uma luta de vida e morte por mercados, recursos e trabalho. A Alemanha e o Japão eram retardatários, cuja ascensão como potência dominante os forçou a procurar mercados e recursos em áreas que já faziam parte das esferas imperiais britânicas e francesas.

O mundo foi, então, assim dividido em alianças concorrentes, e o resultado foi a Primeira Guerra Mundial, que começou em 1914. Marx apontou para as classes trabalhadoras do mundo, em meados do século XIX, que seu interesse coletivo estava em se unir contra os capitalistas em todos os países. De fato, os partidos socialistas da Europa tentaram e falharam em curto-circuitar a guerra, apelando aos trabalhadores britânicos, franceses e alemães a não lutarem uns contra os outros pelos lucros e pelo engrandecimento dos grandes capitalistas em “suas” nações. Nos EUA, o líder do Partido Socialista, Eugene V. Debs, foi preso por sua oposição à guerra. Mas os trabalhadores em geral continuavam sendo os cativos do nacionalismo e o resultado foi uma carnificina sem precedentes quando trabalhadores e camponeses de nações opostas se massacraram nas trincheiras.

Na Rússia, no entanto, um pequeno partido comunista revolucionário, os bolcheviques, consistentemente instou os trabalhadores e camponeses a lutarem contra seus governantes, em vez de se juntarem a eles em uma guerra imperialista. Em 1917, a Revolução Russa tirou o país da guerra. Pouco depois disso, os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial do lado da Grã-Bretanha e da França, seus principais parceiros comerciais, aos quais os banqueiros americanos emprestaram uma grande quantia de dinheiro. Uma vitória alemã ameaçou os investimentos americanos, bem como o equilíbrio de poder na Europa. Mas a Primeira Guerra Mundial não “tornou o mundo seguro para a democracia”. Em vez disso, a Grande Depressão preparou o terreno para mais conflitos imperialistas, enquanto a Alemanha, a grande perdedora na guerra, unida pela Itália e pelo Japão, voltou a olhar para um globo já dividido entre os poderes estabelecidos.

A vitória na Segunda Guerra Mundial foi o culminar do poder dos EUA. Como na Primeira Guerra Mundial, os EUA emergiram deste conflito global com nenhuma de suas cidades bombardeadas (exceto Pearl Harbor). Em comparação com seus aliados (para não mencionar os alemães e japoneses), teve muito menos baixas. Foi a União Soviética que mais sofreu, com quase 27 milhões de mortes, civis e militares. Na verdade, o Exército Vermelho lutou contra os nazistas praticamente sozinho e quebrou a máquina de guerra alemã em Stalingrado e Kursk bem antes da invasão do Dia D em junho de 1944. Os EUA terminaram a guerra com o Japão, lançando duas bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, a primeira e única vez (até agora) na história que as armas atômicas foram usadas.

No mundo do pós-guerra, os EUA eram a principal potência imperial, agora também comprometida em travar uma “cruzada” anticomunista contra aqueles países onde as revoluções estavam em andamento (China), onde ocorreram (Rússia) ou poderiam ocorrer (na Itália e na França, que tinham grandes partidos comunistas). Os governantes norte-americanos temiam a possibilidade de que o capitalismo fosse derrubado pelas forças revolucionárias em qualquer lugar do mundo, privando assim os negócios norte-americanos de investimentos e, pior do ponto de vista da elite corporativa, fornecendo um exemplo para os trabalhadores do mundo. A União Soviética era o principal antagonista, enquanto a guerra e o crescimento do poder militar dos EUA se tornaram o sangue vital da nação capitalista na liderança hoje. Nossos governantes retrataram sua guerra como “defensiva” e o povo americano foi geralmente aquiescente.

Foi necessária a intervenção militar americana no Vietnã contra um movimento de independência de camponeses, juntamente com uma retomada do Movimento de Direitos Civis aqui durante os anos 1960 para alertar milhões de americanos para o fato de que a guerra dos EUA contra o povo vietnamita era imperialismo em ação. Como na guerra anterior, os americanos que lutavam eram brancos da classe trabalhadora e pessoas de cor que eram tratadas como cidadãos de segunda classe em seu país. No auge da guerra, os militares recrutaram centenas de milhares de jovens; muitos foram enviados para o Vietnã e voltaram para casa em sacos de cadáveres. Um movimento anti-guerra em massa emergiu no próprio país e no exército contra a liderança política corporativa estabelecida e os meios de comunicação de massa. Um grande número de americanos entendeu que a classe dominante dos EUA não poderia funcionar sem dominar outros países, preferencialmente por seu poder econômico e controle de capital, mas com poder militar caso as pessoas desses países realmente desejassem controlar suas próprias vidas e economias independentemente dos EUA.

Ficou claro para mais americanos que talvez antes – ou desde então-, nossa elite de grandes empresas amava a guerra e se beneficiava muito com isso. Eles prosperaram especialmente em atacar países pobres e fracos que tentavam estabelecer alguma independência dos tentáculos corporativos dos EUA. Um presidente republicano, Dwight Eisenhower, passou por cima de tais esforços com a derrubada de governos democráticos na Guatemala e no Irã quando esses países tentaram assumir o controle de seus próprios recursos (terras e petróleo). No entanto, sem ironia, foi Ike que chamou a atenção para a natureza sistêmica da construção do império americano com seu alerta sobre o poder (ainda) não controlado do “Complexo Industrial Militar”. Um presidente democrata, Lyndon Johnson, posando como o candidato da “paz” em 1964, escalou a Guerra no Vietnã, enquanto os EUA tentavam substituir o império francês no sudeste da Ásia. Nenhum desses países representou uma ameaça real ao poder dos EUA.

Os anos 60 foram como uma separação momentânea do Mar Vermelho. Desde então, as águas correram de volta sobre os americanos, e nossos governantes têm trabalhado horas extras para apagar as lições de nossa história recente das mentes das novas gerações que não experimentaram por si mesmas (e, sem dúvida, de muitas que o fizeram).

A cortina de fumaça imperialista continua com a demonização de Putin e da Rússia, enquanto a “Guerra ao Terrorismo” permanece como uma racionalização padrão do militarismo dos EUA. Ambas serviram aos interesses da classe bilionária cujas intervenções no Oriente Médio remontam pelo menos à Segunda Guerra Mundial, se não antes. Lá, os EUA têm trabalhado para minar o nacionalismo pan-árabe e encorajar uma mudança para o fundamentalismo islâmico contra os esforços de reforma agrária e socialismo feitos por líderes como Gamal Abdel Nasser no Egito. Nos anos 80, os EUA intervieram no Afeganistão canalizando dinheiro e armas para o bilionário saudita Osama bin Laden contra os russos, permitindo ainda mais a ascensão do fundamentalismo islâmico. Depois que os sequestradores (a maioria da Arábia Saudita e NENHUM do Afeganistão ou Iraque) levaram aviões para as Torres Gêmeas em Nova York em 11 de setembro, os EUA invadiram ambos os países, embora não houvesse nenhuma evidência de que eles tivessem algo a ver com os ataques. Os contribuintes americanos fornecem bilhões para Israel quando se apossam e constroem assentamentos em terras palestinas. Mas os EUA não têm nenhum problema com Israel possuindo armas nucleares, ao contrário da histeria sobre uma possível bomba nuclear iraniana. Longe de querer acabar com o terrorismo, nossa classe corporativa incita e encoraja, porque, sem nenhum custo para eles, instila medo e obediência na população americana. Isso aconteceu sob as administrações republicana e democrata. Nem nossa mídia comprada e paga nos lembra dessa história.

Aqueles que agora estão nas ruas devido à supremacia branca aberta de Trump e esforços indisfarçáveis para garantir dominação corporativa não controlada fizeram pouco ou nada por anos enquanto o mestre da retórica “progressista”, Barack Obama, assumiu e expandiu as políticas de George W. Bush de Guerra contra o Terrorismo. Ele autorizou ataques aéreos e por drones que mataram mulheres e crianças no Oriente Médio e no Afeganistão (a guerra mais longa dos Estados Unidos – até o momento) e deportaram um número recorde de trabalhadores sem documentos tentando encontrar emprego.

Se algo ressalta o imperialismo contínuo de nossa elite corporativa, são seus movimentos atuais contra a Rússia que começaram sob Obama e incluíram uma remoção americana do presidente eleito da Ucrânia, apoiado por um movimento de rua neonazista em Kiev. O papel desempenhado por agentes e funcionários do governo dos Estados Unidos (e a longa história de ações similares dos EUA, como as mencionadas acima) foram mantidos longe do público americano, enquanto a mídia demoniza a Rússia, e a OTAN é usada para movimentar tropas americanas até a fronteira da Rússia.

Fomos tratados diariamente com uma batida de retórica anti-Putin de políticos americanos como Hillary Clinton e o DNC que ecoa em toda a mídia corporativa. Os esforços inábeis de Trump para colocar as relações dos EUA com a Rússia em um patamar mais empresarial (sem dúvida, com recompensas monetárias concretas para ele), foram atenuados por seu próprio fracasso e pelo poder desfavorável daqueles que vêem a Rússia (e a China) no caminho de suas ambições imperiais de controlar os recursos, mercados e trabalho do mundo. Os governantes norte-americanos parecem sem medo, nem mesmo ansiosos, em provocar uma guerra com uma ou ambas as outras grandes potências nucleares, a Rússia e a China.

Na verdade, a ameaça de uma guerra nuclear deveria atrair a atenção de todos, mas parece que isso não aconteceu. Qual a mudança climática global? Na melhor das hipóteses, inundará as costas, interromperá a agricultura e tornará grandes partes da terra inabitáveis; na pior das hipóteses, terminará em extinções generalizadas, possivelmente incluindo seres humanos. Os governantes dos EUA têm medo das consequências do aquecimento global? Aparentemente não, porque quase nada foi feito para abordá-lo em sua fonte, restringindo e eliminando a queima de combustíveis fósseis; em vez disso, um grande esforço está sendo feito, liderado pela Exxon-Mobil, para desacreditar a ciência por trás dele.

As duas ameaças existenciais, a guerra nuclear e o aquecimento global, não parecem incomodar os governantes dos EUA. O que, de fato, poderia assustar essa classe capitalista monopolista muito pequena, mas excessivamente poderosa? Eles atualmente têm um aperto mortal em nosso sistema econômico, em nossas instituições políticas e governantes, e na mídia dominante para assegurar o contínuo movimento para a direita do nosso discurso público. Eles verificaram com sucesso o movimento sindical, enquanto interminavelmente exibindo na mídia o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que deu seu aval aos promotores neofascistas do racismo, sexismo e homofobia. Essas ideias ajudam a manter os trabalhadores divididos uns contra os outros, em vez de se unirem contra o inimigo de classe comum. Os capitalistas sabem, por longa experiência, como travar com êxito a guerra de classes. Sua polícia aterroriza a grande e frequentemente segregada população de trabalhadores negros que são privados não apenas dos direitos civis e oportunidades educacionais, mas também do direito de viver pelo seu trabalho. Enquanto isso, um elemento de pseudo-esquerda do Partido Democrata promove a divisão contínua de “políticas de identidade” em vez da solidariedade da classe trabalhadora.

Os democratas perderam a última eleição porque se recusaram a defender os trabalhadores, apesar de terem uma maioria nas duas Casas do Congresso no começo da presidência de Obama. Em vez disso, conseguimos que Donald Trump tivesse uma maioria republicana no Congresso destinada a destruir todos os ganhos obtidos pelas lutas dos trabalhadores desde a Grande Depressão.

Será que vamos ver algo diferente neste ciclo eleitoral? Os democratas retomaram a Câmara e potenciais candidatos presidenciais democratas, liderados por Bernie Sanders, estão falando de uma linha mais orientada para a classe trabalhadora. Mas nós já estivemos aqui antes! As pessoas que estão apoiando Bernie são um pequeno passo na direção certa, mas se acabarem sendo levadas de volta às garras do Partido Democrata controlado pelas corporações, então ainda estaremos nas mãos do grande capital. Jogue pelas regras, somos informados por nossos líderes políticos, embora nem os grandes empresários nem os políticos comprados tenham qualquer escrúpulo em infringir quaisquer regras que impeçam seu poder e seus lucros. Somos saltados de um partido para outro, enquanto os grandes bancos saqueiam a economia. Somos alimentados com ilusões sobre garantias constitucionais como “liberdade de expressão” sem qualquer reflexão sobre quem tem o poder de ter suas vozes ouvidas. O grande capital suprime ideias pró-classe trabalhadora enquanto promove o fascismo.

O que, então, pode representar uma alavancagem real contra nossa elite de grandes empresas? Temos uma resposta na história recente descrita acima: a classe capitalista teme um movimento operário revolucionário de massa internacional com o potencial de acabar com seu governo e substituí-lo por um sistema produtivo baseado não na exploração dos muitos para o lucro de um poucos, mas na necessidade humana: de cada um de acordo com suas habilidades para cada um de acordo com suas necessidades. Tal movimento deve incluir o maior número possível de pessoas e ser organizado em torno da demanda por igualdade e respeito pela Terra e seus limites. A evidência de que nossos governantes temem isso é evidente nos cem anos ou mais de seus esforços anticomunistas para desacreditar, distorcer, difamar e demonizar tal movimento.

Chuck Churchill é professor aposentado da história. Ele ensinou na Cal State Chico e na Oregon State University.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *