Do lixo à mercadoria, do trabalho ao desgaste: estudo do processo de trabalho e suas implicações na saúde de catadores de materiais recicláveis

Autora: Tanyse Galon
Orientadora: Maria Helena Palucci Marziale
Ano: 2015
Tipo: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Programa de Pós-Graduação Enfermagem Fundamental
Repositório: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP
Resumo: O trabalho dos catadores de materiais recicláveis, embora promova ganhos ambientais à sociedade e econômicos à cadeia de reciclagem, está inserido no contexto de informalidade e invisibilidade social. Esses trabalhadores conferem ao lixo o caráter de nova mercadoria com valor de troca, porém sofrem o processo de desgaste da saúde. Este estudo teve como objetivo compreender o processo de trabalho e suas implicações na saúde de catadores de materiais recicláveis, por meio da participação ativa dos próprios trabalhadores. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, desenvolvida com um grupo de catadores autônomos da cidade de Ribeirão Preto – SP, que vendem seus materiais para uma empresa de comércio de recicláveis. A coleta de dados foi desenvolvida entre maio e dezembro de 2013 por meio das seguintes etapas: 1. Observação do trabalho dos catadores durante o processo de venda dos materiais na empresa, com registro dos dados em diário de campo; 2. Entrevistas individuais e semi-estruturadas com 23 catadores, selecionados por meio da amostragem por saturação teórica; 3. Aplicação do método Fotovoz com a participação de dez catadores, visando compreender o cotidiano de trabalho e as circunstâncias que poderiam levá-los ao desgaste da saúde. Nesta etapa, os trabalhadores produziram e apresentaram suas fotografias em grupos de discussão, gerando temas de análise que foram complementados pelas entrevistas individuais, formando um corpus de materialidade essencial para o alcance dos objetivos da pesquisa. O referencial teórico adotado foi o materialismo histórico no estudo da saúde dos trabalhadores. Os dados foram analisados a partir da Hermenêutica-Dialética, que permitiu um salto interpretativo no encontro entre as categorias empíricas e analíticas. Os resultados foram descritos e analisados em torno de quatro categorias temáticas: Condição do catador no interior da cadeia produtiva; Cotidiano de trabalho: “O catador se vira como pode”; Cargas de trabalho: manifestações da precarização laboral; Do trabalho ao desgaste da saúde. Os catadores vivenciam um cotidiano laboral caracterizado pela falta de recursos instrumentais e desvalorização do trabalho, intensificado por sua inserção desigual na cadeia de reciclagem, o que se materializa na baixa renda adquirida e no trabalho dominado e explorado. Os catadores também enfrentam cargas laborais, dentre elas a exposição a materiais biológicos, risco de atropelamento, peso excessivo no transporte dos recicláveis e preconceito e desvalorização do trabalho. Tais circunstâncias são agravadas pela ausência de recursos de segurança no trabalho, visto que estão inseridos no mercado informal, sem direitos trabalhistas. Como manifestações do desgaste da saúde, os catadores relataram problemas osteomusculares, ansiedade, estresse e ocorrência de acidentes de trabalho, situações que são potencializadas pela falta de acesso a serviços de saúde e pela necessidade de sobrevivência em detrimento da proteção à saúde. Por fim, considera-se que os catadores necessitam de valorização laboral e de políticas públicas efetivas voltadas à melhoria de suas condições de trabalho e saúde.
Arquivo: Acesse aqui o texto completo
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *