Ocupações: agora nas fábricas?

Há cerca de um mês funcionários da Karmann-Ghia ocupam a fábrica, localizada em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, para exigir o pagamento de salários atrasados e direitos trabalhistas. Os trabalhadores pretendem agora contatar clientes e fornecedores e conseguir encomendas para reativar a produção, em modelo de autogestão. A fábrica está parada desde fevereiro.

Instalada há quase 60 anos no ABC, a Karmann-Ghia já produziu vários modelos de veículos esportivos. Hoje, atua como fabricante de ferramentaria e estamparia para montadoras. Com problemas de má administração, agravados pela crise, o faturamento da empresa foi reduzido para cerca de R$ 4 milhões, com uma folha de pagamento que chega a quase R$ 1,5 milhão, segundo os trabalhadores.

“Se a parte empresarial acha que vai vencer os trabalhadores fazendo com que percam os seus direitos, eles estão enganados. Vamos lutar até o final e ainda vamos fazer essa empresa produzir de novo”, diz Valter Saturnino Pereira, em entrevista na manhã da quinta-feira (15/06) à Rádio Brasil Atual.

Desde março, os 330 funcionários da Karmann-Ghia estão sem receber e temem que os proprietários vendam maquinários e matéria-prima, inviabilizando o retorno ao funcionamento. Segundo Saturnino Pereira, que integra o comitê sindical da empresa, os patrões se negam a negociar, apostando em vencê-los pelo cansaço, e sugerem o caminho da Justiça para que reivindiquem seus direitos.

Doações de companheiros metalúrgicos e da população fortalecem a luta dos trabalhadores da Karmann-Guia. Foto: Outras Mídias.
Doações de companheiros metalúrgicos e da população fortalecem a luta dos trabalhadores da Karmann-Guia. Fotografia: Outras Mídias

Já os trabalhadores querem a fábrica funcionando. “Vamos voltar a conversar com as montadoras, que são nossas clientes. O dinheiro que entrar será destinado, em valores iguais, para todos os trabalhadores, desde a área administrativa até os da limpeza”, diz o sindicalista.

Em solidariedade, trabalhadores da Ford, Volkswagen, Mercedes-Benz, entre outros,  realizaram doações de alimentos em grandes proporções, amenizando o drama das famílias dos funcionários e fortalecendo a resistência. Saturnino Pereira diz saber que o caminho é longo até que os trabalhadores assumam legalmente a empresa, e que uma das intenções do movimento de ocupação é sensibilizar as autoridades, do Judiciário e dos governos estadual e municipal, para a causa.

“A Karmann-Ghia tem nome, tem know-how, tem mão de obra qualificada. A gente não pode perder isso por causa de pessoas irresponsáveis, que não pensam, que só querem fechar a Karmann-Ghia. Os trabalhadores não querem fechar.”

[gap]

Fonte: Outras Mídias, com Rede Brasil Atual
Data original da publicação: 15/06/2016

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *