A luta internacional dos trabalhadores em educação: um estudo sobre os sindicatos em educação pública da fronteira Brasil-Paraguai-Argentina

Autora: Sandra Regina Severo Kasper
Orientadora: Silvana Aparecida de Souza
Ano: 2017
Tipo: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Centro de Educação Letras e Saúde. Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Cultura e Fronteiras
Repositório: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações Unioeste
Resumo: Nesta dissertação de mestrado delimitamos o estudo na comparação das estruturas de organização formal de sindicatos em educação da fronteira Brasil-Paraguai-Argentina, com o objetivo geral de verificar se há indícios de articulação internacionalista dentre sindicatos dos trabalhadores da educação pública nesta região. O recorte do estudo comparado se deu nas estruturas de organização formal da Unión Nacional de Educadores, Sindicato Nacional, Comité de Base Ciudad del Este-Alto Paraná-Paraguai (doravante denominada UNE-SN-CDE), da APP-Sindicato dos trabalhadores em educação pública do Paraná-núcleo sindical de Foz do Iguaçu-Paraná-Brasil (doravante denominada APP-FI) e da Unión de docentes de la província de Misiones (doravante denominada U.D.P.M.-PI) Departamento Sindical de Puerto Iguazú-Misiones-Argentina. Os questionamentos centrais deste estudo foram: as estruturas formais desses sindicatos revelam indícios de iniciativas internacionalistas entre sindicatos de trabalhadores em educação da fronteira Foz do Iguaçu-Brasil, Ciudad del Este-Paraguai e Puerto Iguazú-Argentina? Quais as semelhanças e quais as diferenças nas estruturas organizativas formais desses sindicatos? A compreensão inicial é que estes sindicatos tinham em comum à proximidade territorial, dada pela fronteira Brasil-Paraguai-Argentina. Elegemos como método de pesquisa o Materialismo Histórico Dialético, as categorias gerais que nortearam o estudo foram a práxis, a totalidade e a contradição. Analisamos mediante uma revisão de literatura, as categorias de conteúdo: nacionalismo, internacionalismo proletário, as I, II, III e IV edições da Associação Internacional dos Trabalhadores (1º capítulo), a produção científica brasileira sobre internacionalismo proletário, na atualidade (2º capítulo). Através dos recursos metodológicos de entrevistas e análise documental, realizamos a análise comparativa: das histórias orais, das estruturas de organização formal e de documentos dos sindicatos UNE-SN-CDE, APP-FI e U.D.P.M.-PI evidenciando as articulações internacionalistas encontradas (3º capítulo). Os resultados do estudo demonstraram que existem poucas, eventuais, individualizadas, descontínuas e esparsas iniciativas de articulação internacionalista, materializadas na forma de reuniões, encontros e participação em seminários e congressos.
Arquivo: Acesse aqui o texto completo

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *