Data Favela: 62% dos moradores das favelas usaram R$ 600 para ajudar familiares

Favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. Fotografia: Tomaz Silva/Agência Brasil

A pesquisa inédita “Pandemia na Favela – A realidade de 14 milhões de favelados no combate ao novo Coronavírus”, realizada pelo Data Favela, uma parceria do Instituto Locomotiva, da Central Única das Favelas (CUFA) e da Favela Holding, dá uma visão sobre o momento da pandemia, apontando, entre outros dados, como está a percepção dos moradores das favelas sobre a evolução da pandemia – para a maioria (52%) a pandemia ainda está no meio do caminho.

O levantamento também diz que nas favelas, 80% das famílias estão sobrevivendo com menos da metade de sua renda antes da pandemia, quando apenas em 4% dos casos, a renda familiar se manteve a mesma.

De acordo com o levantamento, a preocupação com a saúde é unanimidade entre os moradores das favelas – 89% estão preocupados com a saúde dos parentes mais velhos; 88% temem perder o emprego e a renda; 71% estão preocupados com a saúde dos mais jovens; 70% estão preocupados com a própria saúde.

O impacto da pandemia na economia das favelas brasileiras também é medido pelo estudo. Hoje, o emprego formal entre os moradores economicamente ativos nas favelas é metade do que no asfalto. O desemprego é o dobro.

Outro aspecto relevante, segundo a pesquisa, é que quase 7 em cada 10 famílias pediram o auxílio emergencial; e 41% ainda não conseguiram receber o auxílio emergencial. Quem conseguiu receber o auxílio emergencial, utilizou o dinheiro para compra de alimentos (96%), produtos de higiene e limpeza (88%), compra de produtos de limpeza (87%), pagamento de contas básicas (68%), compra de remédios (64%) e ajuda a familiares e amigos (62%) – neste momento de necessidade extrema, fica evidente a força dos laços de solidariedade entre os moradores da favela.

Mesmo com todas as dificuldades, proporcionalmente, os moradores de favelas realizaram mais doações para o combate à crise do Covid-19. 63% dos favelados fizeram algum tipo de doação durante a pandemia, enquanto 49% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação durante a pandemia.

Para Renato Meirelles, fundador e presidente do Instituto Locomotiva, também fundador do Data Favela: “Não é verdade que o vírus é democrático. Ele pode atingir todos, mas a desigualdade social no Brasil faz com que os anticorpos dos moradores das favelas sejam diferentes dos moradores do asfalto no combate ao Coronavírus”.

Celso Athayde, CEO da Favela Holding, fundador da CUFA e do Data Favela acredita que as ações não devem parar. “Essa pesquisa deixa claro que a pandemia impactou da pior forma na favela. Precisamos de política pública nesses territórios, porque o estudo também comprova que senso de solidariedade, coletividade e organização a favela tem de sobra”.


Fonte: GGN
Data original da publicação: 25/06/2020

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *