A forma mais poderosa para priorizar a diversidade nas organizações

Assim como a diversidade e a biodiversidade são o segredo da perpetuidade da vida na Terra, a gestão para a diversidade é o segredo da sustentabilidade e da perenidade das empresas.

Liliane Rocha

[divide]

Fonte: Envolverde
Data original da publicação: 23/02/2016

[divide]

A solução é simples, porém tem encontrado entraves para ser compreendida por lideranças do mundo corporativo. Para além da importância efetiva da justiça histórica social em relação a grupos que têm sido historicamente privados de seus direitos mais básicos, é fundamental que ocorra uma mudança de paradigmas.

A percepção da maioria das áreas de Recursos Humanos e de líderes de grandes empresas permanece sendo a de que a valorização da diversidade pode ser um entrave ao bom rendimento e a entrega de resultados. Realidade expressa em frases tais como “como terei pessoas com deficiência nesta atividade?”, “quero contratar negros, mas este público tem baixa escolaridade”, “mulheres poderão não se adequar a está atividade”, “é novo demais ou é velho demais”, “ou está religião não quero, pois se precisar que trabalhe aos sábados eles não poderão”, a lista de comentários que expressam claramente os preconceitos é infinita e não caberiam neste texto.

Contudo, esse padrão mental está equivocado. E quem diz isso não sou eu, mas pesquisas das mais diversas consultorias nacionais e internacionais que tem comprovado a Gestão para a Diversidade como atributo estratégico para o negócio. Isso quer dizer que a sua empresa não só deve valorizar a diversidade por uma questão de justiça, equidade e para fazer o que é certo, como também deve valorizar a diversidade se tem o objetivo de ser uma empresa competitiva e com resultados de alta performance.

As comprovações são múltiplas, contudo enfatizarei aqui estudos da McKinsey, AT&T, Forbes, Gullup e BainCompany. “Is there a payoff from top team diversity”, estudo da McKinsey de 2012, afirma que empresas com mais diversidade em seus quadros executivos tiveram melhores resultados entre 2008 e 2010. O estudo realizado com 180 companhias de capital aberto da França, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos, mostrou que companhias classificadas no topo do ranking de Diversidade tiveram um ROE 53% maior na média e um EBIT 14% mais alto.“O Avanço das Mulheres, 2012”, “O valor que os colaboradores com Síndrome de Dowm podem acrescentar as Organizações, 2014”.

O estudo “O caminho das mulheres para alcançarem o topo, 2013”, da Bain Company, também enfatiza que as diferenças de estilos entre homens e mulheres não é o vilão, mas sim uma boa estratégia em momentos de tomadas de decisão.

“Diversidade e Inclusão Global promovendo a inovação por meio da Diversidade na força de trabalho, 2014,”da AT&T, também explicita a diversidade como fator de lucratividade e destaca esta como uma forma de assegurar que serviços, produtos e atendimentos estejam aderentes aos anseios dos mais diversos estilos de consumidores.

Por fim, um estudo do Gallup Institute de 2014, com 800 unidades de negócios de duas empresas no varejo, mostrou que as empresas com uma equipe diversificada de gênero teve uma receita comparável média 14% maior do que unidades de negócio menos diversas. Isto mostra que a diversidade não apenas gera uma experiência melhor para o cliente, mas realmente cria receita para as empresas.

Portanto, a forma mais poderosa para convencer a área de Recursos Humanos e a alta liderança das organizações a valorizar a diversidade humana é gerar o entendimento de que, ao implantar essa estratégia a empresa, não estará assumindo um risco como acreditam alguns, mas que assim como a diversidade e a biodiversidade são o segredo da perpetuidade da vida na Terra, a gestão para a diversidade é o segredo da sustentabilidade e da perenidade das empresas. Se você, seu chefe ou seus colegas de trabalho ainda não perceberam está realidade ainda há tempo. Compartilhe este artigo e além de garantir uma sociedade mais justa, contribua para o desenvolvimento da sua empresa.

[divide]

Liliane Rocha é diretora Executiva da empresa Gestão Kairós  (www.gestaokairos.com.br), mestranda em Políticas Públicas pela Fundação Getúlio Vargas, MBA Executivo em Gestão da Sustentabilidade na FGV, Extensão de Gestão Responsável para Sustentabilidade pela Fundação Dom Cabral, graduada em Relações Públicas na Cásper Líbero. Gestora com 11 anos de experiência na área de Responsabilidade Social tendo trabalhado em empresas de grande porte – tais como Philips, Banco Real-Santander, Walmart e Grupo Votorantim. Escreve mensalmente para Envolverde sobre Diversidade e Sustentabilidade.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *