Greve geral de 24 horas afeta vários setores na Argentina

A greve geral de 24 horas, liderada pelo setor de transportes, paralisou uma série de serviços na Argentina na última terça-feira (31/04). O movimento grevista afetou a frota de ônibus, trens, metrô e caminhões. A greve afetou também os bancos.

Por causa da paralisação, as empresas aéreas TAM, LAN e Gol cancelaram os voos à Argentina ou provenientes do país. A Aerolineas Argentinas avisou, em sua página oficial, que o movimento afetarou as operações dos dias 31 de março e 1º abril e autorizou os passageiros, com viagens nesses dias, a remarcar os bilhetes até 30 de junho, sem multas ou ajustes. Quem quiser, também poderá receber  reembolso de 100%.

A greve teve a adesão dos sindicatos opositores da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA) e da Central Geral de Trabalhadores (CGT). Eles pedem a correção do limite de isenção do imposto sobre os salários, que atualmente está em 15 mil pesos, o equivalente a R$ 5,5 mil.

Alguns táxis trabalharam, mas bloqueios nas principais vias de acesso às grandes cidades impediram muitos argentinos de ir ao trabalho. As escolas e lojas permaneceram abertas, mas muitos alunos, professores e vendedores não puderam comparecer.

Esta é a quarta greve geral enfrentada pela presidenta Cristina Kirchner, que está no final do segundo mandato. As eleições presidenciais serão em outubro, mas ela não pode se candidatar ao terceiro mandato consecutivo.

[divide]

Fonte: Agência Brasil
Texto: Mônica Yanakiew
Data original da publicação: 31/03/2015

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *