A paralisação dos trabalhadores de videogames

A paralisação dos trabalhadores de videogames
Funcionários da Riot Games realização paralisação em 06/05, em Los Angeles. Fotografia: Dania Maxwell/Los Angeles Times

Apesar das brutais condições de trabalho e dos enormes lucros da indústria, poucos trabalhadores de videogames já realizaram uma ação coletiva trabalhista. Isso mudou na segunda-feira (06/05), quando duzentos trabalhadores da Riot Games iniciaram uma paralisação.

Ryan Smith

Fonte: Jacobin, com ajustes
Tradução: DMT
Data original da publicação: 09/05/2019

Durante as últimas quatro décadas, a ação coletiva no crescente setor de jogos de US $ 138 bilhões tem sido quase inexistente, apesar do fato de os trabalhadores serem regularmente submetidos à exploração sob a forma de 100 horas semanais de trabalho durante os momentos de “tudo ou nada”, ou à culturas corporativas sexistas. Enquanto os personagens que eles criam estão constantemente enfrentando chefes, os próprios trabalhadores de videogames da vida real não estão.

Isso mudou na segunda-feira (06/05), quando cerca de duzentos funcionários da Riot Games, desenvolvedora do popular jogo de computador “League of Legends”, marcharam do escritório de Los Angeles para um estacionamento do local e iniciaram um piquete direcionado à política de arbitragem privada da empresa, chamando a atenção para o que descrevem como um ambiente sexista e nepotista.

“A discriminação sexual e o assédio são um problema na Riot e um problema ainda maior na indústria de videogames”, disse Jocelyn Monahan, estrategista de monitoria de redes sociais da Riot e uma das organizadoras da paralisação. “Esta não é uma história incomum, apenas somos uma das primeiras grandes empresas a ter um artigo sobre isso que desencadeou esse movimento.”

Monahan fez referência a uma investigação aprofundada pelo site de jogos Kotaku em agosto passado. A peça pinta uma imagem de discriminação sexual e assédio contra as mulheres que trabalham na desenvolvedora de jogos, a qual é propriedade da empresa chinesa Tencent Holdings. Dos 2.500 trabalhadores da empresa, apenas cerca de 10% são mulheres.

“Fiquei arrasada no ano passado quando essa história saiu porque [as mulheres trabalhadoras] são muito isoladas umas das outras aqui e não percebemos o quão disseminadas eram essas experiências com essa cultura de misoginia e nepotismo”, disse um empregado da Riot que paralisou na segunda-feira e que quis permanecer anônimo. “Eu vou deixar a Riot, a não ser que eles melhorem. Eles precisam de nós, mas nós não precisamos deles.”

Depois que a investigação foi publicada, cinco ex-funcionários ou atuais processaram a empresa por práticas sexistas, incluindo violações do Equal Pay Act (Lei de Igualdade de Remuneração) da Califórnia. Uma ação judicial, por exemplo, alegou que as condições de trabalho do autor foram negativamente impactadas pelo “assédio sexual, má conduta e preconceito em curso, que predominam o ambiente de trabalho sexualmente hostil da Riot Games”.

Então, duas semanas atrás, Kotaku deu a notícia de que a Riot estava forçando dois dos trabalhadores que entraram com processos na arbitragem, o que permite às empresas mediar disputas internamente para evitar ações judiciais e manter os casos de assédio sexual e assédio em geral longe do escrutínio público. É o mesmo tipo de política que levou 20 mil funcionários do Google a promover uma greve em novembro de 2018, depois de alegações de má conduta sexual contra a empresa de tecnologia. Outras empresas do Vale do Silício, como Facebook, Lyft, Microsoft e Uber, também se comprometeram a mudar suas políticas de arbitragem forçada.

A decisão da Riot de ordenar a arbitragem foi como um “barril de pólvora” que desencadeou a paralisação de segunda-feira, disse Monahan. “As pessoas ficaram muito chateadas por duas razões: uma foi por terem ouvido sobre isso através do Kotaku em vez de internamente e, em segundo lugar, isso é algo péssimo para as vítimas de discriminação”, disse ela.

Na sexta-feira (03/05), a Riot Games respondeu aos relatos de uma paralisação próxima publicando um comunicado em seu site, o qual dizia que sua liderança “entende e respeita os Rioters (trabalhadores da Riot) que escolhem protestar” e também que planejava dar aos novos funcionários a possibilidade de optar pela arbitragem forçada para assédio sexual e alegações de agressão sexual. Mas eles não disseram como lidariam com funcionários atuais que já haviam assinado contratos com cláusulas de arbitragem.

Essa resposta não é boa o suficiente, disse Monahan. “Esta conversa atual começou porque [a arbitragem forçada] está sendo usada contra pessoas que são funcionários atuais da empresa. Eles são os que mais merecem nosso apoio e usá-los como danos colaterais para ter uma conversa futura é inaceitável ”.

Se a gestão da Riot não se comprometer a encerrar a arbitragem forçada até 16 de maio, os organizadores dizem que estão planejando tomar novas medidas, embora não tenham especificado como elas poderiam ser.

Os trabalhadores da empresa não são sindicalizados, mas os organizadores da greve dizem que a possibilidade de sindicalização faz parte da conversa do grupo.

Como ocorreu, a ação de segunda-feira foi um marco que pode repercutir em toda a indústria de jogos que recentemente tem avançado aos poucos em direção à organização trabalhista.

A Game Workers Unite – um grupo de defesa de base que ajudou Monahan e outros Rioters a organizar a greve e ofereceu uma carta de solidariedade em apoio à ação – cresceu rapidamente de uma conversa privada em um servidor de bate-papo em março de 2018 para uma organização com 800 participantes membros ativos e dezessete comitês norte-americanos um ano depois. A Game Workers Unite quer ajudar as pessoas dentro da indústria a organizarem-se numa época em que as práticas anti-trabalhador da indústria estão finalmente conseguindo mais atenção da mídia, como histórias de excesso de trabalho e abuso na Rockstar Games durante a realização do jogo Red Dead Redemption 2.

As empresas de videogames têm muitas horas de trabalho, tratamento ruim e um nivelamento por baixo em termos de empregadores oportunistas que – de acordo com o site Game Workers Unite – “incentivam os trabalhadores a vender suas embarcações pelo menor custo possível, apenas para estarem em uma indústria que eles amam … ”

Monahan acredita que a paralisação vai desencadear outras ações – tanto na Riot quanto em toda a indústria de tecnologia e jogos. “Mesmo se quiséssemos que fosse o fim, começamos um monte de coisas. Eu não vejo isso morrer tão cedo e eu não quero que isso desapareça.

“Espero que outras pessoas de outras empresas de jogos estejam tendo essas mesmas conversas. Eu acho que não importa como a questão da arbitragem forçada atinja a Riot – o que fizemos foi fazer as pessoas perceberem que são parte dessa comunidade e, nós, como trabalhadores, temos o poder de fazer mudanças coletivamente, se formos suficientemente barulhentos. ”

Ryan Smith é um jornalista freelancer de Chicago.

Leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *