Quase 30% dos trabalhadores migrantes do mundo estão no continente americano, diz OIT

Quase 30% do total de trabalhadores migrantes do mundo estão concentrados no continente americano, e esse número tem aumentado rapidamente, disse o especialista regional em emprego para juventude e migração laboral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guillermo Dema, durante o Seminário Regional de Cooperação Sul-Sul sobre a Proteção dos Direitos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Migrantes na América Latina e no Caribe, realizado na semana passada.

“Enquanto em 2010 havia 25,1 milhões de trabalhadores migrantes na América do Norte e 3,2 milhões na América Latina e no Caribe, estes dados aumentaram para 37 milhões e 4,3 milhões, respectivamente, em 2015, ou seja, um aumento de mais de 13 milhões de trabalhadores migrantes no continente americano em apenas cinco anos”.

Dema destacou a tendência crescente de feminização da migração laboral na América Latina e no Caribe. Segundo ele, quase 53% dos migrantes em idade ativa (entre 20 e 64 anos) identificados no continente americano são mulheres.

“Também é notável a alta participação das mulheres migrantes na força de trabalho dos países de destino na região, que é de 55,7%, maior que a de mulheres que não são migrantes, que é de 54%. Na América do Norte essa diferença é ainda maior: a participação das mulheres migrantes na força de trabalho é de 67,8%, comparado com 55,8% das não-migrantes”, disse o especialista regional da OIT.

Segundo estimativas da OIT, existem mais de 150 milhões de trabalhadores migrantes no mundo, dos quais quase 67 milhões são mulheres. Mais de 35% das trabalhadoras migrantes na América Latina e no Caribe são trabalhadoras domésticas, comparado com 2,6% dos trabalhadores migrantes homens, de acordo com Dema.

Ele adicionou ainda que a migração irregular, a informalidade e as condições de trabalho precárias são os principais desafios enfrentados pelos países da América Latina e do Caribe no tema da migração laboral.

[gap]

Fonte: ONU Brasil
Data original da publicação: 18/03/2016

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *