Fazendo a história do capitalismo

Manifestantes com faixa “Mudança de sistema, não mudança climática”, durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2009 – COP15 – Copenhagen, Dinamarca. Manifestantes com faixa “Mudança de sistema, não mudança climática”, durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2009 – COP15 – Copenhagen, Dinamarca. Fotografia: Kris Krüg/Flickr

Perecer ou transformar radicalmente a maneira como nos relacionamos uns com os outros e com a natureza, essa é a questão que a humanidade nunca teve que enfrentar – até agora.

Faramarz Farbod

Fonte: CounterPunch
Tradução: DMT
Data original da publicação: 07/06/2019

Perecer ou transformar radicalmente a maneira como nos relacionamos uns com os outros e com a natureza, essa é a questão que a humanidade nunca teve que enfrentar – até agora.

A evidência que sustenta a afirmação acima é forte e se acumula. No entanto, permanece um problema teimoso de consciência, pois muitos que entendem os perigos que a humanidade enfrenta não conseguem conectá-los à sua fonte: a organização capitalista da vida planetária. A falha em abordar este problema somente garantirá que o futuro previsível, caracterizado por um imenso sofrimento associado a um colapso social generalizado e à ruína ecológica em escala planetária, venha a acontecer.

Neste breve ensaio, tratarei desse problema de conscientização, abordando uma série de questões relacionadas a temas que são frequentemente levantadas por aqueles que questionam se a fonte dos problemas que atualmente enfrentamos pode ser razoavelmente considerada como sendo o sistema capitalista.

Perguntas

Por que escolher o capitalismo quando as pessoas, desde tempos imemoriais, têm lutado contra vários tipos de degradação ambiental? Os seres humanos não experimentaram questões como erosão e esgotamento do solo, caça excessiva e extração generalizada antes do advento da ordem social capitalista? O problema não está localizado mais precisamente no tipo de interação humana com a natureza que a vida humana organizada exige? Afinal de contas, os maias, uma civilização sofisticada composta por 19 milhões de pessoas, não experimentaram um rápido colapso em apenas um século devido a uma seca que havia sido severamente exacerbada pelo rápido desmatamento? Por que, então, colocar a culpa no capitalismo e não na própria vida humana organizada, especialmente considerando que os avanços revolucionários na tecnologia possibilitaram um aumento dramático nas populações humanas e aumentaram enormemente o impacto das ações humanas sobre o meio ambiente?

Uma resposta

É verdade que os povos da antiguidade enfrentaram a degradação ambiental. Por exemplo, o desmatamento foi responsável por 60% da seca que levou ao rápido colapso dos maias durante os séculos VIII e IX[1]. Hoje, em contraste, o alcance ecológico dos problemas que enfrentamos é global e ameaça quase toda a vida no planeta. Esta é a primeira característica única da era contemporânea.

A ciência, de fato, nos diz que agora estamos vivendo um momento de “fazer ou morrer” na história.

Considere o aquecimento global, já que a Terra está registrando os níveis mais altos de carbono atmosférico em mais de três milhões de anos. O planeta teve aumento de aquecimento de um grau Celsius desde o início da era industrial. “Limitar o aquecimento global a 1,5 ° C [comparado a um catastrófico 2 ° C acima do nível pré-industrial] exigiria mudanças rápidas, de longo alcance e sem precedentes em todos os aspectos da sociedade”, diz o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), o grupo da ONU responsável por avaliar a ciência relacionada à mudança climática.[2]

Tome o aquecimento dos oceanos. Desde 1871, os oceanos têm aquecido em média por um equivalente a cerca de 1,5 bombas atômicas do tamanho da de Hiroshima por segundo. O aquecimento acelerou conforme as emissões de carbono aumentaram. Hoje esse equivalente é entre 3 e 6 bombas atômicas por segundo. Os oceanos absorvem mais de 90% do calor retido pelas emissões antropogênicas de gases de efeito estufa. Essa energia adicional aumenta o nível do mar e faz com que furacões e tufões se tornem mais intensos.[3]

Ou pegue a taxa acelerada de extinção de espécies na Terra. Um novo relatório da ONU projeta a extinção de um milhão de espécies animais e vegetais em décadas, representando um oitavo do número total de espécies. O relatório é o mais abrangente já concluído envolvendo 145 especialistas de 50 países, com a contribuição de outros 310 colaboradores, ao longo de uma revisão sistemática de três anos de 15.000 fontes científicas. “A evidência esmagadora”, conclui, “apresenta um quadro sinistro”. “Estamos erodindo as próprias fundações de nossas economias, meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida em todo o mundo”. É urgente uma mudança transformadora imediata, que significa “uma reorganização fundamental em todo o sistema, através de fatores tecnológicos, econômicos e sociais, incluindo paradigmas, metas e valores”.[4]

A segunda característica, e relacionada, da era contemporânea, é que não estamos mais testemunhando sociedades cujas atividades ameaçam sua existência, mas uma ordem econômica globalizada cujas operações normais ameaçam a vida em escala planetária. Ou seja, estamos lidando com um sistema econômico capitalista com alcance global. É precisamente porque o alcance do sistema é global que o dano que inflige nos sistemas de suporte à vida é tão difundido que o coloca em um trágico curso de colisão com a própria Terra.

É crucial perceber que esse dano generalizado se origina do funcionamento normal do sistema e não de seu mau funcionamento.[5] A natureza sistêmica da degradação ecológica deve nos obrigar a analisar, com sentidos sóbrios, as forças motrizes centrais do sistema como um todo. Estas são: (a) uma fome gigantesca pelo crescimento sem fim, impulsionado pelo “cálculo egoísta” do comércio visando a máxima rentabilidade; (b) o tratamento do trabalho humano como capital de custo para se opor ao trabalho que captura uma parte justa da riqueza que ele cria, e (c) a determinação de investimentos massivos por interesses privados e, cada vez mais, por uma classe capitalista transnacional, uma minúscula porção da população global total.[6]

Vamos ao último ponto. Peter Phillips mostra em seu recente livro Giants: The Global Power Elite, que apenas 199 pessoas gerenciam 17 empresas de investimentos transnacionais que juntas controlavam US $ 41 trilhões em ativos em 2017. Eles, os governos que os acomodam e outras redes de poder que estabeleceram, são primariamente motivados por garantir investimentos de capital livres de qualquer resistência, com máximo retorno sobre o investimento e com estados-nação como “zonas de contenção da população” para capital global.[7]

Até agora, concentrei-me na natureza global do capitalismo e seu impacto no ecossistema do planeta. O capitalismo, no entanto, intensificou seu ataque não apenas contra este belo planeta, mas contra as pessoas que o habitam. Em toda parte, os senhores do capital usam as diferenças de classe, raça, gênero, sexualidade e nacionalidade para dividir o povo e manter o regime de exploração brutal, acumulação e dominação a salvo de qualquer desafio sério. É da natureza do capital sacrificar o povo e o planeta no altar da acumulação por causa da acumulação.

De que outra forma podemos entender os fatos de que os 2.200 bilionários do mundo aumentaram sua riqueza em US $ 2,5 bilhões por dia em 2018, enquanto quase metade da humanidade (3,4 bilhões de pessoas) vive com menos de US $ 5,50 por dia; que os super-ricos armazenaram US $ 7,6 trilhões de sua riqueza em paraísos fiscais offshore em 2015, enquanto cerca de 10 mil morrem diariamente por falta de acesso a cuidados de saúde; e que o orçamento de saúde da Etiópia, um país de 105 milhões de habitantes, é quase equivalente a apenas 1% de imposto sobre a fortuna de Jeff Bezos (US $ 112 bilhões), o homem mais rico do mundo?[8]

Olhando adiante

A classe dominante não tem boas ideias sobre como lidar com as crises existenciais que a reprodução de sua própria dominação de classe gera. Também não podemos supor que ela tenha uma compreensão séria do sistema ou das formas de melhorar suas consequências socioecológicas. De fato, a crescente concentração de riqueza em suas mãos garante que nenhuma solução – mesmo se for obrigada a aceitá-la por pressões de baixo – pode permanecer eficaz por muito tempo e não estar sujeita à reversão.

Cabe a nós, portanto, libertar nossas mentes e adquirir a consciência “nós” necessária para montar um sério desafio ao capitalismo global e seus subprodutos: imperialismo, neoliberalismo, guerra e militarismo, racismo, sexismo, pobreza e, especialmente , a destruição do ecossistema.

Há alguns sinais encorajadores de que os jovens começaram a responder à mais recente crise. Em 24 de maio de 2019, centenas de milhares de pessoas participaram de um movimento de greve estudantil em mais de 1664 cidades de 125 países, pedindo ações para enfrentar a crise ecológica. No início de 15 de março de 2019, mais de 1,6 milhões de pessoas em 133 países em mais de 2000 lugares compareceram a essas demonstrações. Outros movimentos ambientais haviam surgido anteriormente. No final de abril deste ano, a Extinction Rebellion, um grupo britânico, ocupou grandes locais em Londres por dez dias, o que levou o governo britânico a declarar estado de “emergência climática”, que recebeu aprovação do parlamento em 1º de maio. Nos EUA, o movimento Sunrise, composto por jovens ativistas, tem pressionado os políticos a adotarem um New Deal Verde[9].

O tempo, no entanto, não está do nosso lado. Devemos agir com mais força e em direções mais radicais antes que toda a gama de catástrofes que nos espera se materialize. Não devemos ficar satisfeitos em apenas pressionar os políticos a se alinharem com os objetivos do Acordo de Paris. Este último é apenas um passo em direção à longa revolução ecológica necessária para criar uma sociedade justa, livre e sustentável. Um New Deal Verde deveria, por exemplo, assumir o papel de militarismo e guerra na destruição da ecologia do planeta.

Mas só podemos fazê-lo se tentarmos enxergar além das mistificações ideológicas que o sistema gera para camuflar sua natureza e se nos envolvermos em políticas anti-capitalistas sérias vindas de baixo. Só então poderemos gerar uma esperança radical de transformar fundamentalmente a maneira como nos relacionamos uns com os outros e com a natureza. Essa esperança radical baseia-se na premissa de que somos capazes de racionalidade coletiva e podemos agir proativamente para evitar desastres previsíveis. Confiar apenas em formas reativas de consciência e ação não servirá. Não podemos saltar para ação (limitada) em reação aos desastres socioecológicos já ocorridos e esperar superar as fontes das múltiplas crises que estamos enfrentando.

Como o Dr. King disse certa vez: “Somos confrontados com a urgência feroz de agora”. Há, disse ele, “uma coisa chamada ‘pode ser tarde demais'”, especialmente agora e em relação ao rápido desdobramento das tendências ecocidas do sistema. Mas como o pior ainda está por vir, devemos insistir com Marx que a humanidade seja “finalmente obrigada a encarar com sentidos sóbrios as suas verdadeiras condições de vida e as suas relações com a suas verdadeiras condições de vida e as suas relações com a sua espécie”[11] e, eu acrescentaria, à natureza, e agir para transformar o mundo de acordo.

Notas:

1] https://www.smithsonianmag.com/science-nature/why-did-the-mayan-civilization-collapse-a-new-study-points-to-deforestation-and-climate-change-30863026/
2] https://www.ipcc.ch/2018/10/08/summary-for-policymakers-of-ipcc-special-report-on-global-warming-of-1-5c-approved-by-governments/
3] https://www.theguardian.com/environment/2019/jan/07/global-warming-of-oceans-equivalent-to-an-atomic-bomb-per-second?CMP=share_btn_fb&fbclid=IwAR3JOUz_yCtyaShqo5Q1PV2CsN-vh2Fzen_fNrX4agQdeDzwOWv7kiPGAH8
4] https://www.un.org/sustainabledevelopment/blog/2019/05/nature-decline-unprecedented-report/
5] Há aqueles que culpam a superpopulação como o fator mais importante na degradação ecológica. Eles geralmente ignoram a questão da distribuição de recursos. Os 10% mais ricos do mundo, por exemplo, usam cerca de 60% dos recursos do planeta e são responsáveis por uma parcela similar de poluentes globais lançados na atmosfera. Veja Fred Magdoff e Chris Williams, Creating An Ecological Society: toward a revolutionary transformation, (New York, Monthly Review Press, 2017), 50.
6] Faramarz Farbod, “It’s Capitalism, Stupid!,” MRonline, June 2, 2015, https://mronline.org/2015/06/02/farbod020615-html/
7] Peter Phillips, Giants: The Global Power Elite, (New York, Seven Stories Press, 2018), Chapters 1, 3 (Kindle edition)
8] https://www.oxfamamerica.org/static/media/files/bp-public-good-or-private-wealth-210119-en.pdf
9] http://time.com/5595365/global-climate-strikes-greta-thunberg/
10] https://news.dartmouth.edu/news/2016/11/fierce-urgency-now-honoring-martin-luther-king-jr
11] https://www.marxists.org/archive/marx/works/1848/communist-manifesto/ch01.htm

Faramarz Farbod é professor de ciência política no Moravian College e fundador de um grupo local chamado Beyond Capitalism Working Group.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *