Guy Standing sobre ansiedade, raiva e alienação: uma entrevista sobre “O precariado”

Guy Standing sobre ansiedade, raiva e alienação: uma entrevista sobre “O precariado”
Guy Standing. Fotografia: Joan Sánchez

“O principal antagonista do proletário tradicional era o chefe. O principal antagonista do precariado é o estado. Uma revolta do precariado (que se espera pacífica) levará a um novo sistema distinto de distribuição.”

– Guy Standing, março de 2019

Nos Estados Unidos, Guy Standing, 71 anos e professor da Universidade de Londres, nunca recebeu o reconhecimento que merece como estudioso e escritor. Em parte, porque ele não se expressou em termos de bytes sonoros. Além disso, nos EUA ele não divulgou efetivamente a si mesmo, seus livros e suas ideias incisivas sobre o que chama de “o precariado”, definida como uma nova classe social global que ele vê como a chave política e econômica para um futuro que seria benéfico para toda a humanidade. Os meios de comunicação de massa não quiseram dar a Standing e sua obra o que eles deviam para que não despertassem a população; alguns marxistas tradicionais também zombaram de suas palavras e conceitos.

O termo “precariado” é tão novo e tão pouco usado, pelo menos nos EUA, que toda vez que aparece na minha tela, meu computador sublinha em vermelho como se dissesse que não é uma palavra real e que eu a escrevi errado. Não, eu não a escrevi errado.

Na verdade, o livro de estreia de Standing, The Precariat (lançado como O precariado no Brasil), publicado pela primeira vez em inglês em 2011, foi traduzido para 23 idiomas em todo o mundo e deu início a conversas sobre trabalho, salários, alugueis e insegurança econômica global. Ouvi pela primeira vez a palavra precariado e sua prima, “precariedade”, de dois homens que vivem e trabalham na área da baía de São Francisco, onde mulheres, crianças e homens vivem vidas cada vez mais precárias economicamente, socialmente e psicologicamente.

Keith Hennessy é uma dançarina; Stephen Clarke é professor. Ambos usaram a palavra “precariado” no mesmo dia, embora não ao mesmo tempo. Eu os entrevistei para uma exposição sobre punk, protesto e arte performática nos anos 1980, quando suas vidas eram muito mais precárias do que são agora. Clarke pertencia a uma banda de rock. Hennessey se apresentava nas ruas. Ambos descobriram como sobreviver em um momento e lugar estressantes, embora ainda sejam membros do precariado, que está crescendo aos trancos e barrancos na área da baía de São Francisco, onde a indústria de tecnologia e uma nova geração de milionários, juntamente com a ganância corporativa e uma classe avarenta de proprietários de terras vem elevando os alugueis cada vez mais e obrigando as famílias da classe trabalhadora a deixar a cidade.

Depois de ler a palavra “precariado” nos lábios de Clarke e Hennessey, entrei na internet e encontrei o professor Guy Standing, autor de vários livros, incluindo Work After Globalization (2009), The Precariat (2011) e Plunder the Commons, a ser lançado ainda este ano. Eu lhe enviei uma série de perguntas. Ele forneceu respostas sinceras, abrangentes e longas, que eu editei com fins de condensação. Bem-vindo ao mundo do precariado, que começou a flexionar seus músculos e clamar por reformas, senão por revolução.

O termo “precariado” parece ter sucesso?

Guy Standing: Sem dúvida, sim. Todos os dias recebo e-mails de pessoas de todo o mundo que dizem pertencer ao precariado. Eu falei sobre o assunto em 40 países diferentes. Acabei de voltar da Índia, onde dei duas palestras sobre o precariado. Em janeiro, falei diante de uma plateia de 3.000 pessoas em Haia, na Holanda, e 6.000 pessoas em Leipzig, na Alemanha. Entreguei minha palestra em Davos nos últimos três anos. Em junho estarei em Winnipeg, no Canadá, para difundir a mensagem.

Em que lugares há uma compreensão profunda do conceito?

Guy Standing: Na Escócia eles realmente entendem, também na Itália, Espanha, Japão e Coreia. Nos EUA, onde o precariado está crescendo, as vozes esquerdistas ainda estão presas ao termo “classe trabalhadora”, o que acho que obscurece o que está acontecendo. A mídia dos EUA tem sido muda.

Você quer derrubar termos marxistas tradicionais ou embelezá-los e atualizá-los?

Guy Standing: Quando o The Precariat foi publicado pela primeira vez, fui atacado violentamente por marxistas de estilo antigo que me acusaram de “dividir a classe trabalhadora”.

Acredito que os conceitos, que podem ser adequados para uma época – Marx estava escrevendo em um momento de crescente capitalismo – podem deixar de ser adequados para eras posteriores. O velho proletariado, dominado por homens, trabalhando em tempo integral nas fábricas e minas é profundamente diferente do emergente precariado, conceitualmente e politicamente.

Mas, por favor, note que eu me baseio em conceitos marxistas na definição do precariado: relações distintas de produção, distribuição, bem como relações com o estado. Eu também adiciono consciência, o que torna o precariado de hoje a nova classe perigosa. A tradução italiana de The Precariat foi Precari: La Nuova Clase Explosiva, o que me deixou com raiva.

Onde e quando começou o seu estudo do precariado?

Guy Standing: Na década de 1980, escrevi e co-escrevi uma série de monografias sobre o crescimento da flexibilidade do mercado de trabalho em oito países europeus, incluindo a Suécia e a Finlândia – exaltados pelos social-democratas como próximos do Nirvana – e concluí que seus modelos eram insustentáveis. Eu estava convencido de que as políticas econômicas neoliberais, perseguidas por Thatcher e Reagan, produziriam fragmentação de classes e intensificariam as desigualdades.

Com financiamento da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sob a égide da ONU, juntei dados de 80.000 empresas e 68.000 trabalhadores em 20 países. Eu pessoalmente entrevistei centenas de gerentes de fábrica, junto com milhares de trabalhadores. Meus colegas e eu produzimos um relatório abrangente de 500 páginas, Segurança Econômica para um Mundo Melhor (2004), para a OIT. Representantes dos EUA no conselho de diretores da OIT imediatamente atacaram. O diretor da OIT retirou o relatório. Pouco depois, renunciei e comecei a trabalhar no precariado.

Você escreve sobre a relação entre os quatro A’s: raiva (anger, em inglês), anomia, ansiedade e alienação, que são amplamente compartilhados entre as classes nos EUA e na França: daí Trump e seus apoiadores aqui e os gillets jaunes lá. Os conceitos não são novos, são?

Guy Standing: É verdade que sempre houve raiva, ansiedade, alienação e anomia. O que é distintivo agora é que os membros do precariado tendem a sofrer agudamente de todos os quatro ao mesmo tempo. A anomia provém de uma baixa probabilidade de mobilidade ascendente. Alienação decorre de ter que fazer muitas atividades que não se quer fazer, mas é capaz de fazer. A ansiedade origina-se da incerteza econômica crônica, e a insegurança e a raiva derivam, em grande parte, do sentimento de que nenhum partido ou político no mainstream articula uma agenda voltada para o precariado.

O precariado é um grupo homogêneo?

Guy Standing: Não, está dividido em três facções: atavistas que olham para trás e querem reviver um passado perdido e que tendem a votar em neofascistas e populistas; os nostálgicos, que são principalmente imigrantes e não-cidadãos que sentem que não têm lar em nenhum lugar do mundo e mantêm a cabeça baixa politicamente, exceto em raros dias em que expressam sua raiva; e os progressistas, que vão para a faculdade e universidade e se formam com dívidas e uma existência baseada em pequeninas tarefas.

À medida que o número de progressistas cresce, o mesmo acontece com o seu reengajamento político. Eles não são apenas vítimas. Eles têm se infiltrado em partidos social-democratas moribundos e estão estabelecendo novos partidos e movimentos próprios. Muitos deles estão fazendo campanha por uma renda básica, uma política que defendo há 30 anos.

Do que trata o seu livro The Corruption of Capitalism (2017)?

Guy Standing: Eu argumento que estamos em uma era do capitalismo rentista e não temos uma economia de mercado livre. Na conclusão desse livro, escrevo que apenas uma revolta do precariado (que se espera pacífica) levará a um novo sistema distinto de distribuição. Eu também digo que o principal antagonista do proletário tradicional era o chefe, o capitalista, e que o principal antagonista do precariado é o próprio estado.

Conheci e ainda conheço pessoas que estão em precárias condições econômicas e sociais. Você também?

Guy Standing: Eles estão em toda parte e todos estão se perguntando para onde estão indo (se é que estão indo a algum lugar).

Fonte: CounterPunch
Texto: Jonah Raskin
Tradução: DMT
Data original da publicação: 19/03/2019

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *