União Europeia exige reforma trabalhista na Espanha para legalizar demissões injustificadas

A União Europeia (UE) anunciou na quarta-feira (15) que exigirá que o governo espanhol realize uma reforma trabalhista no país para legalizar as demissões injustificadas. O objetivo seria reduzir os custos das indenizações aos funcionários demitidos. A medida vem sendo chamada pelos dirigentes europeus de “contrato único”. As informações são do portal Telesur.

O comissário europeu de Empregos, László Andor, em visita a Madri, afirma que o país precisa tomar medidas drásticas agora e “a longo prazo” para driblar o problema do desemprego. O contrato único seria essa saída. “Muitas vezes, é preciso realizar mudanças legislativas para encontrar uma solução para o problema”, analisa.

A UE lamentou que o governo espanhol tenha caracterizado como “inconstitucional” a proposta de contrato único – em primeira instância, tanto base governista quanto oposição refutaram o projeto.

O argumento utilizado pelos dirigentes da UE é que a proposta diminuiria as contratações temporárias e traria uma nova modalidade de vínculo empregatício, que poderia remunerar os trabalhadores de forma mais sustentável aos empregadores.

No entanto, os sindicatos espanhóis acreditam que a medida é uma antiga fórmula neoliberal, em “que o custo da demissão é reduzido de acordo com o interesse patronal e põe o trabalhador em uma situação delicada, aceitando qualquer tipo de vaga profissional, pois precisam de dinheiro”.

No final de abril, o número de desempregados na Espanha superou pela primeira vez a marca de seis milhões de pessoas, ao alcançar 27,16% da população ativa no primeiro trimestre do ano. Os dados oficiais foram levantados em uma pesquisa da Enquete de População Ativa (EPA) e registram um recorde de uma série histórica iniciada em 1970.

A Espanha tem atualmente 6.202.700 desempregados, depois que, nos três primeiros meses do ano, o contingente de pessoas sem trabalho aumentou em 237.400.

Explicações

Uma das explicações para os maus resultados na política de emprego e no dinamismo econômico do país é creditada por políticos de oposição e economistas às enormes somas derramadas no sistema financeiro mundial pelos principais bancos centrais. Se, por um lado, elas têm aliviado a pressão do mercado de títulos na Espanha, os cortes coordenados pelo governo em Madri para gastar na recuperação da confiança dos investidores têm deixado o país em profunda recessão.

O colapso de um boom imobiliário impulsionado pelo crédito barato causou milhões de demissões no setor de construção civil desde 2009, enquanto o setor de serviços privados, responsável por quase metade do Produto Interno Bruto (PIB), seguiu a mesma direção, com os espanhóis apertando os cintos e o investimento despencando.

[divide]

Fonte: Opera Mundi, com alterações
Data original da publicação: 15/05/2013

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *