Sem trabalhadores, não teríamos democracia: uma entrevista com Evelyne Huber

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Discussões sobre o estado da democracia se tornaram, de repente, bastante raivosas. E não é difícil entender o porquê: Bolsonaro no Brasil, Trump nos EUA, Erdoğan na Turquia, Orbán na Hungria – todos apontam para um ressurgimento do autoritarismo e uma diminuição das formas democráticas. Mas não podemos entender o atual recuo sem antes entender como a democracia em massa surgiu.

Em Capitalist Development and Democracy, publicado pela primeira vez em 1992, um trio de eruditos (Evelyne Huber, John Stephens e Dietrich Rueschemeyer) fazem um exame abrangente da ascensão da democracia no século XX em três regiões: Europa, América do Norte e América Latina e Caribe. Rompendo com a história convencional, eles argumentam que o capitalismo tem sido crucial para a ascensão da democracia não por causa de sua simbiose natural com o governo popular, mas porque rompe as estruturas de poder tradicionais e gera uma classe trabalhadora maior e mais organizável. “O capitalismo”, escrevem eles, “cria pressões democráticas, apesar dos capitalistas, não por causa deles.”

Huber e seus coautores prestam especial atenção em como as distribuições de poder, tanto nacional quanto internacionalmente, abriram ou fecharam as lutas democráticas. Se um país estivesse na periferia da ordem política global, por exemplo, os movimentos de reforma interna poderiam ser minados pelas ações de poderosos atores externos (como os Estados Unidos). Se um país tivesse uma pequena classe trabalhadora devido à falta de desenvolvimento, acabava tendo formas limitadas de governo democrático, na melhor das hipóteses. Em outras palavras, os países com democracias fracas não sofriam (e não sofrem) de algum tipo de deficiência cultural, mas sim “constelações de poder” que amorteceram a capacidade de “grupos subordinados” (como trabalhadores e minorias raciais) pressionar por sua inclusão no processo político.

O livro é uma poderosa resposta aos equívocos sobre a história e o significado da democracia. E contém uma percepção vital: “A classe trabalhadora”, escrevem os três estudiosos, “era a força mais pró-democrática.”

Huber, uma eminente professora de ciência política na Universidade da Carolina do Norte, conversou recentemente com o editor associado da Jacobin, Shawn Gude, sobre o livro e o que ele nos diz sobre o passado, presente e futuro da democracia.

Shawn Gude: A palavra “democracia” é muito usada, mas significa coisas diferentes para pessoas diferentes. Você e seus coautores escrevem na introdução de Capitalist Development and Democracy: “Nossa premissa mais básica é que a democracia é acima de tudo uma questão de poder.” Você poderia explicar o que quis dizer e como isso influencia a maneira como você aborda o estudo da democracia?

Evelyne Huber: A democracia, comparada com a autocracia, significa uma maior dispersão do poder político, um movimento em direção a uma menor desigualdade política e em direção a uma situação de “uma pessoa, um voto”, em que o resultado não é certo.

As elites autocráticas não abandonam voluntariamente seu poder político – elas só o fazem se pressionadas por aqueles que são excluídos do poder político. Portanto, temos que entender “constelações de poder” se quisermos entender as chances de instalação e sobrevivência da democracia. As constelações de poder que olhamos são as relações de poder na sociedade civil, entre a sociedade civil e o Estado, e na economia e sistema internacional de estados.

O equilíbrio de poder dentro da sociedade civil depende do poder organizacional de grupos subordinados (por exemplo, trabalhadores). O poder no sistema internacional, tanto a economia internacional quanto a política, molda as estruturas de classe e, portanto, as alianças de classe internamente, o que também molda as pressões externas.

Tomemos o exemplo da América Latina. A posição da América Latina na economia internacional como exportadora de matéria-prima limitava o grau de industrialização e, portanto, o tamanho e a força da classe trabalhadora.

Além disso, a influência dos Estados Unidos no decorrer do século XX funcionou sistematicamente contra a democracia na América Latina. Qualquer tipo de reforma socioeconômica séria era rotulada de “comunista” e os opositores desses governos reformistas eram apoiados pelos Estados Unidos.

Começou com o golpe contra Jacobo Árbenz na Guatemala em 1954. Árbenz foi o segundo presidente democrático que a Guatemala já teve e estava implementando uma reforma agrária que perturbou a United Fruit Company. Eles alegaram, nos Estados Unidos, que ele era um comunista, o que não tinha base de fato. No entanto, a CIA organizou e financiou uma força de invasão armada, liderada por Castillo Armas, que se tornou o primeiro de muitos ditadores.

Essa foi a primeira de muitas dessas ações: a intervenção na República Dominicana em 1965, o golpe no Chile em 1973 e a Guerra dos Contras na Nicarágua na década de 1980.

Ao longo de toda a Guerra Fria, os Estados Unidos intervieram total e sistematicamente para minar – ou, no pior dos casos, derrubar – governos progressistas e reformistas, mesmo que fossem eleitos democraticamente.

Hoje em dia, é comum ver os trabalhadores retratados como uma ameaça à democracia e os mais instruídos e abastados como guardiões das normas democráticas. Mas essa narrativa está em desacordo com o registro histórico. Você pode nos levar através dessa história? Quais grupos sociais foram os partidários mais ardorosos da democracia?

Evelyne Huber: Os principais atores no avanço das democracias de massa na Europa e na América do Norte foram os trabalhadores organizados, em aliança com pequenos agricultores ou setores da classe média, dependendo do país. Na América Latina, o papel de liderança foi desempenhado pelas classes médias, mas novamente a democracia plena foi alcançada somente onde havia uma forte presença da classe trabalhadora.

Na onda mais recente, a terceira onda de democracia na América Latina, o trabalho organizado não desempenhou o papel principal, pois os sindicatos haviam sido severamente enfraquecidos pela repressão e pelo “ajuste estrutural” que levaram à desindustrialização e ao encolhimento do setor público. Em parte, os regimes autoritários se autodestruíram (por exemplo, na Argentina) e, em parte, foram pressionados por uma variedade de grupos, incluindo movimentos sociais de pobres e minorias, bem como grupos de classe média.

Na Ásia, Coreia do Sul e Taiwan se encaixam muito bem no modelo. O que você conseguiu foi o desenvolvimento econômico, a sindicalização e o protesto sindical (particularmente na Coreia do Sul) que levou à democratização. Na Coreia do Sul, você tem uma sociedade civil bastante forte que mantém o sistema político democrático.

Olhando para a África Subsaariana, o problema hoje é ainda um baixo nível de desenvolvimento e, portanto, um grau comparativamente baixo de organização da sociedade civil. O outro problema é que em muitos países você tem sociedades etnicamente divididas, e mobilização e partidos baseados na etnicidade – isso não constitui um terreno muito favorável para a política democrática.

Enquanto os trabalhadores estavam preparados para apoiar as lutas democráticas, nunca era inevitável que eles o fizessem em massa. Qual tem sido o papel dos sindicatos, partidos e outras organizações de “classes subordinadas” no avanço da democracia?

Evelyne Huber: A chave aqui é a construção social dos interesses de classe. Apenas compartilhar a mesma posição na estrutura econômica e social não significa que as pessoas percebam interesses comuns e que se organizarão para defender esses interesses. O que importava historicamente eram os atores que mobilizavam a maior parte das classes trabalhadoras.

Onde esses atores eram partidos social-democratas e sindicatos ligados a esses partidos, eles lutavam pela democracia. Então a ideologia dos líderes importava. Onde os atores eram líderes sindicais anarquistas, eles não se juntaram a essa luta. Onde esses atores eram líderes populistas (por exemplo, o argentino Juan Perón), eles não eram necessariamente democráticos, mas interessados em construir uma base de poder melhorando a situação dos trabalhadores e depois mantendo o poder, mesmo de formas não democráticas.

Você e seus coautores ligam a ascensão da democracia à ascensão do capitalismo. Mas, novamente, a concepção dominante – que frequentemente iguala o capitalismo de livre mercado à própria democracia – erra, em um nível empírico. Qual tem sido a conexão entre democracia e capitalismo, historicamente?

Evelyne Huber: A conexão foi que o capitalismo trouxe industrialização e urbanização, que juntos facilitaram a organização de grupos subordinados. Organização é uma fonte de poder – na verdade, é a fonte de poder para aqueles sem poder econômico.

Populações rurais, particularmente aquelas em posições dependentes de grandes proprietários, são notoriamente difíceis de organizar. As pessoas que trabalham juntas em fábricas, minas ou ferrovias são mais fáceis de alcançar e mais receptivas a mensagens que aumentam sua conscientização sobre sua posição socioeconômica e apontam caminhos possíveis para melhorar essa posição.

Assim, outra consequência do capitalismo e da industrialização era transformar as relações de trabalho rurais e enfraquecer os grandes proprietários de terras economicamente, e portanto politicamente, a longo prazo. Grandes latifundiários dependentes de uma força de trabalho barata e grande historicamente têm sido inimigos decisivos da democracia, por razões óbvias. A industrialização criou alternativas para o trabalho rural na forma de migração para as cidades.

A urbanização também facilitou a organização de classes médias em associações profissionais e culturais. Como observei anteriormente, o que importava era quem fazia a mobilização política e organizadora.

Ao mesmo tempo, a mudança no centro de acumulação da agricultura para a indústria, comércio e finanças criou novos setores de elite competindo pelo poder político com os grandes proprietários de terra. O desenvolvimento da competição de elite e alianças de curso foi diferente em diferentes países. Em muitos países, novas e velhas elites se casaram. Ainda assim, a questão é que a dominação sobre uma grande força de trabalho rural barata tornou-se cada vez menos necessária para manter a riqueza e o status, e assim um obstáculo fundamental à democracia foi reduzido em importância.

Vamos avançar para hoje. A direita e a extrema direita estão surgindo em todo o mundo e a democracia em muitos lugares está sofrendo erosão. O que explica essa mudança radical?

Evelyne Huber: É, de um lado, a crescente divisão entre os “vencedores” e os “perdedores” da globalização e a transição para a economia do conhecimento e, de outro, o declínio das organizações solidárias entre as classes média e trabalhadora. Isso faz com que os “perdedores” sejam suscetíveis a apelos populistas de direita.

Os sindicatos, particularmente se ligados a partidos social-democratas, têm sido historicamente os principais promotores e apoiadores da democracia. A desindustrialização trouxe um declínio da filiação sindical e, portanto, força, em todas as sociedades pós-industriais e na América Latina, na esteira da abertura de suas economias.

Portanto, os sindicatos não são capazes de servir como portadores efetivos de uma mensagem solidária para a maior parte da classe trabalhadora. Em vez disso, trabalhadores não qualificados em situações precárias de mercado de trabalho na economia do conhecimento tornam-se disponíveis para serem mobilizados por líderes populistas de direita que criam um senso de identidade e solidariedade de “nós contra eles” e prometem um retorno a um presumivelmente passado melhor.

Há muitos países, particularmente no mundo em desenvolvimento, que ainda têm formas fracas de democracia, e há retrocessos autoritários em outros lugares. No entanto, por algumas medidas, a classe trabalhadora é tão grande quanto já foi. Quão esperançosos devemos ser sobre o futuro da democracia?

Evelyne Huber
: A classe trabalhadora é mais atomizada e diferenciada nas sociedades pós-industriais. Mesmo nas sociedades em desenvolvimento, a economia informal cresceu e, assim, criou grupos maiores que são muito difíceis de organizar. Os sindicatos têm diminuído em todos os lugares, tanto em membros quanto em porcentagem de pessoas na força de trabalho. Os partidos tradicionais da classe trabalhadora perderam as ações de voto nas sociedades pós-industriais.

Outros movimentos sociais podem compensar, até certo ponto, o declínio dos sindicatos. Assim, a tarefa é fortalecer as organizações da sociedade civil e os partidos políticos com um compromisso com a democracia e a equidade, a fim de manter o futuro da democracia brilhante.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Fonte: Jacobin
Texto: Shawn Gude
Tradução: DMT
Data original da publicação: 20/01/2019[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *