Combate à escravidão muda foco de pequenas oficinas para grandes grifes

Um negócio obscuro floresce em oficinas de costura clandestinas no estado de São Paulo. Nelas, centenas ou até mesmo milhares de imigrantes ilegais trabalham em condições que lembram a escravidão. Eles são na maioria bolivianos, que trabalham de segunda a sábado, das 7h à meia-noite, ganhando menos de 400 dólares por mês, produzindo muitas vezes para grandes grifes do mercado vestuário. As confecções de roupas que se valem desse trabalho análogo ao escravo conseguem obter uma vantagem competitiva de mais … >>>

Trabalho só pode ser decente se for seguro e saudável

Palestra da diretora da OIT reforça a necessidade de uma política nacional de segurança e saúde do trabalho. Laís Abramo luta por trabalhos e empregos de qualidade, ambientalmente sustentáveis, permanentes, para jovens e outros grupos menos favorecidos.… >>>