Como frigoríficos destroçam os trabalhadores

Fotografia: MPT-RS

Mais de 60 unidades são investigadas por desrespeitar protocolos de prevenção — e disseminar a covid-19. Gigantes como JBS e BRF (antiga Sadia) aglomeram até mil funcionários em ambientes fechados e sem distanciamento mínimo

José Álvaro de Lima Cardoso

Fonte: Outras Palavras
Data original da publicação: 25/05/2020

Em função da combinação macabra instalada hoje (crise econômica brutal e o pior governo da história do país) o Brasil é o caso mais problemático do mundo, no que se refere ao enfrentamento da pandemia. Com a doença fora de controle, o país caminha para ser o epicentro mundial, rapidamente. O Brasil ultrapassou, no dia 20/05, a casa dos 291 mil casos e, com isso, assumiu a condição de terceiro país no mundo com o maior número de registros, com o número de mortos alcançando 18.859.

Nesse contexto geral, chama atenção o caso dos trabalhadores da indústria de processamento de carnes, que têm grande peso, tanto na matriz industrial do Brasil, quanto na de Santa Catarina. O Brasil é o maior produtor de carnes bovina, o primeiro exportador, e vende carne de frango para mais de 150 países. Em Santa Catarina, que é o segundo maior produtor de carne de frango do país, o setor tem grande peso no volume de produção, empregos, exportações, etc. O primeiro produto exportado por Santa Catarina no ano passado foi carnes de aves, que representou 24,13% da pauta exportadora; o segundo foi carne suína, com participação de 8,1% na pauta. Boa parte desse produto é exportado in natura, sem processamento industrial (coisa de país subdesenvolvido, registre-se).

A indústria de carnes é um setor essencial, que não “pode parar”, já que, com pandemia ou não, os alimentos têm que ser produzidos e processados industrialmente. Pelas características do processo de trabalho, que é intensivo em mão de obra, o risco de contaminação dos trabalhadores desse setor, pela covid-19, é muito grande. Não por acaso, mais de 60 frigoríficos em 11 estados do país estão sendo investigados pelo poder público neste período de pandemia, em função da falta de condições adequadas de prevenção à doença. Deve ser o setor da indústria de transformação com maior incidência de contaminação.

O problema da exposição dos trabalhadores de frigoríficos neste período de pandemia é mundial. Há denúncias vindas de Alemanha, França, Irlanda, EUA, entre outros, de que as empresas estão colocando os trabalhadores em situação vulnerável ao contágio pela covid-19. Nos EUA, atual epicentro da doença, mais de 10.000 trabalhadores contraíram o vírus, com dezenas de mortos. Nesse país, um dos maiores produtores de carne do mundo, nos municípios com grandes frigoríficos, a taxa de infecção do coronavírus é mais do que o dobro da taxa nacional, após a ordem de Donald Trump ordenar a reabertura dos negócios.

Em Santa Catarina os dados são impressionantes. Concórdia (cidade com 75 mil habitantes no Meio Oeste catarinense) tem sete mortes registradas até a tarde do dia 20.05. O município já é o segundo no estado, junto a Florianópolis, com mais vítimas fatais da covid-19. Segundo a prefeitura, no dia 06 de maio havia 176 casos confirmados de covid-19, 94 deles em trabalhadores de frigoríficos. Concórdia tem uma grande unidade da BR Foods (antiga Sadia) no próprio município, com milhares de trabalhadores. O caso é tão grave que essa unidade da BRF terá que testar todos os trabalhadores para a covid-19, a partir de 21.05, por exigência da Vigilância Sanitária Estadual. Os operários que apresentarem o resultado positivo para covid-19 serão afastados por 14 dias.

Em Ipumirim, município vizinho à Concórdia, no dia 18 de maio o Ministério da Economia interveio em uma unidade de processamento de frangos da JBS por irregularidades no combate à transmissão do coronavírus entre trabalhadores. Os fiscais encontraram, inclusive, trabalhadores com teste positivo de covid-19 operando normalmente, mesmo tendo atestado médico para afastamento do processo produtivo. A referida planta registra pelo menos 86 funcionários com teste positivo para o novo coronavírus em um universo de 1.500 trabalhadores. É uma taxa de contaminação impressionante. Como uma das características predominantes da pandemia no Brasil é a subnotificação, é possível que o número de contaminados no município seja bem maior.

Em Nova Veneza, Sul do estado, com 15 mil habitantes, dois dos seis casos de coronavírus são de trabalhadores do frigorífico da cidade. Segundo os dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Alimentação de Criciúma e Região, uma das regras fundamentais para proteção dos trabalhadores, regulamentadas por portaria estadual, inclusive – que é a distância mínima de 1,5 metro entre os trabalhadores – não está sendo respeitada. Os trabalhadores conseguem manter uma distância de, no máximo, 80 cm entre si. As indústrias de abate e processamento de carnes têm por característica a presença de centenas e, até mesmo, milhares de empregados em um único estabelecimento. Os setores têm elevada concentração de trabalhadores em ambientes fechados, com baixa taxa de renovação de ar, baixas temperaturas. Alguns setores, inclusive, com bastante umidade e com diversos postos de trabalho sem o distanciamento mínimo de segurança, conforme mencionado. Como se vê, a solução, muitas vezes, passa por investimentos que as empresas simplesmente não querem realizar.

As empresas processadoras de carne usualmente estão situadas em pequenos municípios e exercem muita influência entre as autoridades e lideranças locais. Prefeito, fiscais, e outras autoridades, que poderiam interferir, têm medo que as empresas, que geram empregos e pagam impostos, retirem suas unidades dos seus municípios. O fato é que se depender das empresas que, em regra, pertencem a fundos que investem no mundo todo, a questão econômica se sobreporá sempre à questão humana, à necessidade de preservar a vida dos trabalhadores.

No setor, portanto, o elevado número de trabalhadores testados positivos pelo coronavírus está relacionado a dois fatores básicos:

1.As especificidades técnicas do setor: que é intensivo em força de trabalho, tem pouca maquinaria, com o corte ainda muito manual. Tudo isso leva à aglomeração humana;

2. O descaso das empresas: condições inadequadas de trabalho, falta de equipamentos de proteção e segurança, não respeito à distância mínima definida pelos protocolos estabelecidos. Neste caso é claramente um problema de ganância. Os patrões querem gastar o mínimo com investimentos de proteção, colocando a vida dos operários em risco.

Vale aqui uma reflexão. Imaginem o trabalhador do setor de alimentação, enfrentar essa situação de forma individual, ou seja, sem a organização sindical? Qual a capacidade de o trabalhador impor melhorias e política de prevenção a covid-19, assim como às outras doenças? A pandemia evidencia ainda mais um fato incontestável: em qualquer cenário do Brasil nos próximos anos, as organizações sindicais (que resistirem) serão ainda mais fundamentais. Não conseguiremos enfrentar este turbilhão de desafios de forma isolada, pois desemprego, falta de dinheiro, e a mais grave pandemia do último século, não podem ser vencidos de forma individual.

Todos esses problemas só conseguirão ser combatidos de forma eficaz através da organização coletiva, principalmente a sindical, que atua na esfera econômica, que é a fundamental. O isolamento e a fragmentação da luta só interessam aos inimigos da classe trabalhadora. As conquistas obtidas ao longo da história são fruto de sangue, suor e lágrimas. Sem organização dos trabalhadores através de sindicatos, não haveria regulamentação da jornada de trabalho, salário mínimo, seguro-desemprego, sistema público de saúde e demais conquistas sociais. Tudo isso, que está sendo rapidamente triturado nos últimos anos, foi obtido à duríssimas penas ao longo da história mundial do trabalho.

Os que deram o golpe no Brasil entendem isso perfeitamente, razão pela qual estão bombardeando ações, desde 2016, que visam destruir as entidades sindicais. A organização sindical é a melhor ferramenta dos trabalhadores brasileiros contra o fascismo bolsonarista, contra a pilhagem do país, contra a destruição dos direitos trabalhistas e a educação pública. É a melhor ferramenta também contra a entrega das reservas de petróleo, o massacre da população pobre, dos índios e quilombolas, dos negros. Nesse momento, a organização e a luta são as melhores ferramentas também contra a destruição do Brasil enquanto nação soberana, que, no fundo, é o que está em jogo neste momento.

José Álvaro de Lima Cardoso é economista, doutor em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina, supervisor técnico do escritório regional do DIEESE em Santa Catarina

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *