Be­ne­fí­cio de quem já conseguiu desaposentação fi­ca em aber­to

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­cluiu nesta quarta-feira o jul­ga­men­to so­bre a pos­si­bi­li­da­de de de­sa­po­sen­ta­ção, quan­do apo­sen­ta­dos que vol­tam a tra­ba­lhar e con­tri­buir pa­ra a Pre­vi­dên­cia pe­dem re­vi­são do be­ne­fí­cio a maior. O STF, no en­tan­to, não de­ci­diu so­bre a si­tua­ção de quem já con­quis­tou o ven­ci­men­to maior por meio de de­ci­sões de ou­tros tri­bu­nais. A dú­vi­da ago­ra é se os va­lo­res te­rão de ser de­vol­vi­dos.

Em jul­ga­men­to com im­pac­to bi­lio­ná­rio nas con­tas da União, os mi­nis­tros re­jei­ta­ram na quar­ta-fei­ra, por 7 vo­tos a 4, a pos­si­bi­li­da­de de re­cál­cu­lo da apo­sen­ta­do­ria pa­ra quem vol­ta ao mer­ca­do de tra­ba­lho for­mal. Se­gun­do a pre­si­den­te do STF, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia, as dú­vi­das que even­tual­men­te sur­gi­rem com a de­ci­são da Cor­te po­de­rão ser es­cla­re­ci­das por meio da apre­sen­ta­ção de em­bar­gos de de­cla­ra­ção, que são um re­cur­so pa­ra es­cla­re­ci­men­to de al­gum pon­to da de­ci­são con­si­de­ra­do con­tra­di­tó­rio, omis­so ou du­vi­do­so.

Pa­ra que o re­cur­so se­ja apre­sen­ta­do, é ne­ces­sá­rio que a de­ci­são do jul­ga­men­to se­ja pu­bli­ca­da no Diá­rio da Jus­ti­ça, o que de­ve ocor­rer em até 60 dias. Na ses­são de on­tem, os mi­nis­tros do STF fi­xa­ram a te­se do jul­ga­men­to da de­sa­po­sen­ta­ção, que é uma es­pé­cie de re­su­mo do en­ten­di­men­to da Cor­te so­bre o te­ma.

A te­se fi­xa­da pe­lo STF é a de que “no âm­bi­to do Re­gi­me Ge­ral de Pre­vi­dên­cia So­cial (RGPS), so­men­te lei po­de criar be­ne­fí­cios e van­ta­gens pre­vi­den­ciá­rias, não ha­ven­do, por ora, pre­vi­são le­gal do di­rei­to à ‘de­sa­po­sen­ta­ção’, sen­do cons­ti­tu­cio­nal a re­gra do ar­ti­go 18, pa­rá­gra­fo 2, da lei 8213/91”.

Per­ple­xi­da­de

Se­gun­do o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­do­wski, que vo­tou a fa­vor da de­sa­po­sen­ta­ção, hou­ve “per­ple­xi­da­de” com o re­sul­ta­do do jul­ga­men­to por par­te de quem já te­ve o be­ne­fí­cio ga­ran­ti­do por de­ci­sões ju­di­ciais. “Es­sa é uma ma­té­ria so­bre a qual o STF não se de­bru­çou, por exem­plo, aque­las pes­soas que se apo­sen­ta­ram, ou se de­sa­po­sen­ta­ram e ob­ti­ve­ram no­va apo­sen­ta­do­ria, em fa­ce de de­ci­sões ju­di­ciais tran­si­ta­das em jul­ga­do. Exis­tem al­gu­mas ques­tões pen­den­tes”, des­ta­cou Lewan­do­wski.

“Eu não sei se con­vi­ria ao STF des­de lo­go se pro­nun­ciar so­bre es­sa ques­tão ou dei­xar que ela ve­nha, a par­tir de ca­sos iso­la­dos, pos­sam ser de­ci­di­dos, mas de qual­quer ma­nei­ra ape­nas que­ria di­zer que es­sa é uma preo­cu­pa­ção e ho­je se re­fle­te in­clu­si­ve nos jor­nais. Há uma cer­ta per­ple­xi­da­de por par­te da­que­les que fo­ram, de al­gu­ma for­ma, be­ne­fi­cia­dos por de­ci­sões ju­di­ciais ga­ran­tin­do no­va apo­sen­ta­do­ria”, res­sal­tou Lewan­do­wski

Acór­dão

Se­gun­do Cár­men Lú­cia, o Ins­ti­tu­to Na­cio­nal do Se­gu­ro So­cial (INSS) não vai to­mar ne­nhu­ma ati­tu­de sem o co­nhe­ci­men­to am­plo da de­ci­são do tri­bu­nal, por meio da pu­bli­ca­ção do acór­dão no Diá­rio da Jus­ti­ça. “A par­tir do acór­dão, é que eles te­riam, se fos­se o ca­so, os re­cur­sos ca­bí­veis, por exem­plo em­bar­gos, pa­ra sa­ber em que eles acham que há omis­são e tal­vez fos­se o es­pa­ço apro­pria­do e a via pro­ces­sual apro­pria­da pa­ra ques­tio­na­men­to, até por­que nós não te­ría­mos co­mo ago­ra vis­lum­brar to­das as si­tua­ções que um ou ou­tro acha que po­de ser cui­da­da. Se a gen­te ti­ves­se de re­sol­ver va­ria­das si­tua­ções, nós rea­bri­ría­mos era o jul­ga­men­to”, afir­mou Cár­men.

A ad­vo­ga­da-ge­ral da União, Gra­ce Men­don­ça, dis­se na quar­ta que o go­ver­no dis­cu­te a pos­si­bi­li­da­de de pe­dir o res­sar­ci­men­to aos co­fres pú­bli­cos da­que­les que já ti­ve­ram a apo­sen­ta­do­ria re­cal­cu­la­da. Se­gun­do Gra­ce, o INSS fa­rá um le­van­ta­men­to com­ple­to so­bre a de­sa­po­sen­ta­ção e ana­li­sa­rá ca­so a ca­so, re­cor­ren­do con­tra a con­ces­são do be­ne­fí­cio. A de­ci­são do STF tem re­per­cus­são ge­ral e tra­rá im­pli­ca­ções pa­ra cer­ca de 182 mil pro­ces­sos que es­tão em tra­mi­ta­ção nas di­fe­ren­tes es­fe­ras ju­di­ciais de to­do o país.

[gap]

Fonte: Estado de Minas, com Agência Estado
Data original da publicação: 27/10/2016

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *