O capitalismo financeiro prepara a recessão 2.0

O capitalismo financeiro prepara a recessão 2.0
Ilustração: TNI

Os bancos dos EUA possuem, coletivamente, US $ 157 trilhões em derivativos, aproximadamente o dobro do PIB mundial. Isso é 12% mais do que possuíam no início da crise de 2008.

Walden Bello

Fonte: Revista Contexto
Tradução: DMT
Data original da publicação: 19/06/2019

Nos últimos 30 anos, o capital financeiro tornou-se dominante nas principais economias capitalistas, superando a elite industrial em poder e influência. Essa evolução levou o setor produtivo a estar cada vez mais sujeito à dinâmica volátil do setor financeiro.

A centralidade das finanças na atual economia mundial é destacada pela crescente frequência de grandes crises financeiras, que inevitavelmente foram seguidas por recessões. Desde que a liberalização dos mercados de capitais começou durante a era Thatcher-Reagan no início dos anos 80, houve pelo menos 12 grandes crises financeiras. A mais recente foi a crise global de 2007-2008, que também causou o que hoje é conhecido como a Grande Recessão, da qual muitas das economias desenvolvidas ainda não se recuperaram.

As causas da financeirização

Se considera que o processo e a característica mais distintiva do capitalismo contemporâneo é a financeirização. No tempo de Marx, a financeirização como mecanismo chave para criar benefícios era considerada uma aberração periódica. Nos últimos anos, no entanto, tornou-se a maneira dominante de extrair benefícios. Como isso aconteceu?

A financeirização é essencialmente derivada da crise de produção que começou no final da década de 1970. Isso tomou a forma de uma crise de superprodução que ultrapassou a economia capitalista global após os chamados trinta anos gloriosos de expansão após a Segunda Guerra Mundial.

A superprodução teve suas raízes na rápida e bem-sucedida reconstrução econômica da Alemanha e do Japão e no rápido crescimento das economias de industrialização, como o Brasil, a Coreia do Sul e Taiwan. Isso acrescentou uma enorme capacidade produtiva e uma maior concorrência global, enquanto a desigualdade de renda dentro dos países e entre eles limitava o crescimento do poder de compra e da demanda efetiva. Essa crise clássica de superprodução – ou subconsumo, usando a formulação de Paul Sweezy – levou a uma queda na rentabilidade.

Houve três saídas da crise de rentabilidade que o capital sofreu: a reestruturação neoliberal, a globalização e a financeirização. A reestruturação neoliberal significava essencialmente redistribuir a renda da classe média aos ricos, para incentivar os últimos a investir na produção.

A globalização da produção envolveu a localização de instalações de produção em países de baixos salários para aumentar a lucratividade. Embora essas duas estratégias tenham ocasionado um aumento da rentabilidade no curto prazo, no médio e longo prazo elas foram contraproducentes, pois causaram uma queda na demanda efetiva, cortando ou impedindo o aumento dos salários dos trabalhadores.

Dimensões fundamentais da financeirização

Isso nos deixa com a financeirização, que teve vários aspectos-chave, mas dos quais devemos destacar três.

Em primeiro lugar, a financeirização implicava a criação maciça de endividamento da população para substituir a renda estagnada, a fim de criar demanda por bens e serviços. Grande parte dessa dívida foi financiada pela injeção de dinheiro fornecido pelos governos asiáticos, reciclando dinheiro para os Estados Unidos procedente dos excedentes comerciais dos que desfrutavam com este último. A principal via foi através da provisão dos chamados empréstimos habitacionais de alto risco para uma grande parte da população. Se tratava de empréstimos que eram concedidos indiscriminadamente a compradores de casas com pouca capacidade de pagamento, que eram, essencialmente, bombas-relógio.

Segundo, a financeirização implicava as chamadas inovações em engenharia financeira que facilitariam a liquidez. Um dos mais importantes – e, em última análise, o mais prejudicial – foi a titularização, que consistia em fazer com que contratos tradicionalmente imóveis, como as hipotecas, fossem líquidos ou móveis e negociáveis. Hipotecas titularizadas, que poderiam ser negociadas, levariam ao desaparecimento do relacionamento original credor-devedor.

Além disso, a engenharia financeira permitiu que a hipoteca original de alto risco fosse combinada com hipotecas de melhor qualidade e vendidas como títulos mais complexos. Mas mesmo quando os títulos hipotecários eram combinados e recombinados e negociados de uma instituição para outra, eles não podiam escapar de sua qualidade subjacente.

Quando milhões de proprietários de hipotecas de alto risco não podiam mais enfrentar seus pagamentos devido à sua baixa renda, essa evolução se estendeu como uma reação em cadeia aos trilhões de títulos hipotecários que foram negociados em todo o mundo, prejudicando sua qualidade e levando à falência aqueles que possuíam quantidades significativas deles, como o banco de investimento de Wall Street, o Lehman Brothers.

Os títulos garantidos por hipotecas (ou MBS, mortgage-backed security) foram apenas um exemplo de inovações de engenharia financeira, conhecidas como “derivativos”, que tinham como objetivo facilitar a liquidez, mas acabaram incentivando um endividamento maciço sobre a frágil suposição de capital ou riqueza real. Operadores de mercado caracterizados por uma alta proporção de dívida e patrimônio líquido foram descritos como “altamente alavancados”. O alto nível de alavancagem de Wall Street antes da crise foi demonstrado pelo fato de que o valor do volume total de instrumentos financeiros derivativos foi estimado em 740 trilhões, comparado a um PIB mundial de 70 trilhões de dólares.

Os matemáticos contratados pelas instituições de Wall Street formulavam as equações mais complexas para promover a ilusão da qualidade, quando, na verdade, os valores repousavam sobre ativos de valor questionável.

A terceira característica fundamental da financeirização foi que muitos dos principais operadores, instituições e produtos que estavam na vanguarda do processo não eram regulamentados ou eram mal regulados. Foi assim que surgiu o chamado “setor bancário paralelo” junto com o tradicional setor bancário regulado, com instituições financeiras não tradicionais como Goldman Sachs, Morgan Stanley e American International Group (AIG), que serviram como a primeira onda massiva de um tsunami que trouxe consigo a introdução da titularização, da engenharia financeira e produtos inovadores como os MBS, as obrigações de dívida colateral (CDO) e os credit default swaps (CDS).

A implosão das hipotecas de alto risco em 2007 revelou a dinâmica essencial da financeirização como motor da economia, isto é, que dependia da criação e inflação de bolhas especulativas. A obtenção de benefícios se baseava na criação de uma dívida massiva com uma base muito fraca sobre o valor real ou capital. Enquanto persistia a ilusão de que os MBS eram valores sólidos, Wall Street funcionava como um cassino, com investidores usando diferentes produtos financeiros para apostar nos movimentos dos valores dos ativos e seus produtos derivados para fazer uma fortuna.

Um massacre significava comprar títulos com o “preço justo” na “hora certa” e depois vendê-los assim que o preço deles aumentasse significativamente e antes que eles caíssem. No entanto, uma vez que os eventos expuseram os frágeis fundamentos dos títulos de alto risco, os operadores do mercado entraram em pânico e fugiram, vendendo seus ativos o mais rápido possível para recuperar algum valor, um processo que acelerou o colapso de valores em um nível negativo.

O fracasso da reforma

Quando Barack Obama se tornou presidente dos Estados Unidos em 2008, uma de suas prioridades era consertar o sistema financeiro global. Dez anos depois, é evidente que, devido a uma combinação de timidez por parte do Governo e de resistência por parte do capital financeiro, pouco foi reformado, apesar dos compromissos de alto nível com a reforma financeira global assumida pela Cúpula do G20 em Pittsburgh, 2009.

Primeiro, o problema de “muito grande para falhar” piorou. Os grandes bancos, que foram resgatados pelo governo dos Estados Unidos em 2008, tornaram-se ainda maiores, e os “seis grandes” bancos americanos JP Morgan Chase, Citigroup, Wells Fargo, Bank of America, Goldman Sachs e Morgan Stanley coletivamente possuem 43% mais depósitos, 84% mais ativos e o triplo do dinheiro que tinham antes da crise de 2008. Essencialmente, eles dobraram o risco que derrubou o sistema bancário em 2008.

Em segundo lugar, os produtos que desencadearam a crise de 2008 continuam sendo negociados. Isso incluiu cerca de 6,7 trilhões de dólares em títulos respaldados por hipotecas, cujo valor foi mantido apenas porque a Reserva Federal comprou 1,7 trilhão de dólares. Os bancos dos EUA possuem, coletivamente, US $ 157 trilhões em derivativos, aproximadamente o dobro do PIB mundial. Isso é 12% mais do que possuíam no início da crise de 2008.

Terceiro, as novas estrelas do firmamento financeiro – o consórcio de investidores institucionais constituídos por fundos de cobertura, fundos de capital de risco, fundos soberanos, fundos de pensão e outras entidades de investimento – continuam viajando sem controle na rede global, operando a partir de bases virtuais chamadas de paraísos fiscais, procurando oportunidades de arbitragem em moeda ou valores imobiliários, ou dimensionando a lucratividade das empresas para possíveis compras de ações. A propriedade dos cerca de US $ 100 trilhões nas mãos desses abrigos fiscais flutuantes para os super-ricos está concentrada em 20 fundos.

Em quarto lugar, os operadores financeiros estão acumulando benefícios em um mar de liquidez proporcionado pelos bancos centrais, cuja liberação de dinheiro barato com a finalidade de encerrar a recessão resultante da crise financeira resultou na emissão de trilhões de dólares de dívida, elevando o nível mundial da dívida para 325 trilhões de dólares, mais de três vezes o tamanho do PIB mundial. Há um consenso entre os economistas de todos os espectros políticos de que esse aumento da dívida não pode continuar indefinidamente sem causar uma catástrofe.

Em quinto lugar, em vez de controlar mais de perto o setor financeiro, alguns países seguiram as economias capitalistas avançadas para liberalizá-los. Na China, a segunda maior economia do mundo, isso criou uma perigosa combinação de fatores que pode levar à implosão financeira: um volátil mercado de ações, uma bolha imobiliária e um setor bancário paralelo não regulado. O número de pontos vulneráveis na economia mundial aumentou e todos são candidatos à próxima grande crise.

Conclusões

O que nós temos que fazer?

Em um estudo recente patrocinado pelo Instituto Transnacional, a ser publicado ainda este ano, apresento uma justificativa detalhada de 10 imperativos importantes para o setor financeiro global. Estes são:

1. Restringir as operações dos fundos de capital de risco e fechar os paraísos fiscais.

2. Proibir títulos respaldados por hipotecas e derivativos.

3. Avançar para o banco de reservas de 100%.

4. Nacionalizar instituições financeiras que são grandes demais para falhar.

5. Reinstituir a Lei Glass-Steagall que colocou uma “muralha da China” entre a banca comercial e a banca de investimento.

6. Definir limites drásticos na remuneração dos executivos.

7. Eliminar gradualmente as agências de classificação de crédito, como Moody’s e Standard and Poor.

8. Convocar uma nova Conferência de Bretton Woods para estabelecer novas instituições e regras para a governança financeira global, acabar com o monopólio do dólar como moeda de reserva mundial e estabelecer acordos novos e justos para o desenvolvimento e financiamento do clima.

9. Fazer com que os bancos centrais prestem contas.

10. Avançar para uma plena união política, fiscal e monetária nos países da zona do euro ou sair do euro.

As medidas propostas constituem um “programa mínimo”, ou um conjunto de medidas que reforçam as defesas do mundo contra outra crise financeira, embora não eliminem a possibilidade de tal coisa acontecer.

O capitalismo como um sistema é estruturalmente propenso a gerar crises financeiras, e o programa descrito acima pressupõe um sistema econômico global que continua a funcionar sob suas regras. A implementação bem-sucedida dessas reformas seria um passo gigantesco em um processo mais longo de mudança transformadora. No entanto, essa mudança não pode ocorrer sem abordar fundamentalmente outras dimensões-chave do capitalismo, especialmente seu motor: o desejo insaciável de obter benefícios cada vez maiores.

Para alguns, a necessidade mais urgente é como reformar o capitalismo. Em sua opinião, um programa de reforma financeira teria que ser integrado em um programa mais amplo de reforma drástica do capitalismo.

Esse empreendimento teria que lidar seriamente com a falta de demanda enraizada na crescente desigualdade. Teria que reconhecer bravamente suas raízes nas relações de poder desiguais entre capital e trabalho, como esse poder desigual se traduz em crescente desigualdade e como a desigualdade se traduz em uma demanda anêmica que retarda a expansão da produção.

Para outros, a situação exige uma solução além da reforma do capitalismo, incluso do tipo keynesiano radical. Do ponto de vista deles, a busca constante por lucratividade é uma fonte fundamental de instabilidade que enfraquecerá todos os esforços para reformá-la.

Além disso, o que precisa ser tratado não é apenas a desigualdade social e a falta de demanda, mas o impulso do sistema produtivo para crescer às custas da biosfera. O que é necessário, dizem eles, é um programa pós-capitalista, tornado ainda mais urgente pela atual catástrofe climática que está em desenvolvimento. De fato, em alguns círculos, uma estratégia decrescente é considerada cada vez mais necessária.

Em meio a esse debate cada vez mais acalorado sobre sistemas alternativos, há duas coisas sobre as quais há um consenso. Primeiro, que continuar no caminho atual do capitalismo financeiro mal regulado levará a outra catástrofe financeira, talvez pior do que a crise de 2007-2008. Em segundo lugar, que se afastar desse caminho para a ruína exigirá assumir e romper o poder do capital financeiro.

Walden Bello é professor adjunto internacional de Sociologia na Universidade Estadual de Nova York, em Binghamton, e pesquisador associado do TNI. Ele escreveu ou foi co-autor de 23 livros, dois dos quais serão publicados este ano: The Global Rise of the Far Right (Nova Scotia: Fernwood, 2019) e Paper Dragons: Why Financial Crises Happen and Why China Will be Next?Londres: Zed Press, 2019).

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *