O trabalho humano e a sua centralidade

Julio César Neffa

[divide]

Fonte: Revista Ciências do Trabalho, São Paulo, n. 4, p. 7-26, jun. 2015.

[divide]

Sumário: Introdução | O trabalho é um valor que permanece | O trabalho é uma realidade complexa e dinâmica, com dimensões objetivas e subjetivas | Dimensões objetivas | Dimensões subjetivas e intersubjetivas | O processo de trabalho | A relação salarial e sua evolução | Referências bibliográficas

[divide]

1. Apresentação

As seguintes reflexões formam parte de um estudo mais amplo que está em curso e será editado em breve. O tema é o impacto do processo de trabalho na saúde dos trabalhadores, em particular como gerador de condições, ambiente e riscos psicossociais no trabalho.

A OIT (Organização Internacional do Trabalho) e a OMS (Organização Mundial da Saúde) têm destacado o estreito relacionamento existente entre o trabalho e a saúde. Houve, porém, uma evolução no conceito de saúde dos trabalhadores, porque, desde fins do século XIX, a atenção era dirigida quase exclusivamente para as mortes, os acidentes de trabalho e as doenças profissionais que dizimavam a massa de assalariados. Os convênios e recomendações internacionais adotados pela OIT contribuíram para elaborar listas de doenças que deviam ser aceitas pelo sistema de segurança social para indenizar as vítimas e reabilitá-las para que se reincorporassem ao local de trabalho. Porém, progressivamente, houve muitas mudanças nos processos de trabalho como consequência das crises econômicas e dos processos de reestruturação dos sistemas produtivos que geraram incremento proporcional dos riscos psicossociais no trabalho. Esses riscos estão na origem das doenças psíquicas e mentais provocadas pelo estresse, o assédio, o Burnout (esgotamento), a violência verbal e física, o abuso sexual e, cada vez mais, pelo desemprego prolongado e o trabalho precário. Estudos epidemiológicos demonstraram que essas doenças são rapidamente somatizadas e levam a acidentes cardiovasculares, infartos do miocárdio, transtornos musculoesqueléticos. Mas a impressão que temos é de existir um véu que nos impede de ver a realidade.

Nós acreditamos que a partir das pesquisas feitas no Ceil-Piette e em várias universidades, a ideia central é que o trabalho não perdeu a centralidade pelas mudanças nos modos de produção; ele é uma realidade com muitas dimensões e o processo do trabalho é o fator determinante das relações entre trabalho e saúde.

Clique aqui para continuar a leitura deste artigo no site da Revista Ciências do Trabalho

[divide]

Julio César Neffa é pesquisador superior no Conicet (Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas da Argentina.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *