O movimento dos trabalhadores frente ao complexo de reestruturação produtiva: o sindicalismo dos metalúrgicos de Caxias do Sul

Autor(a): Paulo Roberto Wünsch
Orientador(a): Carlos Nelson dos Reis
 Ano: 2010
 Tipo: Tese de Doutorado
 Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Serviço Social. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Doutorado em Serviço Social
 Repositório: Biblioteca Digital de Tese e Dissertações – PUCRS
 Resumo: A presente tese analisa como o movimento sindical dos trabalhadores enfrenta o complexo de reestruturação produtiva, tendo como lócus de investigação o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul, no RS. Essa pesquisa é apoiada na literatura especializada, em entrevistas e em grupo focal com os trabalhadores, sua análise permite verificar em que medida o Sindicato tem atuado de maneira a resistir à ofensiva do capital no processo produtivo, em busca da superação da sua crise estrutural. A fim de melhor compreender o movimento sindical, pesquisaram-se as raízes do sindicalismo no Brasil, com suas transformações e heranças seletivas do passado quanto à sua organização e a formas de resistência. No contexto atual, analisam-se as metamorfoses tecnológicas e de gestão e organização do trabalho no âmbito do processo produtivo, em meio à mundialização do capital. Destacam-se a ofensiva e seus impactos no mundo do trabalho, especialmente diante da tentativa de captura da subjetividade dos trabalhadores. A pesquisa evidenciou a emergência e o estágio da reestruturação produtiva em Caxias do Sul, as ações desenvolvidas pelo Sindicato, a participação e a percepção dos trabalhadores da ação sindical, os motivos da sindicalização ou não dos mesmos e o papel da entidade. Os resultados demonstram que, mesmo diante da subsunção de trabalhadores à lógica do capital, o sindicato dos trabalhadores metalúrgicos tem resistido a essa ofensiva, indicando a existência de condições para a atuação classista diante das contradições geradas pelas relações capitalistas de trabalho assalariado.
 Arquivo: Acesse aqui o texto parcial
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *