Migrações e trabalho no Brasil: fatores étnico-nacionais e raciais

Elaine Meire Vilela
Ana Cristina Murta Collares
Cláudia Lima Ayer de Noronha

[divide]

Fonte: Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 30, n. 87, p. 19-42, fev. 2015.

[divide]

Resumo: O objetivo central deste texto é identificar quais grupos minoritários de migrantes estão em maior desvantagem no mercado de trabalho brasileiro, quando comparados ao grupo “majoritário”. Os resultados mostram que, ante este grupo, as desvantagens dos brasileiros negros em relação aos brasileiros brancos são menores do que as desvantagens encontradas para bolivianos, paraguaios, peruanos e uruguaios. Porém, quando se faz uma análise regional, o impacto negativo de cor/raça é mais forte em São Paulo e no Amazonas. O contrário ocorre para os estados do Paraná e do Rio Grande do Sul, onde o efeito negativo é maior para os grupos étnicos/nacionais de paraguaios e uruguaios, respectivamente.

[divide]

Sumário: Introdução | Revisão da literatura | Os dados e os modelos analíticos | Os resultados | Considerações finais | Bibliografia

[divide]

Introdução

A investigação sobre o impacto da imigração na economia do país acolhedor é central em diversos países, como Estados Unidos, Canadá, Austrália e Alemanha (Tienda e Lii, 1987; Borjas, 1994; Portes, 1995; Jong e Madamba, 2001; Piché, Renaud e Gingras, 2002; Van Tubergen, Maas e Flap, 2004; Kesler e Hout, 2010), onde estudiosos buscam responder a questões tais como: como é o desempenho dos imigrantes no mercado de trabalho? Quais são os impactos da imigração sobre a oportunidade de emprego e ganhos salariais dos trabalhadores nativos? Quais políticas migratórias beneficiam o país hospedeiro? Como a composição étnica e racial do mercado de trabalho influencia as desigualdades salariais entre grupos minoritários (étnicos/raciais)? Quais são os efeitos de características socioeconômicas e demográficas dos imigrantes, bem como de características macroeconômicas e sociais dos locais de origem e destino, sobre a participação e a empregabilidade dos estrangeiros no mercado de trabalho? Há evidência de dupla desvantagem no mercado de trabalho do país hospedeiro para trabalhadores que são imigrantes e membros de grupos minoritários? São os imigrantes discriminados no mercado de trabalho? Há uma melhora no status econômico entre a primeira e a segunda geração de imigrantes (sendo essa última constituída por nativos filhos de imigrantes)?

No Brasil, esses questionamentos sobre os imigrantes internacionais não se tornaram tão centrais como em outros países. Os estudiosos de estratificação e mobilidade social no país acabaram se concentrando em três determinantes básicos da desigualdade: raça, classe e gênero (Valle Silva, 1981; Hasenbalg e Valle Silva, 2003; Ribeiro, 2003; Hasenbalg, 2005; Aguiar, Fernandes e Neves, 2007; Ribeiro, 2007; Santos, 2009). Já os pesquisadores da migração abordaram temas do processo migratório em si; da inserção social com foco nos fluxos migratórios e na constituição da identidade; e das relações fronteiriças relacionadas principalmente ao Mercosul (Kratochwill, 1996; Truzzi, 1997, 2005; Patarra, 2005; Souchaud, Carmo e Fusco, 2007; Peres, 2009; Patarra e Fernandes, 2011; Baeninger, 2012; Silva, 2012).

Os estudos brasileiros sobre migração que buscam analisar a situação do imigrante no mercado de trabalho do país apresentam abordagem diferenciada das pesquisas internacionais. As principais diferenças são: a) grande parte baseia-se em métodos qualitativos (Truzzi, 1991, Truzzi e Sacomano, 2007; Silva, 1995, 1998, 2006; Vilela, 2011a; Baeninger, 2012; Vilela e Lopes, 2013); b) há um enfoque predominante em poucas regiões do país, sobretudo São Paulo (Truzzi, 1991; Silva, 1995, 2006; Illes, Timóteo e Pereira, 2008; Souchaud e Baeninger, 2008; Monsma, 2010; Vilela e Lopes, 2013; Baeninger, 2012); c) as análises se restringem, majoritariamente, a um grupo étnico/nacional por vez (Vilela e Lopes, 2013). Há pesquisadores que analisam os trabalhadores europeus, tais como portugueses, espanhóis, alemães e italianos, imigrantes que predominaram nos fluxos mais antigos do Brasil entre o período colonial até meados do século XX (Lobo, 1991, 1992; Trento, 1989; Martins, 1989; Souza, 2006; Cenni, 2011). Já outros pesquisadores analisam a situação de trabalhadores que constituem fluxos mais recentes de imigração, tais como coreanos, chineses, bolivianos, paraguaios, chilenos, peruanos e haitianos (Silva, 1995, 1998, 2006, 2012; Makabe, 1981; Sasaki, 2006; Cymbalista e Xavier, 2007; Souchaud e Baeninger, 2008; Baeninger, 2012; IOM, 2014).

Nesse cenário, são escassos os trabalhos que buscam compreender e mensurar quantitativamente a situação econômica do imigrante internacional no contexto brasileiro como um todo ou em outros estados que não São Paulo. Mais escassos ainda são os que utilizam diversos grupos comparativamente (conferir, por exemplo, Melo, Araújo e Marques, 2003; Sala, 2005; Vilela, 2008; 2011b). Além disso – e a despeito de a questão étnica1/racial ter sido um tema relevante no início do século XX para os sociólogos brasileiros, como, por exemplo, para Florestan Fernandes (2008) –, ainda são raras as pesquisas que abordam a questão comparativa étnico-racial com métodos quantitativos de análise no contexto brasileiro (Melo, Araújo e Marques, 2003; Monsma, 2010). Este artigo busca assim cobrir essa lacuna na literatura brasileira sobre o tema da estratificação social de imigrantes internacionais em uma perspectiva étnico-racial comparativa. Para isso, buscamos responder a uma questão principal: no Brasil, bolivianos, paraguaios, peruanos e uruguaios encontram-se em maior desvantagem no mercado de trabalho do que brasileiros migrantes interestaduais negros, quando comparados com brasileiros migrantes interestaduais brancos?

Com base nessa questão central, dividimos o artigo em três seções, além desta introdução e das considerações finais do texto. A primeira apresenta uma revisão da literatura que é essencial para nortear a elaboração das hipóteses e dos modelos estatísticos de análise. A segunda refere-se à compreensão dos dados e dos referidos modelos. A terceira seção é onde testamos nossas hipóteses.

Clique aqui para continuar a leitura deste artigo na página da Revista Brasileira de Ciências Sociais na biblioteca eletrônica SciELO

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *