Por que os super-ricos estão ficando cada dia mais ricos

Fotografia: Emma McIntyre/Getty Images

Bilionários como Jeff Bezos não são obscenamente ricos porque trabalham mais ou são mais inovadores. Eles são obscenamente ricos porque seus impérios corporativos drenam os recursos e os dados da sociedade – e todos nós estaríamos melhor sem eles.

Grace Blakeley

Fonte: Jacobin Brasil
Tradução: Caue Seignemartin Ameni
Data original da publicação: 27/07/2020

Na semana passa, o CEO da Amazon, Jeff Bezos, viu o maior aumento de riqueza em um dia já registrado para um único indivíduo na terra. Em apenas um dia, sua fortuna aumentou em US$ 13 bilhões. Nas tendências atuais, ele está no caminho de se tornar o primeiro trilionário do mundo até 2026.

As pessoas de direita argumentam que a riqueza extrema é fruto do trabalho duro, da criatividade e da inovação que beneficia a sociedade. Mas a desigualdade de riqueza e renda aumentou dramaticamente nas economias mais avançadas nos últimos anos. Hoje, os mais ricos são muito mais ricos do que eram há várias décadas, embora não pareça que eles estejam trabalhando mais.

Economistas da mídia fazem uma versão mais sutil desse argumento. Eles afirmam que o aumento dramático da desigualdade de renda foi impulsionado pela dinâmica da globalização e pelo aumento das “estrelas”. As empresas e os executivos corporativos estão agora competindo em um mercado global de capital e talento; portanto, as recompensas no topo são muito maiores – mesmo quando a concorrência também restringe os salários de muitos no final da distribuição.

De acordo com essa visão, altos níveis de desigualdade são uma recompensa pela alta produtividade. As empresas mais produtivas atrairão mais investimento do que suas concorrentes menos produtivas, e seus gerentes, que estão executando um trabalho muito mais complexo do que aqueles que gerenciam empresas menores, serão recompensados de acordo.

Mas aqui novamente a narrativa encalha quando entra em contato com a realidade. A produtividade não aumentou ao lado da desigualdade nos últimos anos. Nos EUA e no Reino Unido, a produtividade se estabilizou desde a crise financeira de 2008 – e nos EUA, vem diminuindo desde a virada do século.

Há outra explicação para os enormes lucros das maiores corporações do mundo e as enormes fortunas dos super-ricos. Não é maior produtividade. Não é a globalização. Mas o aumento do poder do mercado global.

Muitas das maiores empresas de tecnologia do mundo se tornaram oligopólios globais e monopólios domésticos. A globalização desempenhou um papel aqui, é claro – muitas empresas domésticas simplesmente não podem competir com multinacionais globais. Mas essas empresas também usam seu tamanho para reduzir salários, evitar impostos e arrancar vantagens de seus fornecedores, além de pressionar os governos a fornecer tratamento preferencial.

Jeff Bezos e Amazon são um exemplo disso. A Amazon se tornou a maior empresa da América por meio de práticas anticoncorrenciais que a colocaram em problemas com as autoridades que regulam a concorrência da União Europeia. As práticas de trabalho em seus armazéns são notoriamente apavorantes. E um estudo do ano passado revelou que a Amazon é uma das “entidades mais agressivas que evitam impostos” do mundo.

Parte da razão pela qual a Amazon tem se esforçado tanto para manter sua posição monopolista é que seu modelo de negócios depende de efeitos de rede que só são obtidos em uma determinada escala. Empresas de tecnologia como a Amazon ganham dinheiro monopolizando e depois vendendo os dados gerados pelas transações em seus sites.

Quanto mais pessoas se inscreverem, mais dados serão gerados; e quanto mais dados gerados, mais úteis são esses dados para quem os analisa. A monetização desses dados é o que gera a maior parte dos retornos da Amazon: o Amazon Web Services (AWS) é a parte mais rentável dos negócios.

Longe de representar sua utilidade social, o valor de mercado da Amazon – e a riqueza pessoal de Bezos – reflete seu poder de mercado. E o crescente poder de mercado de um pequeno número de empresas maiores reduziu a produtividade. Essa concentração também restringiu o investimento e o crescimento dos salários, uma vez que essas empresas simplesmente não precisam competir por trabalho, nem são forçadas a inovar para competir com seus rivais.

É muito mais provável que eles usem seus lucros para recomprar suas próprias ações ou adquirir outras empresas que aumentarão sua participação no mercado e lhes darão acesso a mais dados. A recente aquisição da Whole Foods pela Amazon provavelmente será a primeira de muitas dessas mudanças feitas por empresas de tecnologia. Em vez da lógica darwiniana de competir ou morrer, as empresas de tecnologia enfrentam um imperativo diferente: expandir ou morrer.

Os Estados estão apoiando essa lógica com uma política monetária excepcionalmente flexível. As baixas taxas de juros facilitam o empréstimo de grandes empresas para financiar fusões e aquisições. E a flexibilização quantitativa – desencadeada em uma escala sem precedentes para combater a pandemia – serviu simplesmente para elevar os preços das ações, especialmente para as grandes empresas de tecnologia.

À medida que mais áreas de nossas vidas ficam sujeitas ao poder da grande tecnologia, a fortuna de pessoas como Bezos continuará aumentando. Sua riqueza crescente não representará uma recompensa pela inovação ou criação de empregos, mas pelo poder de mercado, que lhes permitiu aumentar a exploração de sua força de trabalho, arrancar vantagens de fornecedores e evitar impostos.

A única maneira real de combater essas desigualdades é democratizar a propriedade dos meios de produção e começar a devolver ao povo as principais decisões de nossa economia. Espera-se que mesmo os social-democratas, que não adotam políticas transformadoras, pudessem adotar medidas como um imposto sobre a riqueza.

“Reconstruir melhor” após a pandemia será impossível sem esse imposto – e a grande maioria dos eleitores trabalhistas e conservadores apóia essa abordagem no Reino Unido por exemplo, segundo uma pesquisa recente. Mas, no entanto, parece que a liderança do Partido Trabalhista está se afastando da ideia.

Em uma entrevista, perguntaram-me por que deveríamos nos preocupar com a riqueza de Jeff Bezos, se isso melhora a situação de todos. Mas as desigualdades extremas geradas pelo capitalismo moderno estão tornando óbvio algo que os marxistas conhecem há décadas: os super-ricos geram sua riqueza às custas dos trabalhadores, do planeta e da sociedade como um todo.

Em uma sociedade racional e justa, os vastos recursos de uma pequena elite seriam utilizados para resolver nossos dramáticos problemas sociais.

Grace Blakeley é pesquisadora do Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas (IPPR).

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *