Mutações do capitalismo

Mutações do capitalismo
Imagem: Alec Monopoly

Alejandro Nadal

Fonte: La Jornada
Tradução: DMT
Data original da publicação: 27/02/2019

Uma pergunta na Grécia clássica, concernente ao espanto de Aristóteles em sua visão da natureza das coisas, era esta: o que faz as coisas durarem no tempo e não se desintegrarem enquanto passamos por elas? Em sua metafísica, o pensador grego marcou várias linhas importantes de análise que seria bom recuperar. Para colocar essa questão em outros termos, como podemos saber quando um objeto perdeu sua essência e foi transformado em outra coisa?

É uma questão rica em possibilidades quando nos dirigimos ao capitalismo. Até que ponto o capitalismo pode sofrer mutação sem que ele se torne um sistema social diferente? A questão pode parecer estranha, porque estamos acostumados a pensar que o capitalismo só é capaz de mudar radicalmente como uma crise ou uma revolução. É menos comum pensar nessas mudanças graduais, no tempo lento, que pouco a pouco transformam a essência de um objeto para desfigurá-lo e transformá-lo em algo irreconhecível.

O capitalismo, como todas as formações sociais, está sempre evoluindo. Já sabemos que as forças que deram substância ao capitalismo como formação social mostram que o capitalismo é uma organização social de produção, distribuição e consumo historicamente determinada. E assim como teve uma origem agrária na Inglaterra do século XVII, hoje o capitalismo está se transformando em algo que poderia dar origem a um conjunto de relações sociais essencialmente diferentes no futuro próximo.

Hoje, a evolução do capitalismo é marcada por duas forças de dimensões históricas. O primeiro tem a ver com a relação salarial que está no coração do capitalismo e é a base sobre a qual se constrói o elo de exploração e a fórmula de sua circulação monetária.

Mas nos últimos 50 anos a função do salário no capitalismo foi se distorcendo. A estagnação dos salários na maioria das economias desenvolvidas é um resultado histórico da luta contra a tendência de queda na taxa de lucro. A luta contra as instituições que a classe trabalhadora pôde erigir em defesa do salário, seja através do desmantelamento de sindicatos ou processos como a subcontratação, levou a uma profunda deformação da relação salarial.

Desde o início dos anos 1970, a estagnação dos salários, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, trouxe consigo uma transformação na estrutura do capitalismo: o salário não é mais a principal referência para a reprodução da força de trabalho. Hoje, o crédito tornou-se um instrumento fundamental para garantir a regeneração da classe trabalhadora e manter seu padrão de vida.

Atualmente, não existe apenas uma forte defasagem salarial e um problema de insuficiência para a classe trabalhadora. Estamos também na presença de uma mudança qualitativa devido ao endividamento. É claro que o vínculo salarial tem um status essencialmente diferente daquele do crédito na reprodução social. Atualmente, devido ao crescente endividamento, o capital financeiro pode apropriar-se de parte da renda dos trabalhadores. E então ocorre um duplo golpe contra a classe trabalhadora: estagnação salarial e extração financeira.

A expansão do setor financeiro é a segunda força que está deixando uma marca profunda nas relações capitalistas de produção. O endividamento finalmente se tornou um componente especialmente importante na reprodução de todo o sistema produtivo. Mas, além disso, a racionalidade da esfera das finanças, onde passa diretamente de uma massa de dinheiro para uma quantidade maior de dinheiro sem passar pela produção, acabou infectando empresas e funcionários com o vírus do enriquecimento instantâneo. A especulação e o uso de folhas de balanço para sustentar a lucratividade são dois resultados desse processo.

No contexto de uma taxa de lucro decrescente no setor não financeiro, a sede de lucratividade é cada vez mais saciada pela especulação. O fenômeno da financeirização está esticando o capitalismo e vem se transformando há mais de quatro décadas.

É óbvio que o fato de o capitalismo estar se transformando e deformando não significa necessariamente que estaremos nos movendo para uma formação social mais justa e benigna. A deformação do modo de produção capitalista acarreta vários perigos. A instabilidade internacional já é considerável devido à luta pela hegemonia monetária, comercial e militar. Mas se adicionarmos a fratura que pode ocorrer com essas mutações do capitalismo, os riscos podem aumentar exponencialmente.

O capitalismo pode perder sua essência devido a uma ruptura no vínculo salarial ou pelo excesso que a financeirização significa. As forças políticas da esquerda devem estar atentas a essas mutações e seus efeitos.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *