Pandemias podem gerar ondas de greve

Trabalhadores em greve deixam um estaleiro em Seattle, 1919. Fotografia: Webster & Stevens/Museum of History and Industry

Nos debates sobre a última pandemia global, a “Gripe Espanhola”, nunca ouvimos falar sobre onda de greves que começou exatamente ao mesmo tempo. Em 1919, houve uma explosão de greves. Não devemos nos surpreender se a militância e a classe trabalhadora se insurgir durante a pandemia do coronavírus.

Joshua Freeman

Fonte: Jacobin Brasil
Tradução: Victor Alexander
Data original da publicação: 06/05/2020

Raramente se nota que a maior explosão da militância trabalhista da história dos Estados Unidos, a onda de greves de 1919, se sobrepôs à pior crise de saúde da história do país, a pandemia gripal da Gripe Espanhola de 1918 a 1919. Quatro milhões de trabalhadores atingidos em 1919, um quinto da força de trabalho, uma proporção jamais igualada desde então.

Em setembro de 1918, cerca de 300.000 trabalhadores deixaram o emprego na primeira greve nacional do aço, assumindo seu poder sobre as corporações mais poderosas do país. Em novembro, cerca de 400.000 mineiros de carvão se mobilizaram, desafiando um apelo do presidente Woodrow Wilson e uma liminar do Tribunal Federal.

A Revolução Russa e a crescente força do Partido Trabalhista Britânico difundiram um espírito de radicalismo em setores normalmente conservadores do movimento sindical norte-americano. Em Seattle e São Francisco, os estivadores se recusavam a carregar armas destinadas ao uso contra o novo governo russo. Os sindicatos ferroviários pediram a propriedade do governo de todas as linhas de trem. Os mineiros de carvão debateram a nacionalização de sua indústria. A grande onda de greves começou durante uma catástrofe de saúde pública.

A gripe e a insurreição trabalhista

Entre agosto de 1918 e março de 1919, o que foi chamado de Gripe Espanhola matou pelo menos 30 milhões de pessoas. Nos Estados Unidos, entre setembro de 1918 e junho de 1919, estima-se que 675.000 pessoas morreram, o equivalente a 2,1 milhões de mortes para uma população do tamanho atual dos Estados Unidos (muito perto das recentes previsões de pior cenário para fatalidades por coronavírus na ausência de medidas preventivas). A epidemia atingiu o pico em outubro de 1918, mas se intensificou novamente em dezembro e janeiro. Depois de mais uma queda, uma nova onda de gripe no início de 1920 causou ainda mais mortes.

Muitas greves de 1919 ocorreram após a epidemia ter desaparecido, mas algumas ocorreram durante ou imediatamente após. Em janeiro de 1919, durante a terceira das quatro ondas de gripe que atingiriam a cidade de Nova York, 35.000 trabalhadores costureiros – 90% do sexo feminino – saíram de seus empregos para exigir uma semana de trabalho de quarenta e quatro horas e um aumento de 15% nos salários para atender à demanda de aumento do custo de vida.

Em Seattle, a gripe foi um duro golpe, matando cerca de 1.400 pessoas, apesar do fechamento de escolas, teatros, danceterias, restaurantes, bares e a maioria dos outros locais públicos e a quarentena de bases militares próximas. A epidemia na cidade estava em sua fase final, quando 65.000 trabalhadores deixaram de trabalhar em 6 de fevereiro de 1919. Quando a greve do aço terminou oficialmente (derrotada) em janeiro de 1920, a epidemia havia começado a recuar.

Estranhamente, quase nunca são feitas conexões entre a gripe e a revolta trabalhista. As considerações sobre epidemia quase nunca mencionam o trabalho e a onda de greve, enquanto as considerações sobre trabalho e a onda de greves têm, no máximo, referências à gripe, como o uso da epidemia como uma desculpa para proibir reuniões de metalúrgicos.

Uma rápida pesquisa em jornais e revistas contemporâneos sugere que, da mesma forma, eles não costumavam vincular os dois, exceto metaforicamente. O Literary Digest descreveu, em 1919, caracterizou o levanto como “uma epidemia de greves”. O Outlook, uma revista semanal da cidade de Nova York, relatou: “A febre da greve está no ar…. A doença que atingiu nossos sistemas industriais irrompe em um lugar e desaparece em outro.” É como se as duas grandes perturbações de uma época tivessem acontecido em universos totalmente separados.

A desconexão reflete em parte o que, de nossa perspectiva atual, parece uma tendência quase bizarra de subestimar ou ignorar a epidemia de gripe na época e nas décadas que se seguiram. Em novembro de 1918, o New York Times, após duas semanas em que 9.000 moradores da cidade morreram com a doença, escreveu: “Talvez a peculiaridade mais notável da epidemia de gripe seja o fato de não ter sido observada nenhuma pista de pânico ou mesmo excitação.” O historiador Alfred W. Crosby observou que, apesar de seu enorme número de mortos, a pandemia “nunca inspirou admiração, nem em 1918 e nem depois”.

Talvez o drama da Primeira Guerra Mundial, o subsequente processo de paz e a maior familiaridade com a morte por doenças contagiosas e combates tenham conspirado para reações tediosas e o esquecimento da memória social. Quem sabia que a filha de Samuel Gompers, o líder trabalhista mais importante da nossa história, morreu com essa gripe?

De maneira notável, a vida continuou durante a epidemia. Embora houvesse esforços bastante extensos para reduzir a propagação da doença através da limitação da interação pública, eles não estavam nem perto do que estamos vivendo hoje. Aparentemente, a gripe e a militância trabalhista eram esferas separadas. Parece não ter havido greves ou outros protestos trabalhistas que diziam respeito diretamente à gripe, seu impacto sobre os trabalhadores e como os empregadores lidavam com ela (embora, aparentemente, ninguém tenha tentado estudar isso). Também não há evidências de que a epidemia tenha pesado de uma maneira ou de outra sobre o sucesso dos trabalhadores durante o grande levante.

Mas havia profundas conexões entre a epidemia de gripe e a onda de greves, enterradas sob a superfície. Guerra, globalização e crise capitalista conectaram os dois.

A escassez de mão-de-obra em tempos de guerra deu aos trabalhadores norte-americanos um poder do qual não eram acostumados, pois, o medo da perda de empregos devido à ação coletiva quase desapareceu. Ao mesmo tempo, o governo, para reunir o país em uma batalha que beneficiaria quase nenhum cidadão comum, enquadrou como uma “Guerra pela Democracia”, legitimando a noção de democratização enquanto o movimento trabalhista procurava dar a seus membros algo a dizer no mundo autocrático do trabalho.

A gripe também era um artefato de guerra. Ninguém sabe exatamente como e onde se originou, mas sua rápida disseminação resultou diretamente da mobilização militar em meio a guerras.

A epidemia ocorreu pela primeira vez nos Estados Unidos, em bases militares no Nordeste, em agosto de 1918 (embora tenha havido um aumento amplamente não observado da gripe na primavera anterior). O Exército e a Marinha aprovaram sistemas de entrega perfeitos para a disseminação de vírus. Novos recrutas foram amontoados nas bases de treinamento, muitos das áreas rurais, onde raramente foram expostos a vírus e com pouca imunidade.

Tropas viajaram pelo país para destacamentos, geralmente em trens superlotados, espalhando a doença entre si e para a população civil, entre as quais a epidemia atingiu o pico dois meses após sua primeira identificação nas Forças Armadas. Os navios das tropas transportaram a infecção para a Europa (incluindo a delegação norte-americana nas conversações de paz de Paris) e, finalmente, ao redor do mundo, em uma época em que o movimento de pessoas, mercadorias e capitais através das fronteiras nacionais justificava o termo globalização tanto quanto tais fluxos fazem hoje.

Tanto a onda de gripe quanto a greve foram manifestações do colapso da ordem existente. As rivalidades imperialistas trouxeram uma carnificina de guerra em uma escala sem precedentes. O impacto da devastação, econômica, política e social, gerou inquietação e acelerou desafios radicais, culminando na Revolução Russa e no aumento mundial do trabalhismo e da esquerda que o inspirou. Em meio ao caos e à perturbação, o vírus encontrou um lar feliz.

Antes e agora

Hoje, as condições são bem diferentes de 1919. No entanto, existem sobreposições entre o coronavírus e as pandemias de Gripe Espanhola e seus vínculos com o trabalho. Nossa pandemia atual é muito mais perturbadora do que o surto de 1918-1919 (embora ainda deva ser visto se será tão mortal). Ao contrário de 1919, os Estados Unidos e a maioria dos outros países fecharam efetivamente grande parte de suas economias para permitir o isolamento social, causando uma depressão econômica profunda e talvez duradoura.

Comparativamente, o movimento trabalhista está muito mais fraco hoje do que em 1919, saído de quase meio século de membros declinando e poder em baixa. E a relação entre protestos e gripe é muito diferente hoje do que após a Primeira Guerra Mundial.

Ao contrário de 1919, agora estamos vendo uma onda de protestos de trabalhadores que se originam diretamente da epidemia, incluindo petições, campanhas de cartas, manifestações e até greves. Como muitos empregadores tratam a saúde e a própria vida de seus trabalhadores com desprezo, deixando de fornecer aos funcionários o equipamento de proteção necessário, insistindo para que trabalhem de perto, sem enviar trabalhadores com sintomas de gripe para casa, sem desinfetar espaços contaminados, sem proibir o uso de máscaras, sem fornecer licença médica ou familiar adequada e sem oferecer uma compensação extra decente pelo trabalho com risco de vida, mais e mais trabalhadores vêm se manifestando e enfrentando isso.

As greves atingiram várias empresas, incluindo Amazon, Whole Foods, Perdue Farms e Instacart, juntamente com sistemas de ônibus em várias cidades. Questões relacionadas ao coronavírus aceleraram as campanhas de organização de sindicatos em várias empresas, inclusive no Trader Joe’s. Alguns trabalhadores exigiram que seus empregadores usassem trabalhadores ociosos e recursos para combater a epidemia, como os trabalhadores da divisão de aviação da GE que desejam que suas fábricas sejam usadas para fabricar ventiladores.

Até agora, os protestos dos trabalhadores foram pequenos em tamanho e curtos em duração. Mas as coisas podem mudar. Quando o presidente Trump divulgou os planos de começar a reabrir negócios na Páscoa, embora fosse óbvio que a pandemia ainda estivesse em fúria, surgiram conversas sobre uma greve geral. Sara Nelson, Presidente Internacional da Associação de Comissários de Bordo (e um possível sucessor do presidente da AFL-CIO, Richard Trumka), disse que tal greve geral não seria impossível se houvesse uma sensação generalizada de que “se você não agir corretamente agora, você vai morrer”.

A Primeira Guerra Mundial deu aos trabalhadores uma vantagem incomum por causa da severa escassez de mão-de-obra criada pelas demandas da produção de guerra e pelo corte da imigração. O coronavírus está dando aos trabalhadores uma vantagem porque eles mantêm um alto nível moral. Trabalhadores da saúde, mercearias, correios, trabalhadores de trânsito, donas de casa, policiais e corretores, motoristas de caminhão, farmacêuticos, trabalhadores de saneamento, fazendeiros e afins, indo para o trabalho dia após dia, em condições perigosas, mantiveram o país funcionando. Enquanto isso, a degeneração moral de muitos de nossos líderes empresariais e elites ricas se torna cada vez mais óbvia.

Quando seus lobistas correm para obter favores especiais nas contas de resgate e imediatamente demitem funcionários e encerram seu seguro de saúde (se o fizeram), sem fazer nenhum sacrifício próprio, tudo pela segurança de suas casas ou segundas residências, as conseqüências mortais das desigualdades de riqueza e poder existem para todos verem. Quando a Whole Foods, controlada pelo homem mais rico do mundo, sugeriu que seus trabalhadores contribuíssem com os trabalhadores com COVID-19, em vez de cuidar da saúde e do bem-estar de seus trabalhadores, a podridão profunda da sociedade não pode ser desperdiçada.

A incompetência de grande parte do governo, especialmente no nível federal, também pode desencadear mais ações dos trabalhadores. Washington e muitos governos estaduais e locais fracassaram espetacularmente em sua responsabilidade mais básica: proteger a saúde e a segurança das pessoas. Os movimentos de privatização, redução do Estado e produção e distribuição enxutas se mostraram desastrosos, juntamente com o desprezo pela experiência, pela ciência e até por fatos simples. Em todo o país, os cidadãos comuns estão preenchendo esta brecha, produzindo máscaras e aventais, ajudando os vizinhos, sem se retirarem da linha de frente.

Talvez, como a Primeira Guerra Mundial, o coronavírus, ao desmascarar as falhas da antiga ordem, possa resultar em uma nova onda de ativismo. Se é o melhor que podemos fazer, chegou a hora de tentar algo radicalmente diferente. Quem sabe – ainda podemos ver não apenas doenças, mas também a militância trabalhista, varrer o país, como já aconteceu uma vez.

Joshua Freeman é professor de história no Queens College e no City University of New York Graduate Center. Ele é o autor mais recente de “Behemoth: The History of the Factory and the Making of the Modern World”.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *