Os ricos também podem combater a desigualdade

Os ricos também podem combater a desigualdade
Bertrand Russel. Fotografia: Keystone Features/Hulton Archive/Getty Images

Muitas pessoas ricas nos Estados Unidos e em outros países apoiam o objetivo de conter a extrema desigualdade econômica. Não se deve permitir que se deixem silenciar por acusações de hipocrisia vindas da direita.

Kaushik Basu

Fonte: Project Syndicate
Tradução: DMT
Data original da publicação: 22/03/2019

Quando pessoas ricas defendem causas de esquerda, como a redistribuição de riqueza, as da direita geralmente as rotulam de hipócritas. “Se você está tão preocupado com a igualdade, por que você não desiste de sua própria renda primeiro?” é a resposta usual.

Essa resposta pode ter um poderoso efeito de amortecimento. A maioria das pessoas não gosta de pensar em si mesma como hipócrita. Assim, os ricos são confrontados com uma escolha: ou doar alguns de seus ativos e, em seguida, fazer campanha contra a desigualdade, ou simplesmente ficar quieto. A maioria prefere a segunda opção.

Isso é lamentável, porque a desigualdade global está atingindo níveis intoleráveis. Além do mais, a riqueza tende a permanecer nas famílias ao longo do tempo. A desigualdade está se tornando dinástica, com algumas pessoas nascendo ricas e numerosas pessoas que são pobres desde o momento em que apareceram na Terra.

A injustiça disso é tão grotesca que apenas pensar e falar sobre isso deve nos levar a exigir ações corretivas. Mas, ao impedir o segmento mais influente da sociedade de expressar discordância, a direita bloqueou o primeiro passo nesse processo.

Agora, temos muitas evidências estatísticas de desigualdade, graças às pesquisas de Thomas Piketty, François Bourguignon, Branko Milanović, Tony Atkinson e outros. Por exemplo, o último relatório anual da Oxfam estima que as 26 pessoas mais ricas do mundo possuem a mesma riqueza, ou têm o mesmo patrimônio líquido, que as 3,8 bilhões de pessoas que compõem a metade inferior da distribuição de riqueza do mundo. Além disso, de acordo com a Oxfam, a riqueza combinada dos bilionários do mundo cresceu US $ 900 bilhões no ano passado, ou quase US $ 2,5 bilhões por dia.

A desigualdade dentro dos países também está aumentando. O Relatório sobre a Desigualdade no Mundo de 2018 estima que os maiores aumentos na concentração de riqueza no topo estão ocorrendo nos Estados Unidos, China, Rússia e Índia.

É verdade que uma certa quantidade de desigualdade é inevitável e essencial para impulsionar a economia. Mas a desigualdade hoje excede em muito este nível “Cachinhos Dourados”. Independentemente do debate contínuo sobre como medir com exatidão a riqueza e a desigualdade de renda, há poucas dúvidas de que ambas são inaceitavelmente altas.

Caminhando pelas favelas das grandes cidades nos países em desenvolvimento, testemunhando a esqualidez e miséria dos pobres e sem-teto nos países ricos, e olhando para as casas e estilos de vida dos ricos em qualquer lugar, a necessidade de abordar a situação atual se torna clara.

Além disso, o direito de chamar a atenção para essa necessidade não deve se restringir aos pobres. A resposta da direita que silencia as pessoas ricas que possuem visões de esquerda pode parecer razoável no início, mas é um non sequitur. Você pode estar bem de vida, rico ou super rico e sem vontade de desistir unilateralmente de sua riqueza, e ainda assim achar que o sistema que lhe permitiu ganhar e acumular tanto é injusto. Não há contradição ou hipocrisia em tal posição.

Alguns dos melhores pensadores do mundo concordam. O famoso filósofo britânico Bertrand Russell argumentou (claramente com ele mesmo em mente) que fumar bons charutos não deve impedir que alguém seja um socialista. E o economista americano Paul Samuelson fez um comentário semelhante em “My Life Philosophy”, um ensaio que ele publicou em 1983. Samuelson ficou bastante rico graças ao sucesso fenomenal de seu livro “Economia“, que foi leitura obrigatória para estudantes de graduação em todo o mundo durante décadas. Mas ele foi claro sobre onde ele estava politicamente. “A minha é uma ideologia simples que favorece o oprimido e (outras coisas igualmente) abomina a desigualdade”, escreveu ele.

Ao mesmo tempo, Samuelson admitiu que quando sua “renda subiu acima da mediana, nenhuma culpa foi atribuída a isso”. E ele escreveu com impressionante franqueza que, apesar de ter rejeitado abandonar sua riqueza unilateralmente, “eu geralmente votei contra meus próprios interesses econômicos quando surgiram questões de tributação redistributiva”.

Indiscutivelmente o exemplo histórico mais famoso de uma pessoa rica lutando por uma maior igualdade foi Friedrich Engels, cujo pai possuía grandes fábricas têxteis na região metropolitana de Manchester, na Inglaterra e em outros lugares. O jovem Friedrich se radicalizou vendo o trabalho infantil e o sofrimento das classes trabalhadoras.

Mais tarde na vida, Engels voltou a trabalhar para seus negócios herdados, de modo que pudesse apoiar os esforços de seu amigo, Karl Marx, para pôr fim a esse tipo de lucro. Não importa o que se pense sobre a conveniência ou viabilidade da proposta precisa de Marx, o desejo de corrigir as desigualdades sociais grosseiras é certamente admirável.

Há esperança hoje também. Vários dos super-ricos, nos EUA e em outros lugares, apoiam abertamente a ampla esquerda e seu objetivo de reduzir as desigualdades extremas. Eles estão dispostos a suportar alegações de hipocrisia por esse objetivo maior, o que torna sua causa moralmente poderosa.

Indivíduos progressistas que voluntariamente desistem de sua própria vantagem de renda são admiráveis. Mas, dando ou não esse passo, eles não podem calar a necessidade de ação coletiva para enfrentar a extrema desigualdade, uma das questões globais mais prementes do nosso tempo.

Kaushik Basu é ex-economista-chefe do Banco Mundial, professor de economia na Cornell University e membro sênior não-residente da Brookings Institution.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *