Aviso: “Somos todos Uber: se consumimos ‘low cost’, geramos empregos ‘low cost’”

Fotografia: Getty Images

O trabalho não é mais para toda a vida, asseguram vários especialistas reunidos em Barcelona, e a alternativa não tem porque ser um ‘rider‘.

Esther Paniagua

Fonte: El País
Tradução: DMT
Data original da publicação: 29/09/2019

Sempre se fala do futuro do trabalho no singular e de que não existe uma solução possível. ” A frase de Liliana Arroyo, pesquisadora do Instituto ESADE de Inovação Social, resume a essência do debate em torno do futuro do trabalho. Ela lamenta que, quando pensamos em plataformas e trabalho, geralmente estamos travados no debate sobre se os entregadores da Deliveroo ou os motoristas do Uber são funcionários ou trabalhadores autônomos. “Existem muitas plataformas para cobrir muitas necessidades e nem todas nas mesmas condições. O trabalho foi pixelizado, não é mais uma foto estática de um trabalho para toda a vida ”, acrescenta Arroyo. Essa é a conclusão do estudo O debate sobre o mercado de trabalho digital. Plataformas, Trabalhadores, Direitos e WorkerTech de Albert Cañigueral, o alma mater do evento ‘Remodelando o Trabalho’ (uma iniciativa sem fins lucrativos nascida em 2016 em Amsterdã) que a Ouishare trouxe esta semana para Barcelona. 

O novo comissário de Inovação Digital, Administração Eletrônica e Boa Governança da Prefeitura de Barcelona – Michael Donaldson – observa que a palavra estabilidade em todas as facetas e, em particular, no trabalho, tende a desaparecer (e que a Administração Pública é uma das poucas exceções a essa regra). “A Internet está assumindo uma revolução digital à altura da Revolução Industrial, e é essencial entender para onde essas mudanças estão indo”, diz ele.

Contra as declarações grandiloquentes, se manifesta a autora e pesquisadora da Universidade de Castilla La Mancha Luz Rodríguez, membro do Conselho Consultivo de Sagardoy e ex-secretária de Estado do Emprego do Governo espanhol (2010-2012). “As narrativas não são inocentes. Sobre a tecnologia se diz que tudo é radicalmente novo e perturbador e que devemos banir tudo o que foi feito até agora: é a ideia da obsolescência das garantias e instituições de trabalho ”, diz Rodríguez. Na sua opinião, esse é um erro preocupante. “O que há agora não é radicalmente novo e você não deve jogar fora tudo o que foi construído no passado, incluindo os direitos”.

Rodriguez acredita que, no entanto, precisamos nos adaptar à nova realidade e que devemos fazer isso de maneira dialógica: “Precisamos ter uma grande conversa sobre o impacto da tecnologia em nossas vidas e empregos e sobre o que queremos que sua canalização seja. Não precisamos ir onde o avanço tecnológico nos leva, mas temos que definir esse avanço ”, diz ele. A pesquisadora destaca cinco áreas de impacto trabalhista da tecnologia. A primeira é empregabilidade e treinamento: entre o que é destruído e o que é criado, haverá uma transformação do trabalho para o qual se deve estar preparado. “Sem formação para o avanço da tecnologia, boa parte da população não será empregável”. A especialista argumenta que a arquitetura institucional das políticas de emprego e qualificação profissional não permite fazê-lo adequadamente “, uma vez que é disfuncional para o objetivo do desafio de treinar grandes camadas da população para a nova era digital”.

O tempo de trabalho também muda, pois a tecnologia permite trabalhar a qualquer hora e lugar. “Isso gera uma autonomia que nunca tivemos antes, mas que, se não tomarmos cuidado, pode se converter em ter que trabalhar a todo momento e em qualquer lugar, fazendo com que perdamos autonomia”, diz Rodríguez. Todas as fronteiras que marcaram as instituições trabalhistas por mais de um século foram derrubadas” – diz ela. “Desse modo, temos que falar sobre novos instrumentos, como o direito à desconexão”.

O controle da privacidade também se torna um elemento a ser considerado: embora a tecnologia nos permita ser mais livres na relações tranalhistas, ela também nos permite controlar tudo o que fazemos: quando, onde trabalhamos e com quais resultados. “O reconhecimento dos direitos digitais da transparência, das obrigações de informação, participação e negociação por parte dos trabalhadores, deve equilibrar o fortalecimento do poder empresarial vinculado aos mecanismos tecnológicos, para que não nos transforme em puras máquinas ao ditar os comandos e controles que emite a tecnologia ”, afirma.

A saúde e a proteção social são os outros dois elementos da lista. Como vamos fornecer cobertura em um futuro não muito distante, onde o volume de empregos cairá em torno de 12% [de acordo com os números para a Espanha no relatório O risco de automação para empregos nos países da OCDE’ da OCDE], com idades mínimas de aposentadoria que começam mais tarde e que não são totalmente contínuos ou ascendentes?, pergunta a pesquisadora, que coloca sobre a mesa soluções como a Renda Básica Universal ou a que taxa os robôs.

No que diz respeito à economia de plataforma, enfatiza que menos de 3% da população ativa tem sua principal fonte de renda nas plataformas digitais [de acordo com dados correspondentes ao relatório da Espanha ‘Impressão digital: a plataforma de trabalho na Europa’ da Universidade de Hertfordshire e Ipsos MORI], apesar de estarem no centro do debate. A Espanha é, no entanto, o país da Europa com mais trabalhadores nas plataformas: quase 17% das pessoas em idade ativa já desenvolveram algum tipo de atividade econômica por meio delas. Na maioria dos casos, essa é uma fonte de renda complementar.

Quais trabalhos os trabalhadores de plataformas fazem? “Temos uma ideia errada: os distribuidores e motoristas são uma minoria, em comparação com cerca de 40% de trabalhos simples de computador e serviços jurídicos ou assistência contábil”, destaca. Focar o debate público em uma minoria pode implicar que as medidas adotadas visem apenas a ela e não levem em conta a realidade da maioria.

Carlos del Barrio, Secretário de Políticas Setoriais e Sustentabilidade do CC.OO. da Catalunha, concorda com essa análise. “Nosso último estudo mostra que o trabalho em plataformas é apenas a ponta do iceberg. Embora 19% da população catalã diga que obteve renda pela internet, menos de 5% diz que trabalha ou já trabalhou por meio de uma plataforma. Dessas 280.000 pessoas, diz Del Barrio, entre 1.000 e 2.000 são entregadores. “O trabalho em plataformas está se desenvolvendo em muitas outras áreas, como logística ou tradução ”, comenta. O que o preocupa é que essas pessoas “tenham uma qualificação cada vez mais alta, o que confirma que estudos de nível superior não são mais um ascensor social”.

Apesar dos dados, o debate sobre se os distribuidores que trabalham com empresas como Glovo, Deliveroo, Uber Eats ou Stuart são autônomos ou funcionários continua polêmico, o que se manifestou em ‘Remodelando o trabalho’ através de um grupo de entregadores sindicalizados que culpou representantes da Glovo e da APRA (outro grupo de entregadores) durante sua participação no evento. Se algo ficou claro, é que a única coisa em que diferentes atores concordam é a necessidade de soluções para que não sejam os tribunais que regulem a sentença.

“O modelo de negócios dessas plataformas é baseado na terceirização do trabalho, ou seja, em não reconhecer as cotas sociais e de empregadores que devem ser contribuídas para a seguridade social e em colocar o cumprimento da responsabilidade nas costas dos trabalhadores”, assegura Del Barrio. Rodríguez expõe as possíveis soluções para o problema, para além das reivindicações de uns e outros. Uma opção é criar uma figura alternativa na qual um novo tipo de trabalho é canalizado, que iria além dos entregadores e se estenderia a outros trabalhos on-line, como o de youtuber ou o dos mineradores de criptomoedas.

 Outra opção, da qual o pesquisador é mais favorável, é a francesa, que se afasta do debate sobre a situação legal dos trabalhadores para falar sobre direitos e obrigações. “Existem certos direitos de proteção social que pertencem classicamente ao mundo do trabalho – o direito à saúde, a uma renda estável, a cobertura de doenças e desemprego, férias remuneradas, transparência… – que precisam se expandir para outros modelos de maior vulnerabilidade como esses”, ele diz.

Diante dessa realidade, o que as pessoas podem fazer para se beneficiar dela em vez de sofrer? Rodríguez argumenta que o impacto das plataformas ocorre primeiro através do consumo e, em seguida, repercute no trabalho. Portanto, ele acredita que é essencial que, como consumidores, tomemos consciência do que está acontecendo. “Todos somos Uber. Se consumimos ‘low cost’, geramos mercado de trabalho ‘low cost’“, conclui. 

O número de autônomos está aumentando?

Na estrutura da economia digital, o trabalho freelance cresce devido ao tipo de tarefa que é feita online. Tende-se a supor que esse crescimento tenha um efeito geral sobre a base de autônomos. Uma suposição que, no caso da Espanha, está errada. “Tudo está posto em causa. Há muitas manchetes, mas não muitos dados oficiais ”, diz Jordi Serrano, sócio fundador do Instituto Futuro para o Trabalho. “Os trabalhadores autônomos estão crescendo seis vezes menos do que no ano passado, o boom está estagnado”, diz Celia Ferrero, vice-presidente da Associação de Trabalhadores Autônomos (ATA).

Dizem que o futuro do trabalho é freelance, mas os trabalhadores autônomos não aumentam. O que existe, diz Ferrero, é uma rotatividade muito alta: as pessoas mais velhas saem e muitos jovens começam a entrar, especialmente muitas mulheres e em atividades científicas e técnicas. “Houve uma mudança de perfil dos autônomos na Espanha de que não temos conhecimento”, afirma. Segundo estimativas da ATA, os trabalhadores independentes no país representam entre 15% e 18% do PIB.

Esther Paniagua é uma jornalista independente especializada em ciência, tecnologia e economia digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *