Índia: o trabalho das promotoras de saúde na linha de frente da crise de Covid-19

Promotoras da ASHA em evento em sua homenagem, maio de 2020. Fotografia: PTI

Ao contrário dos trabalhadores da linha de frente em hospitais da cidade, os ASHAs – ou ‘voluntários de saúde da comunidade’ – não receberam nenhum outro equipamento de proteção pessoal, além de uma máscara de tecido e um álcool em gel, durante todo o período de lockdown.

Ira Deulgaonkar

Fonte: Counterpunch, com People’s Archive of Rural India
Tradução: DMT
Data original da publicação: 18/08/2020

“Passamos por muita tensão durante o lockdown. Além da aplicação dos questionários referentes à Covid-19, cuidei de 27 partos apenas de abril a julho. Desde o check-up da mãe até levá-la ao centro de saúde primário para o parto, eu estava lá para todos eles”, disse Tanuja Waghole, uma trabalhadora ASHA – ativista social de saúde credenciada pelo Ministério da Saúde indiano – na vila de Nilegaon, distrito de Osmanabad.

Depois que o lockdown foi imposto no final de março, Tanuja começou a acordar às 4h (em vez das 7h30, como de costume) para terminar as tarefas domésticas e cozinhar para seu marido e dois filhos, antes de sair todos os dias. “Se eu não começar às 7h30, não vou conseguir encontrar todo mundo. Às vezes, as pessoas saem de casa mais cedo apenas para evitar a nós e nossas instruções”, diz ela.

E em vez de apenas 3-4 horas de trabalho ASHA por dia, por cerca de 15-20 dias por mês, Tanuja, de 40 anos, que é ASHA desde 2010, está agora em seus plantões por cerca de seis horas por dia, quase todos os dias.

A pesquisa sobre Covid-19 começou em 7 de abril na vila de Nilegaon, no taluka Tuljapur. Tanuja e Alka Mulay, uma colega da ASHA, têm visitado juntas 30-35 casas em sua aldeia todos os dias. “Vamos de porta em porta ver se alguém tem febre ou algum outro sintoma do coronavírus”, diz ela. Qualquer pessoa que se queixe de febre recebe comprimidos de paracetamol. Se apresentarem sintomas de coronavírus, o Centro de Saúde Primário (CSP) na vila de Andur, a 25 quilômetros de distância, é alertado. (O CSP então envia alguém para a aldeia para coletar amostras para um teste de Covid-19; se o resultado do teste for positivo, a pessoa é movida para o Hospital Rural em Tuljapur para quarentena e tratamento.)

Os trabalhadores da ASHA levam quase quinze dias para cobrir todas as famílias da aldeia – então começam novamente. Na periferia de Nilegaon, estão duas tandas – assentamentos da outrora comunidade nômade Laman, uma Tribo Programada. A população total da vila central e das tandas é de cerca de 3.000 pessoas, estima Tanuja (o censo de 2011 lista 452 famílias em Nilegaon).

Como parte de suas tarefas regulares, Tanuja e sua colega também monitoram a saúde de mulheres grávidas, auxiliam no parto e medem regularmente o peso e a temperatura dos recém-nascidos. Os idosos recebem atenção especial, acrescenta Tanuja. “Por tudo isso, o que recebemos do governo foram apenas uma máscara de tecido, um frasco de álcool em gel e 1000 rúpias”, diz ela. A máscara chegou até ela no dia 6 de abril, um dia antes do início da pesquisa, e o dinheiro, um incentivo para a pesquisa, foi dado apenas uma vez (em abril).

“Antes de 6 de abril, quando a pesquisa já estava em andamento, eu não recebi nada para proteção – sem máscaras, luvas ou qualquer outra coisa”, diz Shakuntala Devi (a terceira, contando a partir da esquerda). Fotografia: Satish Kadam

Ao contrário dos trabalhadores da linha de frente em hospitais da cidade, os ASHAs – ou ‘voluntários de saúde da comunidade’ – não receberam nenhum outro equipamento de proteção pessoal. Nem mesmo uma máscara adicional, diz Tanuja. “Tive que comprar algumas máscaras por 400 rúpias”. Ela recebe como honorários mensais 1.500 rúpias – o mesmo valor desde 2014 para os trabalhadores da ASHA de Osmanabad. E ela ganha também outros 1.500 por mês para “incentivos baseados no desempenho” sob vários programas nacionais de saúde. Essas taxas também são as mesmas desde 2014.

Mas os ASHAS têm um papel vital em ajudar pessoas nas áreas rurais – especialmente mulheres, crianças e membros de comunidades vulneráveis – a ter acesso aos serviços de saúde. Eles também criam consciência sobre saúde, nutrição, vacinas e esquemas de saúde do governo.

Sua interação próxima com a comunidade os coloca em maior risco durante a realização da pesquisa sobre Covid-19. “Eu entro em contato com muitas pessoas todos os dias. Quem sabe se estão positivos ou não? Uma mera máscara de pano é suficiente?” pergunta Nagini Survase, um trabalhador ASHA de 42 anos na aldeia Dahitana, no taluka deTuljapur. Os ASHAS em seu taluka receberam uma termômetro-pistola infravermelho e um oxímetro de pulso apenas em meados de julho.

Depois que o governo anunciou o lockdown em 24 de março, administrar o retorno dos trabalhadores migrantes também foi uma preocupação para os trabalhadores da ASHA em Osmanabad. “Quase 300 migrantes voltaram para nossa aldeia entre abril e junho. O número diminuiu e parou no final de junho”, diz Tanuja. A maioria veio de Pune e Mumbai, a 280 e 410 quilômetros de distância, onde as infecções por coronavírus estão entre as mais altas do país. “Mas apesar das repetidas instruções de quarentena em casa por 14 dias, muitos saíram.”

Ashas como Tanuja Waghole (em pé, vestida de laranja) são as primeiras a socorrer a população em casos de crises sanitárias. Fotografia: Omkar Waghole

No gram panchayat Fulwadi, parte do taluka de Tuljapur, a cerca de 21 quilômetros de Nilegaon, a primeira pesquisa de Covid-19 foi realizada de meados de março a 7 de abril. “Nesse período, 182 trabalhadores migrantes voltaram para Fulwadi. Muitos viajaram a pé de Mumbai e Pune. Alguns entraram na aldeia à meia-noite, quando ninguém estava vigiando”, disse Shakuntala Langade, uma trabalhadora ASHA de 42 anos. O panchayat é o lar de 315 famílias e cerca de 1.500 pessoas, ela acrescenta. “Antes de 6 de abril, quando a pesquisa já estava em andamento, eu não recebi nada para proteção – sem máscaras, luvas ou qualquer outra coisa”, diz Shakuntala.

É difícil para os trabalhadores da ASHA rastrear todos que chegam e verificar se estão em quarentena, acrescenta Anita Kadam, uma facilitadora da ASHA que trabalha no CSP Kanegaon no taluka de Lohara, distrito de Osmanabad. “Mesmo assim, nossos ASHAs realizam suas tarefas sem reclamar”, diz ela. Anita, 40, supervisiona o trabalho de todas as 32 ASHAs que se reportam ao CSP. Por isso, ela ganha 8.225 rúpias por mês (incluindo todas as licenças).

No final de março, um Corona Sahayyata Kaksh’ (centro de ajuda) foi instalado em cada gram panchayat do distrito de Osmanabad. Foi liderado pelo gram sevak, funcionários do panchayat, o diretor da escola do governo local e professores – bem como ASHAs e trabalhadores anganwadi. “Nossa equipe ASHA é o principal suporte para o Corona Sahayyata Kaksh. Eles nos deram atualizações diárias sobre as pessoas que entram nas aldeias”, diz Prashantsingh Marod, oficial de desenvolvimento de blocos de Tuljapur.

No início, os 1.161 trabalhadores da ASHA de Osmanabad (até 2014, diz o site National Health Mission Maharashtra; uma organização que trabalha no distrito estima seu número atual em 1.207) não receberam nenhum treinamento formal para gerenciar a situação de pandemia. Em vez disso, eles receberam um livreto sobre o coronavírus compilado pelo escritório do coletor do distrito. Continha diretrizes para medidas de distanciamento físico e quarentena domiciliar. Em 11 de maio, os trabalhadores da ASHA tiveram que participar de um webinar de uma hora com o objetivo de prepará-los para a pandemia e o retorno de migrantes das cidades.

Foi conduzido por facilitadores da ASHA e forneceu uma visão geral dos sintomas e etapas de Covid-19 para quarentena domiciliar. Os ASHAs foram instruídos a manter um registro de todas as pessoas que entram em sua aldeia e a abordar a polícia em caso de qualquer disputa. “Fomos estritamente instruídos a levar qualquer pessoa com sintomas de Covid-19 ao CSP”, disse Tanuja. A sessão também incluiu discussões sobre como lidar com a gravidez durante a Covid-19 e a saúde de crianças e idosos.

Mas os ASHAs queriam destacar as preocupações mais urgentes naquele momento. “Pedimos kits médicos melhores, esperando que os facilitadores pudessem dar voz à nossa demanda nos CSPs”, diz Tanuja. Eles também levantaram outra questão importante: a falta de veículos para transportar os pacientes. “Os meios de transporte de emergência não estão disponíveis nos CSPs próximos [Andur e Naldurg]. É difícil para nós levar pacientes para lá ”, diz Tanuja.

Na aldeia Dahitana, Nagini nos conta sobre uma mulher, grávida de sete meses, que voltou de Pune com seu marido. Ele havia perdido o emprego em uma construção durante o lockdown. “Foi na primeira semana de maio. Quando a visitei para discutir a quarentena doméstica, notei que seus olhos estavam caídos e ela parecia pálida e fraca. Ela não conseguia nem ficar de pé direito. ” Nagini queria que ela visitasse imediatamente o CSP. “Quando chamei o CSP pedindo a ambulância, não havia nada disponível. Os CSPs dos quatro talukas partilham dois veículos. De alguma forma, arranjamos um riquixá para ela. ”

Testes no CSP de Naldurg mostraram que seu nível de hemoglobina estava muito baixo. A anemia é comum entre as mulheres daqui, diz Nagini, mas esse foi um caso de anemia grave durante a gravidez. “Tivemos que procurar outro riquixá e levá-la para transfusão de sangue no Hospital Rural de Tuljapur, a cerca de 100 quilômetros de Dahitana. A tarifa total do riquixá chegou a 1.500 rúpias. Sua condição financeira era fraca. Então, levantamos dinheiro com os membros do Corona Sahayyata Kaksh. Não é uma das principais funções do governo garantir ambulâncias suficientes?”

Às vezes, em tais situações, os trabalhadores da ASHA colocam parte de seu próprio dinheiro também – embora não possam pagar. Nagini é a única trabalhadora de sua família, depois que seu marido morreu de uma doença há 10 anos; seu filho e sua sogra dependem de sua renda.

Em Fulwadi, Shakuntala teve que complementar sua renda durante o lockdown (e ela ainda não recebeu seus vencimentos de junho e julho). “Meu marido, Gurudev Langade, é um trabalhador rural. Ele ganhava um salário diário de 250 rúpias, mas ele quase não conseguiu trabalho neste verão. Os meses de junho a outubro são quando ele consegue o máximo de empregos”, diz ela. O casal tem duas filhas, de 17 e 2 anos, e os pais de Gurudev também moram com elas.

De maio a julho, Shakuntala conseguiu ganhar um pouco mais cozinhando refeições em sua aldeia para um projeto administrado pela Fundação Médica HALO, sediada em Andur. Essa organização sem fins lucrativos abordou trabalhadores anganwadi e ASHAs dispostos a cozinhar refeições por uma taxa. Os mantimentos foram fornecidos a eles. “Identificamos 300 pessoas que necessitavam de extrema ajuda nos talukas de Lohara e Tuljapur. Distribuímos alimentos de 15 de maio a 31 de julho”, diz Baswaraj Nare, membro da HALO.

“Ajudou ASHAs como eu, que recebem um salário nominal insuficiente. Eu tenho 60 rúpias por dia para cozinhar e entregar duas refeições e uma xícara de chá [por pessoa]. Cozinhei para seis pessoas e ganhei 360 rúpias por dia”, diz Shakuntala. Em 2019, ela fez um empréstimo de 300 mil rúpias, com juros de 3%, de um agiota particular, pelo casamento de sua filha de 20 anos, Sangeeta. Ela pagou de volta 80.000, sem perder parcelas, mesmo durante o lockdown.

“Minha sogra estava preocupada porque eu estava trabalhando durante a pandemia. ‘Você vai trazer essa doença para casa’, disse ela. Mas ela não percebeu que, se eu cuidasse da aldeia, minha família não morreria de fome”, diz Shakuntala.

Tanuja também ganhou 360 rúpias por dia para cozinhar refeições para o mesmo programa. Todos os dias, ela terminava seus deveres ASHA, voltava para casa para cozinhar e depois entregava seis refeições. “Depois de dar chá a eles por volta das 16h, eu ia para a reunião diária do centro de ajuda corona”, diz ela.

O taluka de Tuljapur teve 447 casos positivos para Covid-19 e Lohara teve 65, em 13 de agosto. Dahitana relatou 4, enquanto Nilegaon e Fulwadi não tiveram nenhum caso positivo ainda, dizem os trabalhadores da ASHA.

Em 25 de junho, o governo Maharashtra anunciou um aumento nos honorários mensais – em 2.000 rúpias para trabalhadores ASHA e 3.000 rúpias para facilitadores ASHA – começando em julho. Citando seu trabalho para as pesquisas da Covid-19 em áreas rurais, o ministro da Saúde, Rajesh Tope, chamou os mais de 65.000 trabalhadores da ASHA do estado de “um pilar forte de nossa infraestrutura de saúde”.

Em 10 de agosto, os ASHAs com quem falamos não haviam recebido seus honorários revisados ou incentivos para julho.

Mas eles continuam trabalhando. “Trabalhamos incansavelmente por nosso povo”, diz Tanuja. “Seja com forte seca, fortes chuvas, granizo ou coronavírus, em qualquer situação somos os primeiros a cuidar da saúde das pessoas. Somos inspirados por Savitribai Phule, que se dedicou abnegadamente a ajudar as pessoas durante o surto da peste em 1897”.

Pós-escrito: Os trabalhadores e facilitadores da ASHA de Osmanabad apoiaram a greve em toda a Índia de 7 a 8 de agosto, convocada por sindicatos de todo o país. Além de demandas há muito pendentes, como regularização de ASHAs como trabalhadores permanentes, pagamento justo (e pontual), um aumento nas taxas de incentivo e instalações de transporte, eles estão insistindo em equipamentos de segurança, treinamento especial para o trabalho da Covid-19, testes regulares para trabalhadores da linha de frente e seguro durante o período da pandemia.

Ira Deulgaonkar é estagiária do PARI 2020; ela está no segundo ano do curso de bacharelado em Economia na Symbiosis School of Economics, Pune.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *