Centrais defendem contribuição assistencial e condenam intervenção do MPT

Reunidos na quarta-feira, dia 11, na sede da União Geral dos Trabalhadores (UGT), os dirigentes das principais centrais sindicais brasileiras acertaram a elaboração de um documento unitário em defesa da contribuição assistencial, como mecanismo de sustentação financeira das entidades sindicais.

Os dirigentes também condenaram a atuação do Ministério Público do Trabalho, que vem promovendo ações de intervenção que restringem a liberdade e enfraquecem o movimento sindical.

Participaram do encontro representantes da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da Força Sindical, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), da Nova Central, da CSP-Conlutas, Central dos Sindicatos do Brasil (CSB) e da UGT, que foi anfitriã do encontro.

Para o presidente da UGT, Ricardo Patah, o Ministério Público tem exacerbado em suas funções, impondo de que forma devem se dar as contribuições, em detrimento do que rege os estatutos das entidades e decisões estabelecidas em assembleias legítimas das categorias profissionais.

No encontro, além da elaboração de um documento conjunto entre as centrais, ficou definido a realização de encontros com representantes do Ministério Público do Trabalho, e também com representantes do Legislativo e do governo para se chegar a uma proposta que atenda as necessidades das entidades sindicais, afim de que possam manter uma estrutura para o enfrentamentos das lutas e ações em defesa de novas conquistas para a classe trabalhadora.

[divide]

Fonte: UGT, com ajustes
Data original da publicação: 11/09/2013

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *