A história por trás da foto que denunciou a crueldade da escravidão nos EUA

Matéria de jornal de 1863 com ilustrações de Peter em três momentos diferentes: logo após sua fuga, em inspeção médica mostrando as cicatrizes nas costas, e em uniforme, após ter se juntado ao exército da União. Imagem: Library of Congress

O ator Will Smith será o responsável por interpretar um escravo que ficou conhecido por fugir e posar para uma foto que escancararia a brutalidade dos escravistas brancos, o tornando um importante mártir para a causa abolicionista pelo mundo.  

De acordo com o portal Deadline, um dos mais importantes do ramo do entretenimento, o longa será dirigido por Antoine Fuqua (“Dia de Treinamento” e “O Protetor”) e chamará “Emancipation”. Apesar do contexto histórico, o projeto é descrito como um “thriller de ação” que irá narrar a fuga de Peter de seus captores. 

A imagem que retrata as cicatrizes nas costas de Peter, resultado de um chicoteamento que quase o matou, foi publicada originalmente, em 1863, no jornal The Independent, mas logo a “Scourged Back”, como ficou conhecida, rodou o globo e gerou uma série de reflexões que são debatidas até hoje.

A história por trás da ficção

Quando chegou ao acampamento da União em Baton Rouge, em março de 1863, Peter já estava no inferno. Cães de caça o perseguiram. Ele fora procurado por quilômetros, andara descalço por riachos e através dos campos. Mas havia sobrevivido. Quando chegou aos soldados, as roupas de Peter estavam esfarrapadas e ensopadas de lama e suor.

Entretanto, isso não havia sido nada se comparado ao que já havia passado. Durante a escravização de Peter, na plantação de John e Bridget Lyons, na Louisiana, ele suportou não apenas a indignidade da escravidão, mas uma sessão de chicoteamento que quase lhe tirou a vida.

Fotografia: Mcpherson & Oliver/Library of Congress

Mas quando se juntou ao Exército da União, após a sua fuga, Peter expôs suas cicatrizes ao mundo e todos puderam ouvir sua voz, que havia sido silenciada há anos. Os vergões sobressaltavam suas nádegas e se estendiam até a altura dos ombros.

As marcas estreitas cruzavam todo seu dorso. Uma dolorosa lembrança da crueldade que sofrera. Uma prova brutal da escravidão. Para os brancos, aquele retrato era chocante, porém, para os negros, a imagem era parte de um cotidiano, mas que foi crucial para alimentar a chama da abolição durante a Guerra Civil.

Uma fotografia das costas de Peter se tornou uma das imagens da escravidão mais difundidas em sua época, estimulando a opinião pública e servindo como uma acusação sem palavras da instituição da escravidão.

As costas desfiguradas do escravo ajudaram a dar vida às apostas da Guerra Civil, contradizendo a insistência dos sulistas de que a posse de escravos era uma questão de sobrevivência econômica, não racismo. E mostrou o quão importante a mídia de massa foi durante a guerra que quase destruiu os Estados Unidos.

A vida de Peter

Não se sabe muito sobre Peter além do testemunho que ele deu aos médicos legistas no campo, mas a imagem das costas e as cicatrizes com queloides que sofreu com a agressão dizia muito sobre quem o escravizou.

Ele disse aos examinadores que havia deixado a plantação há dez dias e que o homem que o açoitava era o supervisor da plantação, Artayou Carrier. Depois das chicotadas, foi informado de que havia ficado “meio louco” e que havia ameaçado a esposa. Enquanto estava deitado na cama se recuperando, o proprietário da plantação demitiu o superintendente. Mas Peter já havia decidido fugir.

Na noite em que escapou, Peter e três outras pessoas escravizadas escaparam na plenitude da escuridão, mas um de seus companheiros foi assassinado por caçadores de escravos que vieram em busca das propriedades de Lyons.

Somente após dias de perseguição chegaram ao acampamento da União, chorando de alegria quando foram recebidos por homens negros de uniforme. Eles imediatamente se alistaram. Os soldados brancos que inspecionaram Peter ficaram horrorizados com seus ferimentos.

Mas, embora a experiência de Peter tenha sido compartilhada por milhares de pessoas escravizadas, era estranha a muitos nortistas que nunca haviam testemunhado com seus próprios olhos a brutalidade contra seus semelhantes. Poucos haviam visto a evidência da opressão dos escravos.

McPherson e Oliver, dois fotógrafos itinerantes que estavam no acampamento, fotografaram as costas de Peter. O retrato logo se espalhou por todo o país. A imagem era uma refutação poderosa à mentira de que pessoas escravizadas eram tratadas com humanidade, um refrão comum daqueles que não pensavam que a prática deveria ser abolida.

Não está claro o que Peter fez durante o resto da guerra, ou como era sua vida após o fim do conflito. Porém, a única certeza que ficou é que, embora a escravidão tivesse sido abolida, ele — e os outros que haviam sido subjugados, espancados e humilhados durante centenas de anos de escravidão nas Américas — carregariam pelo resto de suas vidas as cicatrizes da escravidão.

Fonte: Aventuras na História
Texto: Fabio Previdelli
Data original da publicação: 16/06/2020

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *