Trabalho doméstico vale 10 trilhões de dólares não pagos a mulheres anualmente

Fotografia: Thinkstock

Lavar, limpar, cozinhar, passar, cuidar. Se essa sequência de verbos lançou a imagem de uma mulher realizando as referidas ações, é porque esse padrão vem sendo suscitado há séculos no imaginário coletivo – de preferência, sem reconhecimento financeiro. A prova? Esse trabalho vale mais de 10 trilhões de dólares por ano, um valor ignorado ou mal pago pela sociedade.

É o que demonstra o Relatório Tempo de Cuidar, divulgado pela organização Oxfam neste domingo 19, que aponta, em números e histórias, como o trabalho doméstico e de cuidados é colocado em uma segunda categoria de relevância dentro das políticas públicas e das economias globais.

A quantidade de meninas e mulheres que, desde cedo, dedicam o seu tempo para afazeres domésticos ou cuidados com crianças e idosos é alto, mas chamar a atenção deve vir primeiro pelo valor ignorado de todo o trabalho.

É dessa forma que Katia Maia, diretora da Oxfam Brasil, acredita que seja melhor divulgar os dados inéditos apresentados. O relatório é liberado no Fórum Econômico Mundial de Davos, que começa no próximo dia 21, há cinco anos.

“Lançamos em Davos porque é a reunião que junta o poder econômico do mundo. A gente vem mostrando como existe cada vez mais uma concentração, uma desigualdade extrema que não tem sido solucionada”, diz a diretora. “Essa importância econômica não é contabilizada nos PIBs (Produto Interno Bruto), por exemplo. Como a gente vive em um mundo monetizado, as coisas só passam a ser importantes quando temos um valor.”, critica.

O relatório acrescenta que há a prevalência de meninas e mulheres mais marginalizadas realizando trabalhos não pagos. “Na base da pirâmide econômica, mulheres e meninas, principalmente as que vivem em situação de pobreza e pertencem a grupos marginalizados, dedicam gratuitamente 12,5 bilhões de horas todos os dias ao trabalho de cuidado e outras incontáveis horas recebendo uma baixíssima remuneração por essa atividade”, destaca o texto.

O cenário, para Katia Maia, é muitas vezes favorável aos governos e empresas, que não precisam mexer em vespeiros – como a taxação da parcela mais rica – quando o assunto é valorização de outras cargas de trabalho feminino. “As medidas para solucionar as crises econômicas e fiscais no Brasil apertam sempre as políticas sociais, reduzindo salários e cortando direitos dos trabalhadores. O enxugamento nunca vem de onde precisa, que é dos super-ricos”, diz.

Só no Brasil, cerca de 77 milhões de pessoas dependerão de cuidado em 2050, diz o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ignorar o trabalho não pago das mulheres, porém, pode ser uma prática agravada com o envelhecimento da população e com as mudanças climáticas, que afetarão a lógica de vida de milhões de pessoas.

“Enquanto a elite rica e poderosa tem recursos que podem poupá-la dos piores efeitos dessas crises, não se pode dizer o mesmo dos que vivem em situação de pobreza e não têm o mesmo poder […] O colapso climático já está impondo um ônus mais pesado às mulheres. Estima-se que cerca de 2,4 bilhões de pessoas viverão em áreas sem água suficiente até 2025, o que significa que mulheres e meninas serão forçadas a caminhar distâncias cada vez maiores para encontrá-la”, destaca o estudo.

Para Katia Maia, pensar o Brasil nesse contexto deve considerar o recorte racial, que coloca as mulheres negras na base da pirâmide do trabalho doméstico não pago. Com o conservadorismo moral forte no governo Bolsonaro, Maia teme uma imobilidade social para quem, há inúmeras gerações, cuida de homens e mulheres que prosperam economicamente.

“Se a gente está com governos com uma mensagem ultraconservadora, temos mais dificuldade pra fazer a mudança cultural necessária. As pessoas passaram séculos vendo a “mulher do lar”. Esse cuidado invisível do trabalho doméstico e do cuidado, que é não remunerado ou mal pago, tem um valor econômico que não é repassado”, analisa Maia. “Esse tema é invisível. A crise da prestação de cuidados é eminente”, diz. 

Confira o relatório completo.

Fonte: Carta Capital
Texto: Giovanna Galvani
Data original da publicação: 20/01/2020

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *