A verdade sobre a economia de Trump

Fotografia: Spencer Platt/Getty Images

Para obter uma boa leitura da saúde econômica de um país, comece analisando a saúde de seus cidadãos. Se forem felizes e prósperos, serão saudáveis e viverão mais. Entre os países desenvolvidos, os Estados Unidos estão no fim da lista nesse sentido.

Joseph E. Stiglitz

Fonte: Democracy Now!, com Project Syndicate
Tradução: César Locatelli
Data original da publicação: 20/01/2020

À medida que as elites empresariais do mundo viajam para Davos para sua reunião anual, as pessoas devem fazer uma pergunta simples: eles superaram seu deslumbramento pelo presidente dos EUA, Donald Trump?

Dois anos atrás, alguns raros líderes corporativos estavam preocupados com as mudanças climáticas, ou incomodados com a misoginia e intolerância de Trump. A maioria, no entanto, estava comemorando os cortes de impostos do presidente para bilionários e corporações e aguardava ansiosamente seus esforços para desregular a economia. Isso permitiria que as empresas poluíssem mais o ar, viciassem mais americanos com os opióides, seduzissem mais crianças a comerem alimentos indutores de diabetes e se engajassem naquele tipo de travessura financeira que provocou a crise de 2008.

Hoje, muitos chefes de corporações ainda estão falando sobre o crescimento contínuo do PIB e os preços recordes das ações. Mas nem o PIB nem o Dow são uma boa medida do desempenho econômico. Nem nos diz o que está acontecendo com os padrões de vida dos cidadãos comuns, nem nada sobre sustentabilidade. Na realidade, o desempenho econômico dos EUA nos últimos quatro anos é o indício chave para não confiar nesses indicadores.

Para obter uma boa leitura da saúde econômica de um país, comece analisando a saúde de seus cidadãos. Se forem felizes e prósperos, serão saudáveis e viverão mais. Entre os países desenvolvidos, os Estados Unidos estão no fim da lista nesse sentido. A expectativa de vida nos EUA, já relativamente baixa, caiu em cada um dos dois primeiros anos da presidência de Trump e, em 2017, a mortalidade na meia-idade atingiu sua taxa mais alta desde a Segunda Guerra Mundial. Isso não é uma surpresa, porque nenhum presidente se esforçou mais para garantir que mais americanos não tivessem seguro de saúde. Milhões perderam a cobertura e a taxa de não-segurados subiu, em apenas dois anos, de 10,9% para 13,7%.

Uma das razões para o declínio da expectativa de vida nos Estados Unidos é o que Anne Case e o economista laureado com o prêmio Nobel, Angus Deaton, chamam de mortes por desespero, causadas por álcool, overdose de drogas e suicídio. Em 2017 (o ano mais recente para o qual existem bons dados disponíveis), essas mortes atingiram quase quatro vezes o nível de 1999.

A única vez em que vi algo desse declínio na saúde – fora de guerra ou epidemias – foi quando eu era economista-chefe do Banco Mundial e descobri que os dados de mortalidade e morbidade confirmavam o que nossos indicadores econômicos sugeriam sobre o estado sombrio da economia russa após a dissolução da União Soviética.

Trump pode ser um bom presidente para o top 1% – e especialmente para o top 0,1% -, mas ele não tem sido bom para nenhum outro grupo. Se totalmente implementado, o corte de impostos de 2017 resultará em aumentos de impostos para a maioria das famílias no segundo, terceiro e quarto quintis de renda.

Dado que os cortes de impostos beneficiam desproporcionalmente os ultrarricos e as empresas, não deveria surpreender que não houvesse uma mudança significativa na renda disponível da família média dos EUA entre 2017 e 2018 (novamente, o ano mais recente com bons dados). A maior parte do aumento do PIB também vai para os que estão no topo. Os ganhos médios semanais reais estão apenas 2,6% acima do seu nível quando Trump assumiu o cargo. E esses aumentos não compensaram longos períodos de estagnação salarial. Por exemplo, o salário médio de um trabalhador do sexo masculino em tempo integral (e aqueles com empregos em tempo integral são os sortudos) ainda está mais de 3% abaixo do que era há 40 anos. Também não houve muito progresso na redução das disparidades raciais: no terceiro trimestre de 2019, os ganhos médios semanais para homens negros, que trabalhavam em período integral, eram menos de três quartos do nível para homens brancos.

Para piorar a situação, o crescimento que ocorreu não é ambientalmente sustentável – e ainda menos graças aos cortes nas regulamentações do governo Trump que passaram por rigorosas análises de custo-benefício. O ar será menos respirável, a água menos potável e o planeta mais sujeito às mudanças climáticas. De fato, as perdas relacionadas às mudanças climáticas já atingiram novos máximos nos EUA, que sofreram mais danos à propriedade do que qualquer outro país – atingindo cerca de 1,5% do PIB em 2017.

Os cortes de impostos deveriam estimular uma nova onda de investimentos. Em vez disso, eles desencadearam uma série de recordes históricos de recompra de ações – cerca de US $ 800 bilhões em 2018 – por algumas das empresas mais rentáveis dos Estados Unidos, e levaram a déficits recordes em tempos de paz (quase US $ 1 trilhão no ano fiscal de 2019) em um país supostamente próximo do pleno emprego. E mesmo com investimentos fracos, os EUA tiveram que tomar empréstimos de grandes proporções no exterior: os dados mais recentes mostram empréstimos estrangeiros em quase US $ 500 bilhões por ano, com um aumento de mais de 10% na posição de endividamento líquido dos Estados Unidos em apenas um ano.

Da mesma forma, as guerras comerciais de Trump, apesar de todo o seu barulho e fúria, não reduziram o déficit comercial dos EUA, que foi um quarto mais alto em 2018 do que em 2016. O déficit de mercadorias em 2018 foi o maior já registrado. Até o déficit no comércio com a China aumentou quase um quarto em relação a 2016. Os EUA chegaram a um novo acordo comercial norte-americano, sem as disposições do acordo de investimento que a Rodada de Negócios desejava, sem as disposições que aumentavam os preços dos medicamentos que as empresas farmacêuticas queriam, e com melhores provisões trabalhistas e ambientais. Trump, um autoproclamado mestre de acordos, perdeu quase todas as frentes em suas negociações com os democratas do Congresso, resultando em um acordo comercial ligeiramente melhorado.

E, apesar das prometidas promessas de Trump de devolver os empregos industriais aos EUA, o aumento no emprego industrial ainda é menor do que o de seu antecessor, Barack Obama, após a recuperação pós-2008, e ainda está muito abaixo da pré-crise nível. Até a taxa de desemprego, no nível mais baixo em 50 anos, oculta a fragilidade econômica. A taxa de emprego para homens e mulheres em idade ativa, apesar de aumentar, aumentou menos do que durante a recuperação de Obama e ainda está significativamente abaixo da de outros países desenvolvidos. O ritmo de criação de empregos também é notavelmente mais lento do que no período de Obama.

Novamente, a baixa taxa de emprego não é uma surpresa, até porque pessoas não saudáveis não podem trabalhar. Além disso, aqueles que recebem benefícios por incapacidade, estão na prisão – a taxa de encarceramento nos Estados Unidos aumentou mais de seis vezes desde 1970, com cerca de dois milhões de pessoas atualmente atrás das grades – ou estão tão desanimados que não mais procuram ativamente empregos, não são contabilizados como “desempregados”. Mas, é claro, eles não estão empregados. Também não é uma surpresa que um país que não oferece assistência à infância acessível ou garanta licença familiar tenha menor emprego feminino – ajustado pela população, mais de dez pontos percentuais a menos – do que outros países desenvolvidos.

Mesmo a julgar pelo PIB, a economia Trump fica aquém. O crescimento do último trimestre foi de apenas 2,1%, muito abaixo dos 4%, 5% ou 6% que Trump prometeu entregar e ainda menos que a média de 2,4% do segundo mandato de Obama. Esse é um desempenho notavelmente ruim, considerando o estímulo proporcionado pelo déficit de US $ 1 trilhão e pelas taxas de juros ultrabaixas. Isso não é um acidente, ou apenas uma questão de má sorte: a marca de Trump é incerteza, volatilidade e enganação, enquanto confiança, estabilidade e segurança são essenciais para o crescimento. O mesmo acontece com a igualdade, de acordo com o Fundo Monetário Internacional.

Portanto, Trump merece notas ruins, não apenas em tarefas essenciais, como defender a democracia e preservar nosso planeta. Ele também não deve receber aprovação no quesito economia.

Joseph Stiglitz é um economista, professor e estudioso estadunidense. Sua obra tem influência direta nos campos de finanças públicas, crescimento, distribuição de renda, eficiência de economias capitalistas e, especialmente, nos estudos sobre as teorias do mercado .

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *