21 de janeiro de 1984: tem início o 1° Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, marco na fundação do MST

Há 36 anos, ocorreu o 1° Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, marco na fundação do MST

Trabalhadores sem terra reunidos em Cascavel, no Paraná. Fotografia: Arquivo MST

Igor Natusch

Iniciado no dia 21 de janeiro de 1984, em Cascavel (PR), o 1º Encontro Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra foi um marco na organização dos movimentos sociais do campo no Brasil. Ao final do congresso, que reuniu centenas de pessoas, foi aprovada a criação de um movimento camponês de alcance nacional, capaz de apoiar diferentes núcleos na luta pela reforma agrária. Foi a fundação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), entidade de renome internacional e que segue sendo uma das mais importantes e combativas organizações sociais do Brasil.

O nascimento do MST teve antecedentes históricos em organizações como as Ligas Camponesas, criadas pelo Partido Comunista do Brasil nos anos 1940 e que foram as primeiras a trazer, de forma organizada, as demandas dos trabalhadores e trabalhadoras rurais para o centro do debate político. Outro pioneiro foi o Movimento dos Agricultores Sem Terra (Master), nascido em 1960 no Rio Grande do Sul e que ajudou a consolidar a ideia de acampamentos como ferramenta de atuação política. Herdando a experiência e absorvendo elementos da luta desses e de outros movimentos, o MST já surgiu com uma experiência que fortaleceu o alcance e a eficiência de suas ações.

Além de aprovar a criação do movimento, o encontro em Cascavel começou a delimitar as bandeiras básicas do MST. Na visão dos ativistas, questões como a mecanização da agricultura e o estímulo a grandes projetos desenvolvimentistas resultam em aumento na concentração da propriedade em poucas pessoas, sufocando os pequenos e médios produtores e disparando a pobreza e o êxodo rural. Além da distribuição de terra (“Sem reforma agrária não há democracia”, pregam os integrantes desde o primeiro congresso, ocorrido em Curitiba em 1985), a defesa do socialismo e a promoção de mudanças profundas na sociedade brasileira sempre estiveram no espírito da entidade. 

A promoção de acampamentos, a ocupação de latifúndios e de terras em processo de desapropriação logo deram grande visibilidade ao movimento. Sua presença ostensiva no movimento Diretas Já, que lutava pela redemocratização do Brasil e o fim do regime militar, também consolidou o MST como um dos principais atores em um momento de efervescência dos movimentos sociais. Após décadas de militância e luta pela democracia no campo e na cidade, o MST está hoje formalmente presente em 24 estados do Brasil, com assentamentos que somam cerca de 350 mil pessoas.

Compartilhe

One Response

  • PARABÉNS AOS MST. TENHO COMIGO QUE SEJA O ÚNICO VERDADEIRO MOVIMENTO NA LUTA ELA CONSTRUÇÃO DA DEMOCRACIA NO BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *