China: prisão massiva de ativistas dos direitos laborais em Guangzhou

Entre os detidos encontram-se quatro líderes de ONG’s dos direitos laborais: Zeng Feiyang (diretor do Centro dos Trabalhadores de Panyu), He Xiaobo, Chen Huihai e Peng Jiayong. Nas 4 ONG´s foram ainda detidas mais seis pessoas.

Segundo o site libcom.org, os ativistas foram detidos nas suas casas ou nas sedes das ONG´s pelas autoridades policiais, sob acusações normalmente usadas na perseguição de ativistas sociais. No momento das detenções, as respectivas casas e sedes foram revistadas pela polícia.

He Xiaobo foi preso, sob a acusação de peculato, à saída de casa, que a polícia revistou, apreendendo material de trabalho, produtos eletrônicos e registros contabilísticos.

Zeng Feiyang foi preso sob a acusação de mobilização de massas para pôr em causa a ordem social e está detido em Panyu, juntamente com a ativista Zhu Xiaomei, que tem uma filha de um ano de idade, da qual não foi separada.

Vários ativistas e trabalhadores das ONG’s foram libertados depois de serem interrogados pela polícia durante várias horas. Outros ativistas continuam ainda detidos, incontactáveis e, alguns em local desconhecido.

O libcom.org considera que esta repressão é uma tentativa de eliminar as quatro ONG’s e a atividade que desenvolvem na defesa dos direitos laborais no Delta do Rio das Pérolas e salienta que na China os ativistas são regularmente acusados de “perturbar a ordem pública”, “comportamento desordeiro” e “operação de negócio ilegal.”

A organização China Labour Bulletin (CLB) realça que esta repressão se dá num momento em que os conflitos laborais aumentam em Guangdong em que várias fábricas tradicionais do Delta do Rio das Pérolas estão a fechar ou a deslocalizar-se, deixando os trabalhadores com salários em atraso, sem indemnizações por despedimento e sem descontos para a Segurança Social.

O mapa de greves na China da CLB aponta que o número de greves e protestos em Guangdong duplicou nos últimos meses, passando de 23 incidentes em julho para 52 em outubro e 56 de novembro.

A CLB sublinha que num dos mais recentes conflitos cerca de 40 trabalhadores do saneamento, apoiados pelo Centro dos Trabalhadores de Panyu, conseguiram ser indenizados por fim de contrato, com base nos anos de casa, e obtiveram contratos com a nova empresa contratante.

Neste conflito (ver vídeo abaixo), a ação da ativista Zhu Xiaomei foi decisiva, assim como numa luta das trabalhadoras de uma fábrica de sapatos, refere a CLB.

[divide]

Fonte: Esquerda.Net
Data original da publicação: 06/12/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *