Condições de acesso e permanência das mulheres no movimento sindical

Autora:Verônica de Barros Santos
Orientador:Wilson José Ferreira de Oliveira
Ano:2018
Tipo:Dissertação de Mestrado
Instituição:Universidade Federal de Sergipe. Programa de Pós-Graduação em Sociologia.
Repositório:Repositório Institucional da Universidade Federal de Sergipe
Resumo:Este estudo é uma análise das condições de acesso e permanência das mulheres no movimento sindical. A temática está enquadrada nas discussões sobre a participação política das mulheres e o recorte é o movimento sindical. Considerando que os campos político e sindical foram tradicionalmente dominados pelos homens, e considerando a crescente participação de mulheres, objetivamos investigar os condicionantes da inserção delas nesses espaços. Para tanto, selecionamos como realidade a ser observada a categoria dos Técnico-Administrativos em Educação – TAE, formada pelos profissionais que compõem a esfera administrativa das instituições de ensino superior público brasileiro. Os quadros de representação, antes compostos predominantemente por homens, aos poucos sofreram modificações com a presença das mulheres. Em razão dessas mudanças, propomos pensar os mecanismos que as justificam e enquadramos a análise sob duas perspectivas. Na primeira, situamos a categoria dos TAE frente à instituição que a representa nacionalmente, a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil – FASUBRA Sindical. Nesse aspecto, analisamos a composição da direção nacional e das direções/coordenações dos sindicatos filiados, levando em consideração os percentuais e os lugares ocupados por homens e mulheres. Na segunda, selecionamos um dos sindicatos filiados, o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação da Universidade Federal de Sergipe – SINTUFS. Buscamos apreender as condições de acesso e permanência das mulheres com o enfoque nos aspectos relacionais em torno do engajamento das militantes. O estudo foi norteado a partir da sociologia da militância e da abordagem de gênero, e os principais conceitos e as noções empregados foram: trajetórias, carreiras, divisão sexual do trabalho, engajamento militante e vínculos sociais. Utilizamos diferentes estratégias metodológicas, tais como, a consulta a documentos, a aplicação de questionário, a observação participante e a entrevista biográfica. Identificamos a presença de muitas mulheres nas direções/coordenações das instituições de base da FASUBRA. Contudo, também foi observado diferenças em relação aos lugares ocupados por homens e por mulheres. Os vínculos sociais e algumas experiências encontradas nos itinerários das mulheres emergiram como mecanismo que servem para explicar a entrada e a permanência delas na liderança sindical. Entre os tipos de vínculos, os pessoais tiveram maior relevância, e as experiências educacionais foram os recursos mais significativos para o engajamento. Constatamos que, de modo geral, o aumento de mulheres no movimento sindical está associado à participação delas no mercado de trabalho e às transformações culturais e sociais que envolvem o papel da mulher na sociedade. As sindicalistas justificaram que, a conscientização da necessidade de ocupação dos espaços políticos pelas mulheres e, principalmente, o compromisso com a classe trabalhadora foram os motivos do seu engajamento militante.
Arquivo: Acesse aqui o texto completo
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *