‘The Guardian’: Fazenda da Waitrose utiliza trabalho escravo e vende para JBS

O jornal britânico The Guardian traz em sua edição da terça-feira (06/06) uma matéria sobre denúncia de trabalho escrevo em uma fazenda da empresa de carnes Waitrose (do Reino Unido).

A reportagem diz a empresa já está retirando seus produtos das prateleiras dos supermercados brasileiros depois de uma investigação do jornalista do Guardian e jornalistas brasileiros, relacionando estas carnes ao trabalho escravo nas fazendas de gado.

Os documentos obtidos pelo Guardian e um repórter do Brasil mostram que a JBS, uma das maiores empresas de carne do mundo, comprou anteriormente gado desta fazenda sob investigação federal por usar trabalhadores como escravos. JBS diz que deixou de comprar na fazenda ao descobrir o suposto vínculo com abusos trabalhistas.

JBS diz que deixou de comprar na fazenda ao descobrir o suposto vínculo com abusos trabalhistas

A empresa exporta produtos de carne para 150 países ao redor do mundo. O seu produto é utilizado em conservas de *corned beef vendidas pelos principais nomes da indústria alimentícia, incluindo Waitrose, Marks & Spencer, Co-Op, Sainsbury’s, Lidl e Princes.

A JBS também fornece indiretamente ao NHS, através da Marillo Foods Limited. No ano passado, o NHS forneceu 162 containers com 36 mil unidades de corned beef de Marillo.

De acordo com documentos oficiais vistos pelo Guardian e repórteres do Brasil, a JBS pagou dois milhões de libras esterlinas entre 2013 e 2016 para bovinos criados em uma fazenda no estado do Pará, no norte, onde os promotores afirmam que os trabalhadores estavam sujeitos à escravidão, conforme os termos definidos na legislação brasileira.

Em uma série de incursões em junho de 2016, os promotores disseram que policiais federais descobriram homens forçados a viver em condições desumanas e degradantes, sem abrigo e sem banheiros e até sem água potável. Os promotores acreditam que os trabalhadores estavam em dívida, sendo pagos com alimentos e tendo seus equipamentos ilegalmente deduzidos de seus salários.

O dono da fazenda, Antônio José Junqueira Vilela Filho, já havia sido multado em 119 milhões de reais (£ 29 milhões) por desmatamento de uma área de floresta quase equivalente ao tamanho do centro de Londres.

Em resposta às alegações do The Guardian, a JBS disse que a fazenda não estava incluída na “lista negra” oficial do governo de empresas conhecidas por usar trabalho escravo. JBS acrescentou que tinha cessado a compra da fazenda após as invasões.

*O corned-beef é carne de bovino inicialmente tratada em salmoura e posteriormente fervida em vinagre em fogo lento.

[gap]

Fonte: Jornal do Brasil
Data original da publicação: 06/06/2017

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *