Políticas de emprego que oferecem subsídios generosos aos desempregados criam mais felicidade – para todos

Ilustração: DJVstock/Getty Images

Alguns tipos de políticas trabalhistas resultam em mais felicidade do que outras?

Robson Hiroshi Hatsukami Morgan e Kelsey O’Connor

Fonte: The Conversation
Tradução: DMT
Data original da publicação: 06/11/2020

Sem dúvida, perder o emprego deixa alguém menos feliz. Essa é uma sensação que dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo estão experimentando neste momento. Mesmo com a recuperação do mercado de trabalho, como vimos no último relatório de emprego dos EUA em 6 de novembro, o número de pessoas que ficaram sem emprego por mais de 26 semanas continua a aumentar.

Diferentes governos implementaram uma ampla variedade de políticas de mercado de trabalho para enfrentar o impacto da pandemia, desde aumentar o financiamento das políticas de desemprego existentes, até programas de renda suplementar, como os cheques de US$ 600 que os EUA enviaram durante parte da pandemia.

Embora essas políticas tenham como objetivo aliviar o sofrimento econômico de perder o emprego, nós, como pesquisadores da felicidade , estamos mais interessados em como elas podem afetar o bem-estar das pessoas durante a pandemia.

Em termos gerais, alguns tipos de políticas trabalhistas resultam em mais felicidade do que outras?

Medindo felicidade

A resposta a essa pergunta depende da ciência da felicidade, uma área nova e florescente de pesquisa em ciências sociais.

Cientistas sociais como nós usam métodos estatísticos para analisar dados coletados em pesquisas que pedem às pessoas que relatem seu nível de felicidade com base em como elas sentem que sua vida está indo. Isso nos permite compreender melhor as causas e consequências da felicidade.

Talvez os resultados mais conhecidos de todo esse trabalho sejam os rankings globais de felicidade que são publicados a cada ano, por meio dos quais as pessoas descobriram, por exemplo, como a vida é maravilhosa na Escandinávia. Na verdade, mais e mais países e organizações estão medindo a felicidade e aprimorando políticas como resultado.

Embora os indicadores econômicos, como desemprego e produto interno bruto, pintem um quadro desolador da vida neste momento, a perda de felicidade é provavelmente ainda maior do que a implícita nos dados de crescimento e empregos, pois esses indicadores não capturam os custos psicológicos. Mesmo aqueles que não estão doentes ou desempregados enfrentam angústia significativa como resultado de medos relacionados à pandemia ou ao isolamento social.

A pesquisa mostra que esses fatores são prejudiciais para a sensação de bem-estar.

Embora a preocupação com a felicidade possa parecer trivial quando tantas pessoas perdem suas vidas, a deterioração do bem-estar pode criar um ciclo vicioso. Medo, desespero, depressão e isolamento desencadeiam piores resultados de saúdeeconômicos e sociais que, por sua vez, reforçam os sentimentos negativos.

Esse ciclo prolonga a recuperação e pode levar ao aumento das taxas de suicídio e mortes por desespero.

Portanto, em uma época de grande estresse e isolamento social forçado, encontrar maneiras de ajudar as pessoas a se manterem positivas e saudáveis é extremamente importante. E com base em nossa pesquisa, acreditamos que uma maneira de fazer isso é com a política correta de mercado de trabalho.

Bem-aventurança do mercado de trabalho

As políticas relevantes do mercado de trabalho podem ser divididas, de forma geral, em três tipos.

O primeiro oferece suporte para pessoas que ficam desempregadas na forma de reposição de renda ou programas de treinamento. Um exemplo disso é o seguro-desemprego, que oferece benefícios a trabalhadores qualificados quando perdem o emprego.

O segundo tipo restringe a demissão de funcionários, uma política comum na Europa que garante a segurança do emprego em certa medida. Ambas as políticas têm como objetivo proteger os trabalhadores de choques individuais e da deterioração das condições do mercado de trabalho em uma recessão.

A terceira inclui medidas temporárias decretadas em épocas extraordinárias, como licença de funcionários: isto é, mantê-los em seus empregos com remuneração reduzida, mas com assistência governamental. O Reino Unido implementou essa política no início da pandemia, com a ideia de que permitiria que as economias se recuperassem rapidamente da COVID-19, essencialmente congelando a economia existente; após isso as pessoas poderiam rapidamente retornar aos seus empregos.

Para se ter uma ideia melhor de como essas políticas de mercado de trabalho afetam o bem-estar, estudamos como a felicidade mudou em 23 países europeus após a Grande Recessão que resultou da crise financeira de 2008-2009.

Descobrimos que os países que tinham políticas de substituição de renda mais generosas experimentaram, em média, menores perdas de felicidade. A Dinamarca e a Irlanda, por exemplo, que experimentaram algumas das menores quedas, ambas tiveram uma reposição de renda generosa e programas de treinamento para os desempregados.

Grécia, Itália e vários outros países mediterrâneos, por outro lado, que sofreram algumas das maiores quedas de felicidade no período, ofereciam relativamente pouco apoio à renda para os desempregados e tinham uma legislação rígida de proteção ao emprego.

Talvez o mais surpreendente seja que as políticas que protegiam explicitamente os funcionários – como restrições a demissões – não pareceram fazer um bom trabalho em manter as pessoas felizes. Por exemplo, a Grécia e a Itália dependiam desse tipo de política para proteger seus trabalhadores, mas, mesmo assim, sofreram grandes perdas de felicidade.

Acreditamos que a razão é que essas políticas tornam mais difícil demitir funcionários. Isso desencoraja a contratação em uma recessão, porque os empregadores sabem que não poderão dispensar a pessoa facilmente se as condições se agravarem. Assim, as empresas adiam as contratações, o que torna mais difícil para as pessoas que procuram emprego encontrar um e aumenta a preocupação com o desemprego. De fato, pesquisas anteriores indicam que o alto desemprego durante as recessões deve-se mais às reduções nas contratações do que às demissões iniciais.

Apoiando o bem-estar

Então, o que isso nos diz sobre a situação atual?

Nossa pesquisa sugere que reiniciar políticas como o suplemento de US$ 600 que o governo dos EUA ofereceu aos desempregados até o fim do financiamento no final de julho é a abordagem ideal para apoiar o bem-estar dos cidadãos. Outra boa estratégia é oferecer programas de treinamento profissionalizante para ajudar as pessoas a encontrar novos empregos.

Políticas que prendem as pessoas a empregos, como a abordagem de licença adotada no Reino Unido, podem fazer mais mal do que bem, pois podem limitar a capacidade das empresas de fazer as contratações necessárias para fazer os ajustes durante essa situação sem precedentes.

Isso aumentará as preocupações com relação ao desemprego, prejudicará as pessoas que ficarem desempregadas e, potencialmente, retardará a recuperação econômica ao limitar a capacidade do mercado de trabalho de se adaptar a um mundo pós-pandêmico.

Robson Hiroshi Hatsukami Morgan é Professor Assistente de Ciências Sociais na Minerva Schools at KGI.

Kelsey O’Connor atua no National Institute for Statistics and Economic Studies (Luxemburgo).

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *